CONTEÚDO DO MANUAL

Manual do Síndico InSide

Apresentação

Introdução

Prezado(a) Síndico(a),

 Este Manual foi desenvolvido com o objetivo de fornecer ao síndico do Residencial INSIDE as orientações necessárias para facilitar a utilização, conservação e manutenção das áreas comuns do edifício, bem como auxiliá-lo quanto às suas responsabilidades perante a edificação.

Leia cuidadosamente todas as instruções, procedimentos e recomendações aqui apresentados e transmita-os aos demais funcionários e prestadores de serviços do condomínio. É importante que, ao fim do seu mandato, uma cópia seja entregue ao novo síndico. 

 Fique à vontade para entrar em contato conosco e tirar dúvidas com nosso departamento técnico.

 Viplan Engenharia Ltda.

R. José Boiteux, 343 – Bairro Glória

CEP 89216-275 – Joinville/SC

Telefone: (47) 3205-0050

Ficha técnica do empreendimento

CONDOMÍNIO INSIDE

Endereço: Rua Professor Humberto Rodhen, 49, Costa e Silva, CEP: 89.219-300 Joinville/SC. 

Terreno: Área total de 1.050,00 m² .Imóvel matriculado sob no 170.293 – Livro 2-RG no Serviço Registral da 1ª Circunscrição da Comarca de Joinville (SC).

Projetos: Projetos Aprovados pela Prefeitura Municipal de Joinville/SC sob o nº 1546/2020, com Alvará de Construção nº 1677/2020.   

Habite-se VIGILÂNCIA SANITÁRIA*: _______

Certificado Conclusão de Obras*: _______________________

Termo de Vistoria Corpo de Bombeiros*: _______________________

* Não emitido até a publicação deste Manual, favor consultar a construtora.

Descrição do empreendimento:

O empreendimento possui 42 unidades habitacionais, e tem área total construída de 4.885,67 m².

No pavimento TÉRREO estão localizados: acesso de pedestres, hall, bicicletas compartilhadas, salão de festas com WC-PCD, quiosque, lavabo, Playground, piscina, ferramentas, espaço pet, circulação, elevador, escada enclausurada com antecâmara e duto de ventilação, acesso às garagens, vagas de garagem cobertas, vaga PCD, bicicletário, área de manobra de veículos, rampa de acesso às garagens do pavimento superior, cisterna de água, acesso de veículos, área de descarga, central de gás,lixeiras, medidores de energia elétrica, DML/WC de serviços e paisagismo.

No 1º PAVIMENTO encontram-se: acesso às garagens, área de manobra de veículos, vagas de garagem cobertas, circulação, elevador, escada enclausurada com antecâmara e duto de ventilação, academia com WC-PCD e dois (02) apartamentos por pavimento: final 01 (Apto 101) e final 02 (Apto 102).

Os PAVIMENTOS TIPO (2º ao 9º Pavimento) são compostos de: circulação, elevador, escada enclausurada com antecâmara e duto de ventilação e cinco (05) apartamentos por pavimento: final 01 (Apto 201 ao Apto 901), final 02 (Apto 202 ao Apto 902), final 03 (Apto 203 ao Apto 903), final 04 (Apto 204 ao Apto 904) e final 05 (Apto 205 ao Apto 905).

No pavimento BARRILETE estão: escada enclausurada com antecâmara e duto de ventilação, elevador, acesso a caixa d’água e casa de máquinas.

No pavimento CAIXA D’ÁGUA estão: duto, acesso e duas caixas d’água de 20.000 litros.

Relação de projetistas

Projetos

Projeto Arquitetônico:

M2 Arquitetura – Miguel Canãs Martins – Arqto CAU 36504-1

Projeto de Fundações:

Solo Sondagem – Carlos Roberto Machado – Engº Civil CREA 8.332-0

Eng Engenharia – Guillermo Ariel Lovera Cares – Eng° Civil CREA 24.030-4

Projeto Estrutural:

Eng Engenharia – Guillermo Ariel Lovera Cares – Engo Civil CREA 24.030-4

Projetos Hidrossanitário, Água Fria, Água Quente, Esgoto Sanitário e Pluvial:

Thorus Engenharia – Amanda Larentis – Enga Civil CREA 108896-7

Projetos Preventivo Contra Incêndios e Instalação de GLP:

Thorus Engenharia – Amanda Larentis – Enga Civil CREA 108896-7

Projetos Climatização:

Thorus Engenharia – Amanda Larentis – Enga Civil CREA 108896-7

Projetos Elétrico e Comunicação (Televisão, Sonorização e Telefonia):

Perondi Engenharia – Leandro Perondi – Engo Eletricista CREA 79.270-1

Projeto de Impermeabilização:

Redin Engenharia Ltda – Cátia Redin – Enga Civil CREA151.558-9

Responsável Técnico:

Viplan Engenharia Ltda – Andira Deretti Lopes – Enga Civil CREA 23.030-1

Construtora e Incorporadora

Viplan Engenharia Ltda.

R. José Boiteux, 343 – Glória – Joinville/SC.

Fone: (47) 3205-0050

CNPJ: 01.961.435/0001-65

Elaboração dos Manuais

Os manuais de uso, operação e manutenção do edifício INSIDE foram elaborados com a consultoria técnica da empresa Performance Gestão de Projetos, e compreendem os seguintes documentos:

·   Manual do Proprietário

·   Manual do Síndico (Áreas Comuns)

Estes documentos foram elaborados com base na legislação e normas técnicas vigentes, a partir das informações fornecidas pela Viplan Engenharia, fornecedores e fabricantes sobre os sistemas, materiais e equipamentos utilizados na edificação. A consultoria não se responsabiliza pelas informações e dados utilizados nestes manuais que tenham sido fornecidos pela construtora.

Consultora Responsável:

Juliana May Sangoi

Engª Civil – CREA/SC 109.246-9

Vida Útil de Projeto

Os projetos e materiais do empreendimento foram elaborados e definidos pelos projetistas para atender a VIDA ÚTIL DE PROJETO no nível de desempenho MÍNIMO, os valores estão listados na tabela a seguir de acordo com a norma técnica ABNT NBR 15575-1/2013:

SistemaVida Útil de Projeto(Nível de Desempenho Mínimo)
Estrutura50 anos
Pisos internos13 anos
Vedações verticais externas40 anos
Vedações verticais internas20 anos
Coberturas20 anos
Instalações Hidrossanitárias20 anos

Importante ressaltar as definições de Vida Útil (VU) e Vida Útil de Projeto (VUP), conforme as normas ABNT NBR 15575-1/2013 e ABNT NBR 17170/2022:

1) Vida útil (VU): período de tempo em que um edifício e/ou seus sistemas se prestam às atividades para as quais foram projetados e construídos, com atendimento dos níveis de desempenho previstos na ABNT NBR 15575, considerando a periodicidade e a correta execução dos processos de manutenção especificados no respectivo manual de uso, operação e manutenção. A vida útil não pode ser confundida com prazo de garantia legal ou contratual.

NOTA: O correto uso e operação da edificação e de suas partes, a constância e efetividade das operações de limpeza e manutenção, alterações climáticas e níveis de poluição no local da obra, mudanças no entorno da obra ao longo do tempo (trânsito de veículos, obras de infraestrutura, expansão urbana etc.) interferem na vida útil, além da vida útil de projeto, das características dos materiais e da qualidade da construção como um todo. O valor real de tempo de vida útil será uma composição do valor teórico de vida útil de Projeto devidamente influenciado pelas ações da manutenção, da utilização, da natureza e da sua vizinhança. As negligências no cumprimento integral dos programas definidos no manual de operação, uso e manutenção da edificação, bem como ações anormais do meio ambiente, irão reduzir o tempo de vida útil, podendo este ficar menor que o prazo teórico calculado como vida útil de projeto. 

2) Vida útil de projeto (VUP): período estimado de tempo para o qual um sistema é projetado, a fim de atender aos requisitos de desempenho estabelecidos na ABNT NBR 15575, considerando o atendimento aos requisitos das normas aplicáveis, o estágio do conhecimento no momento do projeto e supondo o atendimento da periodicidade e correta execução dos processos de manutenção especificados no respectivo manual de uso, operação e manutenção. A vida útil de projeto não pode ser confundida com tempo de vida útil, durabilidade, prazo de garantia legal ou contratual.

NOTA: A VUP é uma estimativa teórica de tempo que compõe o tempo de vida útil. O tempo de VU pode ou não ser atingido em função da eficiência e registro das manutenções, de alterações no entorno da obra e da edificação, fatores climáticos etc.

Responsabilidades e Incumbências

Para que as legítimas expectativas de conforto, desempenho, segurança e durabilidade do imóvel adquirido sejam alcançadas, é essencial que cada integrante da relação econômica, do fornecedor de materiais ao consumidor final, faça a sua parte.

Assim, sintetizamos as principais responsabilidades e incumbências que as normas técnicas e legislação vigente imputam a cada uma das partes, tendo em mente que o desempenho habitacional é resultado da colaboração de todos.

  • Responsabilidade da Construtora e/ou Incorporadora

É de responsabilidade da construtora a execução do empreendimento de acordo com o projeto, a elaboração de manuais de uso, operação e manutenção dos materiais utilizados no empreendimento (atendendo as normas ABNT NBR 14037, ABNT NBR 5674 e ABNT 15575), bem como a elaboração de proposta de modelo de gestão de manutenção aos usuários, que informará os respectivos prazos de vida útil e de garantias.

Cabe à construtora/incorporadora, ainda, a prestação de serviços de assistência técnica e a realização das manutenções previstas dentro do prazo de garantia, conforme NBR 17070, reparando, sem ônus, os vícios ocultos e aparentes dos serviços – respeitados os prazos para reclamação pelo proprietário.

Caso os serviços solicitados à assistência técnica não estejam enquadrados nas condições de garantia, poderá ser cobrada uma taxa de visita pela construtora/incorporadora.

Também incumbe à construtora/incorporadora a responsabilidade de orientar e esclarecer dúvidas acerca das revisões e manutenções preventivas que eventualmente os proprietários e síndicos possam ter.

  • Responsabilidade dos Fornecedores

Os fornecedores de materiais e peças possuem a responsabilidade de caracterizar o desempenho de cada um dos componentes, bem como de indicar seus prazos de vida útil, orientando, aos usuários e à incorporadora/construtora, acerca dos cuidados necessários na instalação, operação e manutenção dos componentes.

Cumpre esclarecer que o termo “fornecedor” é utilizado no Código de Proteção e Defesa do Consumidor em sentido amplo, abarcando toda a cadeia de prestação de serviços no setor da construção civil. O artigo 18 da referida lei determina que os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis respondem solidariamente pelos vícios de qualidade ou quantidade que os tornem impróprios ou inadequados ao consumo a que se destinam ou lhes diminuam o valor, podendo o consumidor exigir a substituição das partes viciadas, desde que dentro do prazo de garantia legal ou contratual.

  • Responsabilidade dos Projetistas

Cabe aos projetistas a responsabilidade de dispor aos construtores, incorporadores e demais usuários, as informações necessárias para a elaboração dos manuais, principalmente informações sobre correto uso e manutenção, cargas previstas, cargas máximas admitidas, e riscos ao uso. São responsáveis, também, pela especificação dos componentes e sistemas em estrita observação aos critérios das normas técnicas vigentes.

  • Responsabilidade dos Proprietários, inquilinos e usuários em geral

Aos proprietários e usuários em geral do imóvel, por sua vez, recaem, essencialmente, responsabilidades de uso adequado e manutenção da edificação, não alterando a sua destinação e respeitando as orientações das normas e dos manuais entregues pela construtora.

Já no momento da vistoria para o recebimento das chaves começam as responsabilidades do proprietário, e se estendem à realização de manutenções preventivas, rotineiras e periódicas em sua unidade habitacional, cumprindo as instruções de uso contidas no Manual do Proprietário.

O proprietário também precisa ter conhecimento dos prazos previstos no Código de Proteção e Defesa do Consumidor (CDC) para a comunicação de vícios construtivos, solicitando o serviço de assistência técnica da construtora e registrando todas as manutenções e inspeções realizadas.

Importante ressaltar que as responsabilidades dos proprietários não são restritas às próprias unidades habitacionais, e sim a todas as áreas de uso comum e equipamentos coletivos, por isso é fundamental a colaboração de cada morador.

Merecem destaque as seguintes incumbências dos proprietários, inquilinos e usuários da edificação em geral:

1. O proprietário é responsável pela manutenção de sua unidade e corresponsável pela manutenção das áreas comuns, obrigando-se a permitir o acesso de profissional destacado pela construtora e/ou incorporadora para realização de manutenção, sob pena de perda de garantia;

2. Não realizar modificações na edificação sem conhecimento e prévia anuência do construtor e/ou projetistas;

3. Não realizar reformas sem seguir as diretrizes da norma ABNT NBR 16280, principalmente comunicar formalmente ao administrador ou síndico sobre a obra antes de seu início;

4. Seguir os Manuais de uso, operação e manutenção da edificação;

5. Executar as manutenções preventivas, corretivas e rotineiras de acordo com o Manual de Manutenção;

6. Não efetuar, em hipótese alguma, alterações que impliquem demolição total ou parcial de elementos estruturais da edificação (pilares, vigas ou lajes) ou das instalações principais (hidráulica, elétrica ou de gás);

7. Repassar todas as informações contidas neste Manual e demais documentos conexos para os demais usuários do apartamento, bem como aos eventuais inquilinos e proprietários seguintes.

  • Responsabilidades do Síndico

O síndico do condomínio é a pessoa escolhida pelos condôminos para tratar dos interesses e da administração do imóvel, sendo, também, seu representante legal. Além de ser um facilitador da comunicação e da gestão do condomínio, cabe a ele zelar pelo patrimônio comum, elaborar orçamentos de receitas e despesas, cobrar dos demais condôminos as suas contribuições, impor sanções, prestar contas, contratar o seguro da edificação, realizar assembleias etc. Em casos de negligência no cumprimento de seus deveres, o síndico poderá ser civil e criminalmente responsabilizado.

É possível, também, que os condôminos deleguem as atribuições do síndico a uma empresa ou profissional legalmente habilitado, que assumirá as mesmas responsabilidades.

Como principal responsável pelas áreas comuns e pela administração da edificação, portanto, o síndico possui as seguintes incumbências:

1. Seguir os Manuais de uso, operação e manutenção da edificação;

2. Executar o Plano de Manutenção Preventiva, de acordo com a NBR 5674, bem como promover as manutenções rotineiras e corretivas de acordo com o Manual de Manutenção;

3. Permitir, a qualquer tempo, o acesso de profissional destacado pela Construtora e/ou Incorporadora, devidamente habilitado, para proceder às conferências e vistorias técnicas necessárias, de forma a certificar-se de que as manutenções estão sendo realizadas conforme o plano de manutenção proposto, sob pena de perda de garantia;

4. Acionar o serviço de Assistência Técnica da Construtora e/ou Incorporadora na ocorrência de defeitos nos sistemas da edificação dentro dos prazos de garantia;

5. Registrar as datas de realização das vistorias de assistência técnica e das manutenções e arquivar a documentação comprobatória da execução dos serviços, bem como especificar os profissionais que foram contratados;

6. Não promover, dentro dos prazos de garantia, modificações nas áreas comuns da edificação sem conhecimento e prévia anuência da construtora e/ou projetistas;

7. Não efetuar, em hipótese alguma, alterações que impliquem demolição total ou parcial de elementos estruturais da edificação ou das instalações principais (hidráulica, elétrica ou de gás);

8.  No caso de substituição do Síndico ou responsável pelo gerenciamento do edifício, este se obriga a transmitir, ao seu substituto ou sucessor, as orientações sobre o adequado uso, manutenção e garantia das áreas comuns, entregando-lhe os documentos e manuais correspondentes.

9. Guardar todas as plantas (arquitetura, instalações, prumadas hidráulicas etc.), planilhas de manutenção, manuais e notas fiscais referentes à edificação, comprometendo-se a atualizá-los em caso de alteração nas normas técnicas e legislação vigente;

10. Responsabilizar-se por seguir as orientações e prazos indicados no Manual das Áreas Comuns, em conformidade com a ABNT NBR 14037, e por atuar com diligência e zelo na contratação de serviços de interesse do condomínio (art. 1348, V, do Código Civil Brasileiro).

Siglas e Definições

ART: Anotação de Responsabilidade Técnica. Instrumento através do qual o profissional de engenharia registra as atividades técnicas solicitadas através de contratos (escritos ou verbais) para o qual o mesmo foi contratado. A ART define, para os efeitos legais, o(s) responsável(is) técnico(s) pela execução de obras/serviços. Somente é considerada válida a ART quando estiver cadastrada no CREA, quitada, possuir as assinaturas originais do profissional e contratante, além de estar livre de qualquer irregularidade referente às atribuições do profissional que a anotou.

CAU: Conselho de Arquitetura e Urbanismo.

CREA: Conselho Regional de Engenharia e Agronomia.

Dessolidarização: Falha caracterizada pela condição em que uma camada de um material ou um componente se separa do sistema ou equipamento de que faz parte, deixando assim de cumprir sua função no desempenho deste sistema ou equipamento. 

Durabilidade: É a capacidade da edificação – ou de seus sistemas – de desempenhar suas funções ao longo do tempo, e sob condições de uso e manutenção especificadas nos Manuais de Uso, Operação e Manutenção. O termo “durabilidade” é comumente utilizado como qualitativo, para expressar a condição em que a edificação ou seus sistemas mantêm o desempenho requerido, durante a vida útil. A durabilidade de um produto se extingue quando ele deixa de atender às funções que lhe foram atribuídas, quer seja pela degradação, que o conduz a um estado insatisfatório de desempenho, quer seja por obsolescência funcional.

Empresa autorizada pelo fabricante: Organização ou profissional liberal que exerce função na qual são exigidas qualificação e competência técnica específica e que são indicados e treinados pelo fabricante.

Empresa capacitada: Nos termos da ABNT NBR 5674, organização ou pessoa que tenha recebido capacitação, orientação e responsabilidade de profissional habilitado e que trabalhe sob responsabilidade de profissional habilitado.

Empresa especializada: Nos termos da ABNT NBR 5674, organização ou profissional liberal que exerce função na qual são exigidas qualificação e competência técnica específicas.

Equipe de manutenção local: Nos termos da ABNT NBR 5674, pessoas que realizam serviços na edificação que tenham recebido orientação e possuam conhecimento de prevenção de riscos e acidentes. Observação: O trabalho somente deverá ser realizado se estiver em conformidade com contrato de trabalho e convenção coletiva e em conformidade com a função que o mesmo desempenha.

Falha: Ocorrência que prejudica a utilização do sistema ou do elemento, resultando em desempenho inferior ao requerido.

Falha de uso, operação ou manutenção: Irregularidade, anormalidade ou desgaste natural que implica no término da capacidade da edificação ou de suas partes de cumprir suas funções como requerido, ou seja, atingimento de um desempenho não aceitável (inferior ao desempenho mínimo requerido). Na falha de uso, operação ou manutenção ocorre desempenho inferior ao requerido como decorrência de uso e/ou operação inadequados, e/ou da inadequação da elaboração, planejamento, execução e controle do programa de manutenção.

Garantia contratual: Período de tempo, igual ou superior ao prazo de garantia legal, oferecido voluntariamente pelo fornecedor (incorporador, construtor ou fabricante) do produto. Este prazo pode ser diferenciado para cada um dos componentes do produto a critério do fornecedor. A garantia contratual é facultativa, complementar à garantia legal, não implicando necessariamente na soma dos prazos.

Garantia legal: Período de tempo, previsto em lei, que o comprador¹ dispõe para reclamar dos vícios (defeitos) verificados na aquisição de produtos duráveis. O prazo de garantia legal é de 90 dias, porém o termo inicial do prazo de garantia dependerá do tipo de vício (se aparente ou oculto).

¹ No caso da construção civil, equiparam-se ao comprador o proprietário do imóvel, o síndico, o inquilino e o usufrutuário do imóvel.

GLP: Gás Liquefeito de Petróleo.

Lajes: Elementos estruturais planos que recebem as ações diretas das cargas (pisos, alvenarias, móveis etc.).

Manutenção: Nos termos da ABNT NBR 15575, conjunto de atividades a serem realizadas ao longo da vida útil da edificação para conservar ou recuperar a sua capacidade funcional e de seus sistemas constituintes e atender as necessidades e segurança dos seus usuários.

i.         Manutenção corretiva: Manutenção efetuada após a identificação de uma falha, realizada para corrigir as causas e efeitos de ocorrências constatadas, destinando-se a recolocar o componente em condições de executar sua função adequada.  Caracterizada por serviços que demandam ação ou intervenção imediata a fim de permitir a continuidade do uso dos sistemas, elementos ou componentes das edificações, ou evitar graves riscos ou prejuízos pessoais e/ou patrimoniais.;

ii.       Manutenção preventiva: Manutenção efetuada em intervalos predeterminados, conforme critérios prescritos. É realizada para manter o equipamento ou instalação em condições satisfatórias de operação, destinando-se a reduzir a possibilidade de falha ou degradação natural do desempenho do componente, bem como prevenir contra ocorrências adversas;

iii.     Manutenção rotineira: Manutenção efetuada juntamente com os cuidados de uso e realizada pelo próprio usuário durante a utilização do produto. Visa manter o equipamento ou instalação em condições satisfatórias de operação, destinando-se a reduzir a possibilidade de falha ou degradação natural do desempenho do componente, bem como prevenir contra ocorrências adversas. Caracterizada por um fluxo constante de serviços, padronizados e cíclicos, como por exemplo, limpeza geral e lavagem das áreas comuns.

Prazo de garantia: tempo em que um fornecedor é responsável perante o consumidor por corrigir falhas nos produtos por ele fornecidos originadas no processo de sua concepção e produção, desde que seja realizada a manutenção devida, os produtos sejam corretamente utilizados e observadas as demais condições previstas no manual de uso, operação e manutenção deste produto. Esses prazos correspondem ao período de tempo em que é elevada a probabilidade de que eventuais falhas em um sistema, em estado de novo, venham a se manifestar, decorrente de desempenho inferior àquele previsto. Pode ser um tempo definido em lei (prazo de garantia legal) ou oferecido pelo fornecedor (prazo de garantia contratual).

Pilares: Elementos estruturais lineares verticais, cujos carregamentos principais provenientes das vigas são neles concentrados e distribuídos para as fundações.

Profissional habilitado: Pessoa física e/ou jurídica, prestadora de serviço, legalmente habilitada, com registro válido em órgãos legais competentes para exercício da profissão, prevenção de respectivos riscos e implicações de sua atividade nos demais sistemas do edifício.

Prumada: Conjunto de elementos de um edifício com um alinhamento vertical comum. Nas instalações hidros sanitárias, as prumadas são as tubulações que transportam a água entre os pavimentos.

RRT: Registro de Responsabilidade Técnica. É o documento que comprova que projetos, obras ou serviços técnicos de Arquitetura e Urbanismo possuem um responsável devidamente habilitado e com situação regular perante o Conselho para realizar tais atividades.

Solidez da construção: São itens relacionados à solidez da edificação e que possam comprometer a sua segurança, neles incluídas peças e componentes da estrutura do edifício, tais como lajes, pilares, vigas, estruturas de fundação, contenções e arrimos.

Vício: É considerado vício qualquer defeito inerente ou intrínseco ao produto ou serviço, que apenas causa o seu mau funcionamento ou não-funcionamento, mas que não representa perigo ao consumidor.

i.     Vícios aparentes: São aqueles de fácil constatação, detectados na vistoria para recebimento do imóvel.

ii.   Vícios ocultos: São aqueles não detectáveis no momento da entrega do imóvel e que podem ser constatados durante a sua utilização regular.

Não se entende por vício, aparente ou oculto, alterações decorrentes de desgaste natural, por tempo ou uso, fatores climáticos, acomodações estruturais normais da edificação, e outros itens descritos nos campos “variações admissíveis” desse manual.

Vida útil: É o intervalo de tempo ao longo do qual a edificação e suas partes constituintes atendem aos requisitos funcionais para os quais foram projetadas, caso sejam obedecidos os planos de uso, operação e manutenção respectivos.

Vigas: Elementos estruturais lineares horizontais que recebem os carregamentos advindos das lajes. São peças periféricas às lajes e responsáveis pelas distribuições das cargas para os pilares.

Referências

ABNT NBR 14037:2011- Diretrizes para elaboração de manuais de uso, operação e manutenção das edificações – Requisitos para elaboração e apresentação dos conteúdos.

ABNT NBR 5674:2012 – Manutenção de edificações – Requisitos para o sistema de gestão de manutenção.

ABNT NBR 15575:2013 – Edificações Habitacionais – Desempenho – Parte 1: Requisitos Gerais.

ABNT NBR 16280:2014 – Reforma em edificações – Sistema de gestão de reformas – Requisitos.

ABNT NBR 17170:2022 – Edificações — Garantias — Prazos recomendados e diretrizes

Câmara Brasileira da Indústria da Construção – CBIC. Guia Nacional para Elaboração do Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações.

Lei 8.078/90 – Código de Proteção e Defesa do Consumidor.

Lei 10.406/ 2002 – Código Civil Brasileiro

Informações importantes

Primeiros passos

A partir da entrega do empreendimento aos moradores, o síndico deverá seguir os seguintes procedimentos.

Ligação de Energia Elétrica

As áreas comuns do edifício já possuem ligação definitiva de energia junto a CELESC. No entanto, é necessário solicitar a transferência de titularidade para o condomínio. A troca de titularidade pode ser solicitada em uma unidade de atendimento presencial da CELESC, ou por formulário online.

O procedimento para solicitação, documentação necessária e formulários podem ser acessados em: https://www.celesc.com.br/troca-de-titularidade

Para solicitar a ligação de energia elétrica ou troca de titularidade, você deverá informar o tipo de ligação:

UnidadesTipo de Ligação
ApartamentosBifásica
CondomínioTrifásica
UNIDADE CELESC JOINVILLERua Timbó, 1630 (esquina com a rua Bento Gonçalves)Segunda a Sexta 08h às 16hhttps://www.celesc.com.br/ Telefone: 0800 480 120

 

Ligação de TV, Telefone e Internet

A solicitação ou transferência da linha telefônica, TV a cabo ou internet deverá ser feita à operadora escolhida pelo condomínio.

É necessário avisar a concessionária que se trata de uma ligação em prédio novo, para que a mesma envie a equipe especializada em novas ligações.

Foi entregue apenas as tubulações secas, sem cabeamento de telefone, TV e internet.

Ligação de Gás

O gás utilizado no condomínio é o gás GLP, fornecido através de um contrato de comodato entre o condomínio e a Nacional Gás. 

Quando os tanques estiverem em 30% de sua capacidade é necessário que o Condomínio (administração/síndico) formalize pedido de novo abastecimento. A partir daí, faz-se uma programação mensal de abastecimento.

·    Nacional Gás –  https://nacionalgas.com.br/ 

Ligação de Água e Esgoto

O fornecimento de água e as disposições sanitárias de esgoto são realizadas pela Companhia Águas de Joinville, e já estão em funcionamento.

Em caso de problema no fornecimento, utilize os canais de contato:

  • Atendimento ao Cliente Águas de Joinville: (47) 99771-8115 / 0800 723 0300 (segunda a sexta das 8:00 às 18:00)
  • Site: www.aguasdejoinville.com.br 

Para utilizar água nas torneiras, chuveiros e vasos sanitários, abra os registros de gaveta localizados em cada ambiente. O registro principal de cada unidade se encontra na sala dos medidores localizados no hall de cada andar.

Ao abrir os registros antes da instalação de torneiras e ralos verifique se não estão ocorrendo vazamentos nos caps. Recomendamos que deixe os registros fechados enquanto não estiver morando.

Coleta de Lixo

Cada condômino é responsável por transportar o lixo que produziu para a parte interna da lixeira de uso comum, localizada no pavimento térreo. É obrigatório que todo lixo residencial seja devidamente acondicionado em sacos plásticos, ou em caixas de papelão. A companhia pública de recolhimento de lixo NÃO o recolhe se estiver solto, esparramado pelo chão da lixeira.

O lixo não reciclável e orgânico deve ser separado do lixo reciclável, conforme disposição das lixeiras. Verifique os tipos de lixo e o que pode ou não ser reciclado no item “Informações Complementares – Sustentabilidade e Eficiência Energética” deste Manual.

Resíduos de construção civil (demolição, gesso, pisos e madeira) devem ter destino próprio. Entre em contato com empresas especializadas para o descarte destes materiais.

Quando houver descarte de móveis, material em madeira e outros resíduos sólidos especiais, a Ambiental Limpeza Urbana e Saneamento disponibiliza a coleta agendada. Entre em contato com a Ambiental (https://ambiental.sc/contato/) especificando o tipo de resíduo para saber se realizam a coleta.

Mudanças e Instalação de Móveis

A data e o horário das mudanças para os apartamentos deverão ser previamente comunicados ao síndico ou responsável pelo condomínio, respeitando as normas do edifício.

Ao receber a comunicação de mudança de algum morador, lembre-o de verificar as recomendações e cuidados descritos no Manual do Proprietário.

Nas pastas de cada unidade foi fornecido o arquivo Fotos Instalações, indicando a localização das tubulações nos apartamentos. Este arquivo deve ser consultado antes de realizar perfurações nas paredes.

Feche o registro de gaveta do ambiente antes de realizar furos nas paredes de cozinha, área de serviço e banheiros.Observe que os encanamentos que passam por uma parede de banheiro, cozinha ou área de serviço também passam por esta mesma parede na área seca vizinha.Evitar perfuração na parede próxima ao quadro de distribuição e nos alinhamentos verticais de interruptores e tomadas, para evitar acidentes com os fios elétricos. Assim como furações nos shafts de prumada das tubulações de banheiros e cozinha / área de serviço.

Reformas

Reformas nos apartamentos

De acordo com a Norma Brasileira ABNT NBR 16280/2014, toda reforma nas unidades habitacionais só poderá ser iniciada após comunicação e aprovação do síndico.

Reformas que afetem a estrutura, vedações ou quaisquer sistemas da unidade ou da edificação devem ser acompanhadas por um responsável técnico (engenheiro ou arquiteto) devidamente registrado no conselho de classe (CREA ou CAU), com emissão de Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) ou Registro de Responsabilidade Técnica (RRT). Este profissional deve elaborar um plano de reformas, conforme NBR 16280, a ser aprovado pelo síndico antes do início das obras.

Para realizar obras ou reformas no apartamento, o proprietário deve apresentar ao síndico um plano de reformas, junto com a ART/RRT do responsável técnico pela obra.

Se for constatada a alteração do escopo da reforma, a obra deve ser imediatamente interrompida e proibido o acesso de materiais e funcionários. Toda a documentação deve ser submetida à nova análise e aprovação, e somente após a autorização do novo escopo, a obra pode ser retomada.

Todas as alterações devem ser devidamente documentadas e arquivadas. A NBR 16280/2014 estabelece que o Manual do Proprietário deve ser atualizado nos itens cujas modificações alterem as orientações de operação e manutenção.

Responsabilidades do Síndico ou Responsável Legal da Edificação, segundo a ABNT NBR 16280:

1. Antes do início da obra de reforma:

·         Disponibilizar os requisitos e ações necessárias para realização de reformas além das previstas na convenção de condomínio e regimento, quando condomínio (por exemplo, documentos exigíveis, horário de trabalho, trânsito de insumos e prestadores de serviço, entre outros);

·         Requerer a necessária atualização do manual de operação, uso e manutenção da edificação, observadas as normas pertinentes vigentes;

·         Receber as documentações ou propostas da reforma;

·         Encaminhar a proposta de reforma para análise técnica e legal;

·         Formalizar, com base na análise, resposta à solicitação nos seguintes termos e justificativas (aprovado, aprovado com ressalvas ou rejeitado);

·         Autorizar a entrada na edificação de insumos e pessoas contratadas para realização dos serviços de reforma somente após atendimento a todos os requisitos do plano de reforma;

·         Promover a comunicação e disseminação entre os demais usuários sobre as obras de reforma na edificação que estiverem aprovadas.

2. Durante as obras de reforma:

·         Verificar ou delegar a terceiros o devido atendimento ao plano de reforma, para assegurar condições necessárias à realização segura das obras;

·         Cumprir e fazer cumprir as deliberações em relação às obras aprovadas, em atendimento à convenção, ao regimento interno e às determinações da assembleia, quando condomínio;

·         Tomar as ações legais necessárias, sob qualquer condição de risco iminente para a edificação, seu entorno ou seus usuários.

3. Após as obras de reforma:

·         Vistoriar ou delegar para terceiros as condições de finalização da obra concluída;

·         Receber o termo de encerramento das obras emitido pelo executante e o manual atualizado, nos termos da ABNT NBR 14037;

·         Encerrada a obra, cancelar as autorizações para entrada e circulação de insumos ou prestadores de serviço da obra;

   ·    Arquivar toda a documentação oriunda da reforma, incluído o termo de encerramento das obras emitido pelo executante.

Reformas nas áreas comuns

Da mesma forma que para as unidades, as reformas das áreas comuns também devem ser planejadas e acompanhadas por um responsável técnico (engenheiro ou arquiteto) devidamente registrado no conselho de classe (CREA ou CAU), com emissão de Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) ou Registro de Responsabilidade Técnica (RRT). Todas as reformas devem atender às normas técnicas e legislações vigentes, bem como devem ser alinhadas ao plano de gestão de manutenção e de registro de documentação, conforme a NBR 5674.

Além disso, obras em partes/componentes do edifício que ainda estejam dentro do prazo de garantia oferecido pela construtora e/ou incorporadora, demandam cuidados que vão além da emissão da ART/RRT por profissional habilitado. O síndico deve comunicar a construtora e solicitar sua autorização, que deve ser formalmente documentada, sob pena de perda da garantia sobre a construção.

Lembre-se sempre que o edifício foi construído a partir de projetos elaborados por empresas especializadas, obedecendo a legislação brasileira e as normas técnicas. A construtora e/ou incorporadora não assume a responsabilidade por mudanças (reformas) que não tenha previamente autorizado.

No mesmo sentido, alterações das características originais podem afetar os desempenhos estrutural, térmico e acústico dos sistemas do edifício etc., razão pela qual devem ser feitas sempre por profissionais/empresas especializadas.

Caso o síndico promova mudanças (reformas) nas áreas comuns do edifício sem observar tais orientações, recairão sobre ele as responsabilidades quanto à estabilidade, segurança, salubridade etc. da edificação.

Antes de executar reformas, consulte nos projetos a localização de tubulações, pilares e vigas.Prumadas e elementos estruturais não podem ser alterados ou interferidos, mesmo que parcialmente.

Correspondências e entregas

As caixas de correspondência dos apartamentos estão localizadas na garagem do pavimento térreo.

Para entregas, foi instalado um “armário inteligente” da empresa EntregAli no acesso de pedestres do térreo. Esse sistema é integrado com o sistema de segurança do edifício. O entregador é liberado pela portaria remota apenas na primeira porta da clausura, e deposita a encomenda no armário especificado. O morador é notificado pelo app, recebendo uma senha para retirada da encomenda.

Para mais informações, consulte o Manual do Morador da EntregAli, disponível em: https://entregali.com.br/manual-morador    

O empreendimento possui um contrato de 12 meses deste sistema com a construtora (anexo ao Manual do Síndico) Após este período, deve ser efetuado um novo contrato com o condomínio.

Cuidados Importantes

  • Não jogue quaisquer objetos nos vasos sanitários, como papel higiênico, absorventes higiênicos, folhas de papel, cotonetes, cabelos, plástico de qualquer espécie, gordura, cigarros, tecidos, frascos e outros, pois podem causar entupimentos graves.
  • Sempre fechar o registro de gaveta dos ambientes antes de realizar reparos, instalações ou trocas de materiais dos pontos de água, bem como antes de realizar furos nas paredes.
  • Em caso de ausência prolongada, como viagens, desligue a rede elétrica e feche os registros de gás do seu apartamento.
  • Antes de adquirir equipamentos elétricos, hidráulicos e gás, consulte as informações sobre instalações elétricas, de água e de gás do Manual de Uso e Operação
  • Cuidado ao realizar furos para instalação de redes de proteção em sacadas e janelas. A instalação destes elementos pode causar danos no reboco e revestimentos e causar infiltrações, que não são cobertos pela garantia.
  • É proibido jogar objetos pela janela do apartamento, como lixo, cigarro, entre outros.

Situações de Emergência

Perfuração em tubulação hidráulica

Fechar o registro de gaveta existente no ambiente. Se o fluxo de água não cessar, feche o registro geral do apartamento, junto ao hidrômetro individual localizado no hall do pavimento. Para esgotar a água existente na tubulação, abra novamente os registros de gaveta do apartamento e as torneiras do ambiente, providenciando, em seguida, um bombeiro hidráulico para fazer o conserto.

Curto-circuito

Em caso de curto-circuito, os disjuntores do quadro de comando se desligarão automaticamente, desligando também as partes afetadas pela anormalidade. Para corrigir o sistema, basta voltar o disjuntor correspondente à posição original, mas, antes, procure verificar a causa do desligamento do disjuntor. Chame imediatamente um profissional especializado para reparar o problema.

No caso de curto-circuito em equipamentos ou aparelhos, desarmar manualmente o disjuntor correspondente ou a chave geral, e não voltar a ligá-lo.

Interrupção do funcionamento dos elevadores

No caso de parada súbita do elevador, o funcionário do condomínio deverá acionar a empresa responsável pela manutenção e conservação do elevador (Otis Elevadores) ou o Corpo de Bombeiros, quando necessário. Para sua segurança, siga as instruções da empresa responsável pela manutenção e conservação do elevador.

HORÁRIO DE ATENDIMENTO – Otis ElevadoresMANUTENÇÃO PREVENTIVA: Dias úteis das 07:30 às 17:18 (2ª a 6ª, exceto feriados)CHAMADOS: Das 07:30 às 22:00 (todos os dias da semana)EMERGÊNCIA: 24 horas  (todos os dias da semana)CENTRAL DE ATENDIMENTO: 0800 704 87 83

Portão eletrônico – abertura manual

Em caso de defeito no funcionamento dos portões e/ou falta de energia, solicite a chave tipo cilindro, que se encontra em poder do síndico ou do porteiro, para que os portões possam ser abertos e fechados manualmente.

Vazamento de gás

Ao sentir cheiro de gás, feche imediatamente o registro de entrada de gás do apartamento (no medidor no hall do pavimento). Abrir portas e janelas para ventilar o ambiente. Não acionar interruptores ou quaisquer outros aparelhos que possam gerar faíscas.

Se o vazamento persistir, fechar o registro geral, localizado na central GLP, no pavimento térreo, e avisar aos demais moradores do edifício. Acionar o fornecedor de gás ou o Corpo de Bombeiros para solucionar o problema.

Ao sentir cheiro de gás, indicando vazamento, não acionar interruptores ou aparelhos que possam gerar faíscas. Feche o registro de entrada de gás e ventile os ambientes.

Vazamento ou entupimento de tubulações

o   Vazamentos vindos do apartamento superior ou cobertura:

No caso de algum vazamento no teto do seu apartamento, solicite ao proprietário do apartamento superior uma revisão nos rejuntes e uma vistoria nos aparelhos sanitários, feita por um bombeiro hidráulico, para detectar o problema e, em seguida, reparar os vazamentos.

A responsabilidade por solucionar o vazamento e arcar com os custos de reparo dos danos consequentes nos apartamentos vizinhos é do proprietário/morador da unidade em que iniciou o problema, ou seja, onde está o foco do vazamento.

Em caso de vazamentos vindos da cobertura do edifício (área não privativa) ou barriletes, a responsabilidade é do condomínio, que deve investigar a causa do vazamento e providenciar o conserto.

o   Entupimento de pia:

Com o auxílio de luvas de borracha e um desentupidor, siga os seguintes passos:

1) Encha a pia de água;

2) Coloque o desentupidor a vácuo sobre o ralo, pressionando-o para baixo e para cima (tome cuidado com o uso de força excessiva para não danificar a fixação da cuba). Observe se ele está totalmente submerso;

3) Quando a água começar a descer, continue a movimentar o desentupidor, deixando a torneira aberta;

4) Se a água não descer, retire a parte inferior do sifão (copinho). Neste copo ficam depositados os resíduos, geralmente responsáveis pelo entupimento. Mas não esqueça de colocar um balde embaixo do sifão, pois a água pode cair no chão ou no armário;

5) Não convém colocar produtos à base de soda cáustica dentro da tubulação de esgoto;

6) Recoloque o copinho do sifão e tome o cuidado de verificar se ele se acoplou perfeitamente à base para evitar vazamentos. Se necessário, utilize fitas teflon para garantir e melhorar a vedação;

7) Depois do serviço pronto, abra a torneira e deixe correr água em abundância, para limpar bem.

o   Entupimento na rede:

No caso de entupimento na rede de coleta de esgoto e águas pluviais, acionar imediatamente uma empresa especializada em desentupimento.

Incêndio

  • Ao notar indícios de incêndio (fumaça, cheiro de queimado etc.), certifique-se do que está queimando e da extensão do fogo, sempre a uma distância segura;
  • Ligue para o Corpo de Bombeiros pelo número 193;
  • Avise imediatamente a guarita, zelador ou a segurança;
  • Feche os registros de gás e disjuntores gerais de energia;
  • Para princípio de incêndios, combata o fogo utilizando o extintor mais apropriado conforme descrito na tabela de classes de incêndio;
  • Caso não saiba como manusear os extintores, saia do local imediatamente, fechando as portas e as janelas atrás de si, sem trancá-las, e alertando os demais moradores. Utilize as escadas para sair do edifício, nunca utilize o elevador em caso de incêndio;
  • Não tente salvar objetos – a sua vida é mais importante!

Em situações extremas:

  • Não procure combater o incêndio, a menos que você saiba manusear os equipamentos apropriados;
  • Uma vez que tenha conseguido escapar não retorne;
  • Se você ficar preso em meio à fumaça, respire através do nariz, protegido por lenço molhado e procure rastejar para a saída;
  • Antes de abrir qualquer porta, toque-a com as costas da mão. Se estiver quente não abra;
  • Em ambientes esfumaçados, fique junto ao piso;
  • Mantenha-se vestido, molhe suas vestes;
  • Se estiver preso dentro de uma sala, jogue pela janela tudo que puder queimar facilmente;
  • Ajude e acalme as pessoas em pânico;
  • Fogo nas roupas: não corra, se possível envolva-se num tapete, coberta ou tecido qualquer e role no chão;
  • Quando usar a escada do Corpo de Bombeiros, desça com o peito voltado para a escada, olhando para cima.

Informações Complementares – Sustentabilidade e Eficiência Energética

  • Ao adquirir equipamentos elétricos, como lâmpadas e eletrodomésticos, procure os que tenham Etiqueta Nível A de eficiência energética do Inmetro, ou Selo Procel.
  • Para os equipamentos a gás, como aquecedor de água, fogões, fornos e cooktops, prefira também os com Etiqueta Nível A de eficiência, ou Selo Conpet.
  • Procure instalar equipamentos economizadores de água, como torneiras com arejadores, e chuveiros com restritores de vazão.
  • Incentive atitudes que evitem o desperdício de água: não tome banhos prolongados, use a capacidade máxima da máquina na hora de lavar roupa, deixe a torneira fechada enquanto escova os dentes e lava a louça etc.
  • Incentive atitudes que evitem o desperdício de energia: apague as luzes dos ambientes que não estão ocupados, desligue da tomada os equipamentos que não estão em uso, não tome banhos prolongados. Ao usar o ar condicionado, feche as portas e janelas do ambiente.
  • Para economizar energia com iluminação, mantenha as luminárias sempre limpas. Paredes e tetos de cores claras também ajudam a melhorar a iluminação do ambiente.
  • Sempre que possível, abra as janelas e cortinas e aproveite a luz e ventilação natural.
  • O lixo doméstico deve ser separado da seguinte maneira:

o Lixo orgânico (restos de alimentos, cascas de frutas, folhas e galhos de plantas etc.) e lixo não reciclável (papel higiênico, absorventes e fraldas descartáveis etc.)

o Lixos especiais (lâmpadas, pilhas, baterias, resíduos de construção civil, embalagens de veneno, lixo eletrônico etc.). Não podem ser descartados no lixo comum.

o  Lixo reciclável – veja na tabela abaixo o que é reciclável e o que não é:

TipoReciclávelNão reciclável
PapelFolhas e aparas de papel, Jornais, Revistas, Caixas, Papelão, Formulários de computador, Cartolinas, Cartões, Envelopes, Rascunhos escritos, Fotocópias, Folhetos, Impressos em geral, Tetra PakAdesivos, Etiquetas, Fita Crepe, Papel carbono, Fotografias, Papel toalha, Papel higiênico, Papéis engordurados, Metalizados, Parafinados, Plastificados, Papel de fax
MetalLatas de alumínio, Latas de aço: óleo, sardinha, molho de tomate.Ferragens, Canos, Esquadrias, ArameClipes, Grampos, Esponja de aço, Latas de tinta ou veneno, Latas de combustível, Pilhas, Baterias
PlásticoTampas, Potes de alimentos, PET, Garrafas de água mineral, Recipientes de Limpeza, Higiene, PVC, Sacos plásticos, Brinquedos, BaldesCabo de panela, Tomadas, Adesivos, Espuma, Teclados de computador, Acrílicos. Obs.: Isopor é reciclável em algumas localidades
VidroPotes de vidro, Copos, Garrafas, Embalagens de molho, Frascos de vidroPlanos, Espelhos, Lâmpadas, Cerâmicas, Porcelanas, Cristal, Ampolas de medicamentos
Observações:Os materiais devem estar limpos e sem resíduos.Vidros quebrados devem ser embalados em papel grosso, como jornais.Para otimização de espaço, desmonte as caixas de papelão, e amasse as embalagens de metal. Papéis devem estar de preferência não amassados.
Fonte: http://www.lixo.com.br/content/view/136/243/. Acesso em outubro/2019.

Manual de Uso, Operação e Manutenção

Estrutura

Especificações Técnicas

O sistema estrutural é do tipo convencional, composto por pilares, vigas e lajes em concreto armado moldado in loco conforme projeto específico. As fundações são do tipo estacas hélice contínua. Toda estrutura foi projetada obedecendo às normas técnicas brasileiras da ABNT.

Uso e Operação

Em edificações com estrutura em concreto armado, não é possível a retirada total ou parcial de pilares, vigas e lajes.

Na pasta da sua unidade estão disponibilizadas plantas com indicação dos elementos estruturais que NÃO PODEM SER MODIFICADOS, pois são os responsáveis pela solidez do edifício.

NÃO retirar, alterar seção ou efetuar furos de passagens de dutos ou tubulações em quaisquer elementos estruturais, sob risco de causar danos à solidez e à segurança da edificação.

Antes de furar ou quebrar paredes na sua unidade, consulte os projetos para verificar a localização de vigas e pilares.

É obrigatória a aprovação do síndico e emissão de ART/RRT antes de iniciar reformas.

Não se deve sobrecarregar a estrutura além dos limites previstos no projeto original como, por exemplo, grandes cargas nos terraços (vasos e/ou equipamentos não previstos em projeto como piscinas ou banheiras), arquivos mortos ou bibliotecas.

As lajes foram calculadas para suportar sobrecargas de até 150 kgf/m² em salas, banheiros, dormitórios, copa e cozinha, e 200 kgf/m² em despensas e áreas de serviço.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar integridade estrutural conforme ABNT NBR 15575Empresa especializada1 ano

Recomenda-se que a cada 5 anos seja realizada inspeção predial e emissão de laudo por profissional habilitado, verificando o estado das estruturas e, assim, determinar as ações de manutenção preventiva e corretiva necessárias.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Contenções, Fundações, Estrutura principal e Estrutura de pisos e Sistemas de coberturaFalhas que afetem a segurança e não sejam decorrentes de uso em desacordo com o projeto e instruções fornecidas pelo construtor e/ou falta de realização de atividades de conservação e manutenção de acordo com o manual de uso, operação e manutenção das edificações ou instruções específicas.5 anos

Observações:

  • A garantia em relação a ocorrência de deformações e fissuras se refere a ocorrências que ultrapassem os limites aceitáveis de deformação e fissuração estabelecidos nas Normas Técnicas específicas ou, na sua ausência, por análise técnica que defina origem, causa e riscos das fissuras ou deformações. 
  • Os sistemas estruturais, seus elementos e componentes podem sofrer deformações e fissuração de diferentes naturezas ao longo da vida útil. 

Casos de perda da garantia:

·         Se forem retirados ou alterados quaisquer elementos estruturais;

·         Se forem alterados quaisquer elementos de vedação com relação ao projeto original;

·         Se forem identificadas sobrecargas além dos limites normais de utilização previstos nas estruturas ou vedações;

·         Se não forem tomados os devidos cuidados de uso ou não for feita a manutenção preventiva necessária.

Variações admissíveis

Pequenas deformações ou fissuras na estrutura e em paredes, decorrentes da acomodação das peças estruturais do edifício, na medida em que ele passa a suportar novas cargas ou pelo efeito de dilatação ou contração provocado por grandes variações de temperatura. Essas deformações são previstas dentro de limites estabelecidos por normas da ABNT.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Concreto (estrutura e fundação)Engemix – Votorantim Cimentos SA
AçoESTRIBOFER INDUSTRIA DE ARTEFATOS DE AÇO LTDA

Paredes

Especificações Técnicas

As paredes da edificação são de alvenaria de blocos cerâmicos furados (tijolos), assentados com argamassa e revestidos com argamassa projetada. As paredes divisórias entre apartamentos possuem as duas primeiras fiadas de bloco Sical.  

Este sistema tem a finalidade de vedação/fechamento, não possuindo função estrutural.

Para especificações dos revestimentos utilizados nas paredes, consulte os itens específicos (cerâmica e pintura).

Foi realizado teste de resistência de aderência à tração dos revestimentos de paredes. O relatório do ensaio está disponibilizado na pasta de Anexos do Manual do Síndico.

Uso e Operação

·     Antes de realizar furos nas paredes para instalação de móveis ou decoração, consulte na pasta da sua unidade os desenhos indicando a localização das tubulações. Feche os registros de água dos ambientes, e evite perfuração próxima ao quadro elétrico e nos alinhamentos verticais de interruptores e tomadas.

·  Para fixação de móveis, acessórios ou equipamentos, utilizar parafusos e buchas apropriadas e evitar impacto nos revestimentos que possam causar danos ou prejuízo ao desempenho do sistema.

·   Os furos realizados em paredes externas (exemplo para instalação de redes de proteção) devem ser protegidos com vedante tipo P.U. (silicone). Nunca utilizar parafusos, pregos ou outros elementos de fixação de aço sem galvanização (preferencialmente que sejam de aço inox).

·  A realização de furos para instalação de redes de proteção em janelas e sacadas pode ocasionar infiltrações, o que não é coberto pela garantia.

·   Sempre que for realizada uma repintura, deverá ser feito antes um tratamento nas fissuras, evitando assim infiltrações futuras de água.

·  Na pasta da sua unidade estão disponibilizadas plantas com indicação das paredes de tijolo que podem ser modificadas ou removidas.

Embora as paredes de alvenaria não possuam função estrutural, a construção ou demolição de paredes, total ou parcial, só pode ser realizada por profissional habilitado, mediante apresentação de ART/RRT e autorização do síndico, devido ao risco de afetar os elementos estruturais.

Limpeza e Conservação

·     Limpar os revestimentos de parede somente com produtos apropriados.

·    Procure manter os ambientes bem ventilados. Nos períodos de inverno ou de chuva, pode ocorrer o surgimento de mofo nas paredes, decorrente de condensação de água, principalmente em ambientes fechados (atrás de armários e cortinas ou banheiros).

·   Combata o mofo com produto químico específico para este fim, e que não danifique os componentes do sistema de vedação.

Manutenção

Verificar orientações específicas para cada tipo de revestimento.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Vedações verticais externas (fachadas)Perda de Integridade, dessolidarização de materiais ou componentes que fazem parte da vedação5 anos
Selantes, juntas de dilatação Perda de estanqueidade3 anos
Revestimentos de vedações verticais externas – Camada de revestimento que faz parte do sistema de vedação (por exemplo, revestimento argamassado sobre alvenaria)Dessolidarização5 anos
Desgaste, empolamento, descascamento, esfarelamento, Perda de estanqueidade3 anos
Vedações verticais internas (áreas comuns e áreas privativas)Perda de integridade, dessolidarização de materiais ou componentes que fazem parte da vedação5 anos
Revestimentos de vedações verticais internas – Camada de revestimento que faz parte do sistema de vedação (por exemplo, revestimento argamassado sobre alvenaria)Desgaste, empolamento, dessolidarização, descascamento, esfarelamento, Perda de estanqueidade3 anos
Muros externosRuptura/tombamento 5 anos
Fissuração3 anos
Deterioração por umidade1 ano

Observações:

  • As vedações verticais externas, as fachadas, diante da exposição às variações térmicas, ventos, umidade e chuva, agentes poluentes, névoa salina, têm maior probabilidade de ocorrência de falhas em comparação às vedações verticais internas. Assim, torna-se ainda mais relevante do que nos demais elementos construtivos destacar que a garantia é condicionada a que as orientações de uso, operação, conservação e manutenção indicadas pelo construtor e/ou prestador de serviços de construção sejam estritamente seguidas.
  • O desgaste nos revestimentos de vedações verticais externas se refere à ocorrência de depressões ou perda de massa do revestimento que podem ocorrer por falhas de suas propriedades frente às condições de exposição, mas não se refere a desgastes decorrentes de ações externas como impactos de qualquer natureza, descargas atmosféricas ou chuva de granizo com dimensões de pedras que possam causar tal desgaste.
  • A estanqueidade que as vedações verticais externas devem proporcionar está definida na ABNT NBR 15575-4, a qual é avaliada por ensaio específico e os critérios preveem tolerâncias em relação a manchas de umidade ver ABNT NBR 15575-4, assim como em Normas específicas de sistemas construtivos utilizados em fachadas.

Casos de perda da garantia:

·   Se forem retirados ou alterados quaisquer elementos de vedação (paredes) em relação ao projeto original;

·  Se forem identificadas sobrecargas além dos limites normais de utilização previstos para as paredes;

·  Impacto em desacordo com a ABNT NBR 15575, que ocasione danos no revestimento;

·  Se mantiver ambiente sem ventilação, o que poderá ocasionar, entre outros problemas, o surgimento de fungo ou bolor;

·    Danos causados por furos ou aberturas de vãos intencionais para instalação em geral;

·    Se não forem realizadas as manutenções preventivas indicadas nesse Manual.

Variações admissíveis

·    Nas medidas internas dos ambientes, são admitidas diferenças de até 5 cm ou 10% do vão, sendo fundamental antes da fabricação de móveis a conferência das medidas in loco.

·   Os materiais utilizados na estrutura, alvenaria e revestimento das paredes são de naturezas diversas, possuindo diferentes coeficientes de resistência e dilatação térmica. Assim sendo, diante de variações bruscas da temperatura ambiente, da acomodação natural da estrutura causada pela ocupação gradativa do edifício, bem como quando submetidos a cargas específicas, os materiais podem se comportar de forma diferente, o que eventualmente acarreta no aparecimento de fissuras localizadas no revestimento das paredes. Estas ocorrências são normais e NÃO comprometem a segurança da edificação.

o Para as paredes internas, são consideradas aceitáveis as fissuras não perceptíveis à distância de pelo menos 1 metro.

o Com relação às paredes externas, as eventuais fissuras que surgirem e que não provoquem infiltração para o interior da edificação, serão consideradas aceitáveis e normais.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Tijolo cerâmicoCerâmica Tupi Guarani LTDA
Bloco de concreto celular (Sical)Celucon Industria Comercio de Concreto
Reboco projetadoVotorantim Cimentos S.A.
Argamassa de assentamento101 – Supermix Concreto S/A

Revestimento interno de paredes – cerâmica

Especificações Técnicas

As tabelas a seguir apresentam as especificações técnicas dos revestimentos cerâmicos de parede utilizados nas áreas comuns.

Os revestimentos foram assentados com argamassa colante para porcelanato Euromassa, e foram usados rejuntes cimentícios da Ceramfix nas cores Gelo, Cinza, Grafite e Branco, e nas juntas de dilatação rejuntes acrílicos Eliane na cor Branca, com junta de 1,5 mm.

MaterialFabricanteModeloDescriçãoDimensõesNº Ref. ou lote
Azulejo cerâmicoINCEPAGlacial SnowAcetinado 33 x 60 cmT:EN:CT:CO:CLixeiras
PorcelanatoINCEPAPro sandEsmaltado Acetinado Retificado60×120 cmT:GA:CT:PS:CLixeiras
PorcelanatoELIANELondonEsmaltado Acetinado 60×120 cmT.3304
PorcelanatoELIANEDolmenEsmaltado Acetinado Externo 90×90 cmT.3303
PorcelanatoELIANEPalladioEsmaltado Acetinado 90×90 cmT. 3301
PorcelanatoELIANEMunari ConcretoEsmaltado Acetinado 60×120 cmT.3316
PorcelanatoLADRILHARLadrilho artesanalLadrilho hidráulico Cor cinza claro e cinza escuro20X20 cm não possui

Uso e Operação

·         Em áreas molhadas ou molháveis, manter o ambiente ventilado para evitar surgimento de fungo ou bolor.

·         Antes de perfurar qualquer peça, consultar os projetos de instalações entregues ao condomínio, a fim de evitar perfurações acidentais em tubulações e camadas impermeabilizadas;

·         Para fixação de móveis, acessórios ou equipamentos, utilizar parafusos e buchas apropriadas e evitar impacto nos revestimentos, que possam causar danos ou prejuízo ao desempenho do sistema.

Limpeza e Conservação

A limpeza dos revestimentos cerâmicos deve ser feita com  água e detergentes específicos

para limpeza de revestimentos cerâmicos, sempre aplicando conforme diluição recomendada na embalagem do fabricante. Os mesmos não devem conter em sua composição ácidos que possam danificar a camada de esmalte e/ou a superfície polida. 

Verifique nos Anexos as orientações de limpeza específicas apresentadas pelos fabricantes.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar e, se necessário, efetuar as manutenções de modo a manter a estanqueidade do sistema;Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano
Verificar sua integridade e reconstituir os rejuntamentos internos das paredes.Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Revestimentos cerâmicos de vedações verticais externasDessolidarização5 anos
Revestimentos cerâmicos de vedações verticais internasDesgaste, dessolidarização3 anos
RejuntamentoPerda de aderência; desgaste1 ano

Casos de perda da garantia:

·         Utilização de equipamentos e/ou produtos em desacordo com as especificações deste Manual;

·         Impacto em desacordo com o descrito na ABNT NBR 15575, que ocasione danos no revestimento;

·         Danos causados por furos para instalação de peças em geral;

·         Uso de máquinas de alta pressão nas superfícies; quebra ou lascamento por impacto ou pela não observância dos cuidados durante o uso;

·         Riscos causados por transporte de materiais ou objetos pontiagudos;

·         Se não forem tomados os devidos cuidados de uso ou não for realizada a manutenção preventiva necessária.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Azulejo e PorcelanatoIncepa Revestimentos Cerâmicos LTDAEliane S/A – Revestimentos CerâmicosLADRILHOS ARTESANAIS EIRELI
ArgamassaEuromassa Argamassas LTDA
RejunteCeramfix Ind. Com de Argamassas e Rejuntes LtdaEliane S/A – Revestimentos Cerâmicos

Revestimento interno – pintura

Especificações Técnicas

Como padrão do edifício, foi utilizada pintura em tinta acrílica na cor Branco, acabamento fosco, nos tetos e paredes internas dos ambientes. Foram usados os seguintes materiais:

MATERIALCORMARCA/FORNECEDOR
Massa corrida PVABrancoTintomax
Tinta Acrílica Branco Super Premium LukscleanBranco Lukscolor

Uso e Operação

·       Nas áreas internas com pintura, evitar a exposição prolongada ao sol, utilizando cortinas nas janelas;

·       Evitar atrito, riscos ou pancadas nas superfícies pintadas, pois podem acarretar remoção da tinta, manchas ou trincas;

·       Manter os ambientes bem ventilados, evitando o aparecimento de bolor ou mofo.

Limpeza e Conservação

Orientações do fabricante para limpeza da tinta Luksclean:

  • Aguarde, no mínimo, 15 dias da aplicação do LUKSCLEAN para iniciar o processo de limpeza.
  • A limpeza da superfície é feita com água e sabão neutro, aplicados com pano ou esponja não abrasiva.
  • Durante o procedimento de limpeza, não esfregue a superfície, pois poderá ocasionar perda de brilho ou manchas esbranquiçadas. Limpe suavemente com pano ou esponja macia com água e detergente neutro. Em seguida limpe com pano umedecido;
  • Para retirar contaminantes de difícil remoção (batom, graxa, café, gordura, etc.) aplique sobre a superfície manchada, qualquer limpador multiuso que não contenha cloro. Deixe agir por 10 segundos e inicie a limpeza com uma esponja macia (não utilize o lado abrasivo da esponja). Caso haja dificuldade para remover a sujeira, seque o local e repita o procedimento. Após total remoção, limpe imediatamente a área com um pano limpo, macio e umedecido em água.

Orientações do fornecedor (Tintomax) para remoção de mofo:

É indicada a limpeza com uma solução de hipoclorito diluído em proporção de 1 parte de hipoclorito para 3 partes de água. Utilizar panos ou esponjas sempre limpas evitando assim a transferência de resíduos de uma superfície para a outra.

Após feita higienização da superfície, é indicada a aplicação de um sanitizador “Mata Mofo”. O mesmo deverá ser aplicado sem diluição com o auxílio de borrifadores manuais ou rolo de pintura. Deixar secar, não necessita enxaguar.

Observação: Por se tratar de um microrganismo, o mofo poderá retornar a aparecer na superfície, não podendo estimar um tempo determinado. Em caso de reincidência, recomenda-se refazer o processo de sanitização.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Revisar a pintura das áreas secas e se necessário, repintá-las para evitar o envelhecimento, a perda de brilho, o descascamento e eventuais fissuras.Empresa capacitada/ empresa especializada2 anos ou sempre que necessário
Repintar paredes e tetos das áreas secas.Empresa capacitada/ empresa especializada3 anos ou sempre que necessário
Repintar os forros dos banheiros e áreas úmidas.Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano

Observação: Repintar as áreas e elementos com as mesmas especificações da pintura original.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Pintura de paredes internasPerda de integridade da película (má aderência da película e descolamento, pulverulência, craqueamento), eflorescência, bolhas, bolor, fungo, mofo e algas (presença de manchas esverdeadas, rosadas ou escuras)1 ano

Casos de perda da garantia:

·       Utilização de equipamentos e/ou produtos em desacordo com as especificações deste Manual;

·       Impacto em desacordo com o descrito na ABNT NBR 15575, que ocasione danos no revestimento;

·       Danos causados por furos para instalação de peças em geral;

·       Uso de máquinas de alta pressão nas superfícies; quebra ou lascamento por impacto ou pela não observância dos cuidados durante o uso;

·       Riscos causados por transporte de materiais ou objetos pontiagudos;

·       Se não forem tomados os devidos cuidados de uso ou não for realizada a manutenção preventiva necessária.

Variações admissíveis

A percepção da cor do produto aplicado poderá apresentar variações em função da luminosidade do ambiente, brilho e textura do produto e interferência da presença de outras cores no mesmo ambiente.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Tintas e Massa CorridaTintomax Comercio de Tintas Ltda.Lukscolor

Revestimento externo de fachadas

Especificações Técnicas

As fachadas do edifício receberam acabamento com selador acrílico, textura e tinta acrílica, conforme a tabela a seguir:

NOMEREFERÊNCIAMARCA/ FORNECEDORLOCAL
Selador AcrílicoLukscolorFachada
Textura Branco Média FuturaFuturaFachada
Tinta Acrílica Luksclean Branco Neve FoscoLukscolorFachada Branca
Tinta Acrílica Fosca cor DelawareLKS1764LukscolorFachada Lilás
Tinta Acrílica Fosca cor Wyoming LKS1811LukscolorFachada Cinza Chumbo 

O letreiro da fachada é feito em PVC 20mm com pintura P.U. branca.

Uso e Operação

·   Em paredes externas, os furos realizados devem ser protegidos com vedante tipo P.U. (silicone). Nunca utilizar parafusos, pregos ou outros elementos de fixação de aço sem galvanização (preferencialmente que sejam de aço inox).

·     A realização de furos para instalação de redes de proteção em janelas e sacadas pode ocasionar infiltrações, o que não é coberto pela garantia.

Limpeza e Conservação

As fachadas devem ser verificadas, limpas e repintadas conforme periodicidade indicada na tabela de Manutenção.

Para as atividades de conservação de fachada, foram instalados na cobertura pontos de ancoragem (sistema descrito no item Coberturas).

O letreiro da fachada deve ser limpo com água e detergente de cozinha. Não utilizar abrasivos e nem produtos à base de solvente.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
As áreas externas devem ter sua pintura revisada e, se necessário, repintadas, evitando assim o envelhecimento, a perda de brilho, o descascamento e que eventuais fissuras possam causar infiltraçãoEquipe de manutenção local/ empresa capacitada/ empresa especializada2 anos ou sempre que necessário
Nas fachadas, efetuar limpeza, verificar os elementos e, se necessário, solicitar inspeção. Atender às prescrições do relatório ou laudo de inspeçãoEquipe de manutenção local/ empresa capacitada/ empresa especializada3 anos

Observação: Repintar as áreas e elementos com as mesmas especificações da pintura original.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Pintura de paredes externas – tinta premiumPerda de integridade da película (má aderência da película e descolamento, pulverulência, craqueamento), eflorescência, bolhas, bolor, fungo, mofo e algas (presença de manchas esverdeadas, rosadas ou escuras)3 anos
Camada de acabamento decorativo – texturaPerda de integridade da película (má aderência da película e descolamento, pulverulência, craqueamento) e bolhas3 anos

Casos de perda da garantia:

·  Utilização de equipamentos e/ou produtos em desacordo com as especificações deste Manual;

·       Impacto em desacordo com o descrito na ABNT NBR 15575, que ocasione danos no revestimento;

·       Danos causados por furos para instalação de peças em geral;

·      Uso de máquinas de alta pressão nas superfícies; quebra ou lascamento por impacto ou pela não observância dos cuidados durante o uso;

·       Riscos causados por transporte de materiais ou objetos pontiagudos;

·       Se não forem tomados os devidos cuidados de uso ou não for realizada a manutenção preventiva necessária.

Variações admissíveis

A percepção da cor do produto aplicado poderá apresentar variações em função da luminosidade do ambiente, brilho e textura do produto e interferência da presença de outras cores no mesmo ambiente.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Tintas, Selador e TexturaTintomax Comercio de Tintas Ltda.

Piso cerâmico e porcelanato

Especificações Técnicas

A tabela a seguir apresenta os pisos utilizados nas áreas comuns do edifício. Os revestimentos foram assentados com argamassa colante para porcelanato Euromassa, e foram usados rejuntes cimentícios da Ceramfix nas cores Gelo, Cinza, Grafite e Branco, e nas juntas de dilatação rejuntes acrílicos Eliane na cor Branca, com junta de 1,5 mm.

MaterialFabricanteModeloDescriçãoDimensõesNº Ref. ou lote
Azulejo cerâmicoINCEPAGlacial SnowAcetinado 33 x 60 cmT:EN:CT:CO:C
PorcelanatoINCEPAPro sandEsmaltado Acetinado Retificado60×120 cmT:GA:CT:PS:C
PorcelanatoELIANELondonEsmaltado Acetinado 60×120 cmT.3304
PorcelanatoELIANELondonEsmaltado Acetinado Externo 90×90 cmT.3303
PorcelanatoELIANEPalladioEsmaltado Acetinado 90×90 cmT. 3301
PorcelanatoELIANEMunari ConcretoEsmaltado Acetinado 60×120 cmT.3316
PorcelanatoLADRILHARLadrilho artesanalLadrilho hidráulico Cor cinza claro e cinza escuro20X20 cm não possui

Uso e Operação

·         Em áreas molhadas ou molháveis, manter o ambiente ventilado para evitar surgimento de fungo ou bolor.

·         Antes de perfurar qualquer peça, consultar os projetos e fotos das instalações entregues ao condomínio, a fim de evitar perfurações acidentais em tubulações e camadas impermeabilizadas.

·         Para fixação de móveis, acessórios ou equipamentos, utilizar parafusos e buchas apropriadas e evitar impacto nos revestimentos, que possam causar danos ou prejuízo ao desempenho do sistema.

·         Não arrastar móveis, equipamentos ou materiais pesados, para que não haja desgaste excessivo ou provoque danos à superfície do revestimento.

Limpeza e Conservação

A limpeza dos revestimentos cerâmicos deve ser feita inicialmente com uma vassoura de cerdas macias, removendo e recolhendo todas as sujeiras em forma de partículas soltas que estão sobre o porcelanato. Em seguida efetuar a limpeza com  água e detergentes específicos para limpeza de revestimentos cerâmicos, sempre aplicando conforme diluição recomendada na embalagem do fabricante. Os mesmos não devem conter em sua composição ácidos que possam danificar a camada de esmalte e/ou a superfície polida. 

Não utilizar máquina de alta pressão de água, vassouras de piaçava, escovas com cerdas duras, peças pontiagudas, esponjas ou palhas de aço, espátulas metálicas, objetos cortantes ou perfurantes na limpeza, pois podem danificar o sistema de revestimento.

Verifique nos Anexos as orientações de limpeza específicas apresentadas pelos fabricantes.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar e, se necessário, efetuar as manutenções de modo a manter a estanqueidade do sistemaEmpresa capacitada/ empresa especializada1 ano
Verificar sua integridade e reconstituir os rejuntamentos internos e externos dos pisos.Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Camada de regularização (contrapiso)Dessolidarização; desagregação/pulverulência na superfície da camada de um ambiente3 anos
Camada isolante acústica incorporada ao revestimento (manta)Desintegração/ruptura do produto isolante; dessolidarização1 ano
Camada de revestimento/acabamento e sua fixaçãoPerda de aderência, desgaste1 ano
Rejuntamento e juntas de sistemas de componentes de pisoDesgaste; dessolidarização1 ano
Selantes, juntas de dilataçãoDescolamento, ressecamento1 ano

Observações:

O desgaste em sistemas de pisos se refere à resistência à abrasão, a qual pode ser avaliada por métodos de ensaios definidos em normas específicas.

Casos de perda da garantia:

·  Utilização de equipamentos e/ou produtos em desacordo com as especificações deste Manual;

·      Impacto em desacordo com o descrito na ABNT NBR 15575, que ocasione danos no revestimento;

·         Danos causados por furos para instalação de peças em geral;

·     Uso de máquinas de alta pressão nas superfícies; quebra ou lascamento por impacto ou pela não observância dos cuidados durante o uso;

·      Riscos ou lascas causados por transporte de materiais ou objetos pontiagudos;

·         Se não forem tomados os devidos cuidados de uso ou não for realizada a manutenção preventiva necessária.

 Observação:  durante a vistoria de entrega do imóvel os pisos são inspecionados, e identificados eventuais danos causados durante a obra. Após a vistoria, danos causados por transporte e instalação de móveis ou reformas posteriores não são cobertos pela garantia.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Azulejo e PorcelanatoIncepa Revestimentos Cerâmicos LTDAEliane S/A – Revestimentos CerâmicosLADRILHOS ARTESANAIS EIRELI
ArgamassaEuromassa Argamassas LTDA
RejunteCeramfix Ind. Com de Argamassas e Rejuntes LtdaEliane S/A – Revestimentos Cerâmicos

Piso vinílico

Especificações Técnicas

Foi entregue piso vinílico na Academia, conforme especificações abaixo:

ComponenteFabricante / LinhaCor / Referência
Piso vinílicoRealfloor LVT 2mm Cor Brown Referência: AH1078
Contrapiso autonivelanteMAX MOHR
Manta entre laje e contrapisoMULTINOVAManta Multimpact filmada 1200x50000x5mm

Uso e Operação

·  Os móveis que precisam de movimentação constante devem possuir rodízios de poliuretano nos pés, e móveis pesados ou com pontos de apoio menores de feltro ou similar.    

   ·  Não arrastar móveis, equipamentos ou materiais pesados, para que não haja desgaste excessivo ou danos à superfície do revestimento;

·       Sempre que possível, utilizar capachos ou tapetes nas entradas para evitar o volume de partículas sólidas sobre o piso;

·       O contato dos revestimentos com graxas, óleo, massa de vidro, tinta, vasos de planta poderá acarretar danos à superfície;

·       Não submeter o piso a cargas puntiformes (pontuais), como salto alto, quedas de elementos pontiagudos etc., pois poderão danificar o piso.

Limpeza e Conservação

Orientações do fabricante Realfloor para limpeza dos pisos vinílicos:

1. Remova a sujeira solta utilizando vassoura de pelos macios.

2. Para a limpeza utilize detergente neutro. Esfregue com pano umedecido de produto mop, adequado para secagem.

3. Termine a limpeza utilizando pano limpo seco, ou mop adequado para secagem. 

4. A aplicação de cera acrílica ou a base de água melhora o brilho do piso e facilita a manutenção.

5. Não utilize detergentes, ceras, solventes ou produtos de limpeza agressivos ou derivados do petróleo.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Camada de regularização (contrapiso)Dessolidarização; desagregação/pulverulência na superfície da camada de um ambiente3 anos
Camada isolante acústica incorporada ao revestimentoDesintegração/ruptura do produto isolante; dessolidarização1 ano
Camada de revestimento/acabamento e sua fixaçãoPerda de aderência, desgaste1 ano
Rejuntamento e juntas de sistemas de componentes de pisoDesgaste; dessolidarização1 ano
Selantes, juntas de dilataçãoDescolamento, ressecamento1 ano

Observações:

O desgaste em sistemas de pisos se refere à resistência à abrasão, a qual pode ser avaliada por métodos de ensaios definidos em normas específicas.

Casos de perda da garantia:

  • Dano causado por fogo, inundação ou mau-uso. 
  • Dano causado por aspirador de pó, rodízios inapropriados ou cortes e arranhões de ferramentas. 
  • Desgaste por uso em ambientes comerciais de tráfego elevado. 
  • Placas empenadas que levantarão nas junções.
  • Aberturas de juntas (fendas). 
  • Dano causado por obras ou reformas.
  • Descolamento causado por excesso de umidade de fontes internas ou externas.
  • Danos causados por movimentação de móveis, materiais pesados sem a devida proteção ou marcas de calçados ou salto alto. 
  • Desplacamento devido a rachaduras nas películas adesivas ou fratura do substrato, devido a pressão. 
  • Danos causados por exposição direta e contínua à luz solar. 
  • Manchas causadas por tinta, caneta, produtos químicos ou urina e fezes de animais. 
  • Instalação inadequada ou fora dos padrões recomendados pelo fabricante.
  • Afundamento por motivos de baixas resistências do contrapiso. 
  • Utilização de equipamentos e/ou produtos em desacordo com as especificações deste Manual.

Variações admissíveis

Os pisos vinílicos têm a característica de apresentar similaridade no visual e nuances da madeira, podendo ocorrer variações de tonalidades entre as réguas (desenhos, veios, “nós” e afins), não se tratando, assim, de um defeito latente de fabricação.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Piso laminado e perfil redutorREALFLOOR MSS Imp. e Exp. LTDA
Mantas Multinova – Indústria de Embalagens
Contrapiso autonivelanteMax Mohr Filho CIA LTDA

Pintura de pisos

Especificações técnicas

O piso das escadas foi pintado com tinta piso cor cinza, marca Durin.

Os pisos das garagens são em concreto lixado, com pintura de demarcação de vagas e sinalização.

Uso e Operação

Evitar atrito, riscos ou pancadas nas superfícies pintadas, pois podem acarretar remoção da tinta, manchas ou trincas.

Limpeza e Conservação

·         O piso ao redor da porta corta-fogo, não deve ser lavado com água ou produtos químicos, como água sanitária, removedores e produtos ácidos, pois são agressivos à pintura e, consequentemente, ao aço que compõe o conjunto da porta. A limpeza das superfícies pintadas deve ser feita com pano levemente umedecido em água e pano seco para que a superfície fique seca;

·         Para limpeza e remoção de poeira, manchas ou sujeiras, utilizar espanadores, flanelas secas ou levemente umedecidas com água e sabão neutro. Tomar cuidado para não exercer pressão demais na superfície;

·         Superfícies com graxa ou gordura devem ser limpas com sabão ou detergente neutro. Em seguida, enxaguar com água e aguardar a secagem.

·         Superfície com mofo deve ser limpa com uma solução de 1:1 de cloro e água limpa. Em seguida, enxaguar com água e aguardar a secagem.

·         Não utilizar produtos químicos na limpeza, principalmente produtos ácidos ou cáusticos;

·         Em caso de necessidade de limpeza, jamais utilizar esponjas ásperas, buchas, palha de aço, lixas e máquinas com jato de pressão;

·         Em caso de contato com substâncias que provoquem manchas, limpar imediatamente com água e sabão neutro.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Revisar a pintura e, se necessário, repintá-las evitando assim o envelhecimento, a perda de brilho, o descascamento e eventuais fissurasEmpresa capacitada/ empresa especializada2 anos ou sempre que necessário

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Camada de revestimento/acabamento e sua fixaçãoPerda de aderência, desgaste1 ano
Pisos de estacionamentos/ garagens cobertos e externosDesgaste; dessolidarização3 anos
Selantes, juntas de dilataçãoDescolamento, ressecamento1 ano

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Tinta para pintura das escadas e garagensDurin

Pisos externos

Especificações técnicas

Foram instalados os seguintes revestimentos de pisos nas áreas externas:

LocalMaterialFabricanteModeloDimensõesNº Ref. ou lote
QuiosquePiso drenanteKapvilleSeixos Drenantesnão possuinão possui
Calçadas externasPaverSólidosMEIO FIO CONCRETO65X25X10CMnão possui
Calçadas externasPaverSólidosPAVER PODOTÁTIL DIRECIONAL COR VERMELHA10X20X6CMnão possui
Calçadas externasPaverSólidosPAVER VIBROPRENSADO COR NATURAL 10X20X6CMnão possui
Espaço pet, lavabo da piscina e área externa salão de festasPorcelanatoElianeDolmen CinzaGL 90X90 CMT. 3304

Uso e Operação

·       Utilizar ferramenta apropriada para eventual remoção das peças de piso;

·       O contato dos revestimentos com graxas, óleo, solventes, ácidos, massa de vidro, tinta, vasos de planta, entre outros, poderá acarretar danos à superfície das peças;

·       Evitar sobrecarga de pesos no sistema;

·       Caso seja necessária a substituição de alguma peça, deverá ser efetuada pelo fornecedor, mantendo as características originais do sistema.

Limpeza e Conservação

·       Não utilizar vassouras de piaçava, máquina de alta pressão, escovas com cerdas duras, peças pontiagudas, esponjas ou palhas de aço, espátulas metálicas, objetos cortantes ou perfurantes na limpeza, materiais de limpeza agressivos ou impróprios para o uso nestes materiais, pois podem danificar o sistema de revestimento.

·       Utilizar vassoura com cerdas para realizar limpeza diária.

·       Para a limpeza do piso drenante, utilizar wapp somente no bico tipo leque ou com aspirador para remoção das sujeiras entre as pedras. Não aplicar produtos químicos ou corrosivos porque pode afetar a durabilidade da resina.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Revisar o piso e recompor o rejuntamento com areia fina ou pó de pedra, conforme orientações do fabricante/fornecedorEquipe de manutenção local/ empresa capacitada1 mês
Revisar o piso e substituir pedras soltas, trincadas ou quebradas, sempre que necessárioEquipe de manutenção local/ empresa capacitada1 mês
Remover ervas daninhas e/ou grama das juntas do piso, caso venham a crescerEquipe de manutenção local/ empresa capacitada1 mês
Realizar limpeza pontual do pisoEquipe de manutenção local/ empresa capacitada1 mês
Realizar lavagem geral do pisoEquipe de manutenção local/ empresa capacitada6 meses (ou quando necessário)

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Camada de regularização (contrapiso)Dessolidarização; desagregação/pulverulência na superfície da camada de um ambiente3 anos
Camada de revestimento/acabamento e sua fixaçãoDessolidarização, empenamento, ruptura, desgaste, deterioração por umidade1 ano
Rejuntamento de componentes de pisoDesgaste; dessolidarização1 ano
Selantes, juntas de dilataçãoDescolamento, ressecamento1 ano
Pisos cobertos e descobertos de estacionamentos/garagens externos ao edifícioDesgaste; dessolidarização; ruptura; deterioração por umidade3 anos
Pavimentos de acesso de pedestres à edificaçãoDesgaste; dessolidarização3 anos
Pavimentos de acesso de automóveis à edificaçãoDesgaste; dessolidarização1 ano
Pavimentos de acesso de veículos de carga e descargaDesgaste; dessolidarização1 ano

Casos de perda da garantia:

·       Quebra por impacto;

·       Se não forem tomados os cuidados de uso e manutenção.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Piso drenanteKapville Comercio de Tapetes e Produtos Profissionais para Piso Eireli
PaverSólidos Industria e Comércio de Pre Fabricados EM
PorcelanatoEliane S/A – Revestimentos Cerâmicos

Forros

Especificações Técnicas

As áreas comuns são entregues com forro de placa de gesso no Salão de Festas e lavabos. 

Uso e Operação

·       Evite impacto no gesso, que é um material frágil;

·       Nunca dependure vasos, varal de roupas, televisores, suportes, adornos e outros objetos nos forros de gesso;

·   Para fixação de luminárias, caso seja necessário recortar o perfil de sustentação do gesso, solicite, antes da instalação da luminária, a empresa fornecedora para que seja feito reforço neste perfil.

·       A iluminação indireta feita com lâmpadas tende a manchar a superfície do forro de gesso, caso esteja muito próxima. Portanto, são necessárias limpezas ou pinturas constantes neste local;

·       Nunca molhar o forro de gesso, pois o contato com a água faz com que o gesso se decomponha;

·       Manter os ambientes bem ventilados, evitando o aparecimento de bolor ou mofo. Após o banho, abrir as janelas dos banheiros e se possível mantê-las abertas o dia inteiro.

Limpeza e Conservação

·       Para limpar o forro de gesso, utilize um pincel, espanador ou flanela que esteja limpa e seca, ideal para retirar a poeira ou sujeiras que estejam na superfície do gesso. No momento da limpeza, evite impactos para não o quebrar ou deixá-lo soltar.

·     Evite o uso de água em excesso sobre o gesso.

·    Em alguns casos é necessária uma limpeza mais profunda, ideal para trazer de volta a sua cor original. Utilizar solução com água sanitária, em pequena quantidade, ajuda a retirar a sujeira sem danificar o reboco. Fazer a limpeza uma vez ao ano com a solução é necessário para mantê-lo limpo e natural por muito tempo.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Repintar os forros dos banheiros e áreas úmidasEmpresa capacitada/ empresa especializada1 ano
Revisar a pintura das áreas secas e se necessário, repintá-las evitando assim o envelhecimento, a perda de brilho, o descascamento e eventuais fissurasEmpresa capacitada/ empresa especializada2 anos ou sempre que necessário
Repintar tetos das áreas secasEmpresa capacitada/ empresa especializada3 anos ou sempre que necessário

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Forros e sancasDessolidarização ou ruptura3 anos
Deformações, empenamento e fissuras, além dos limites de normas técnicas1 ano

Casos de perda da garantia:

·       Impacto em desacordo com a ABNT NBR 15575, que ocasione danos no revestimento;

·       Se mantiver ambiente sem ventilação, conforme cuidados de uso, o que poderá ocasionar o surgimento de fungos ou bolor, entre outros problemas;

·       Danos causados por furos ou abertura de vãos intencionais para instalação em geral.

·     Danos causados nos forros decorrentes de alterações ou instalação de tubulações após a entrega das chaves.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Forro de gesso – material e instalaçãoG.D.QUALITEC COMERCIO DE GESSO LTDA

Impermeabilização

Especificações Técnicas

A fim de evitar a manifestação de danos causados pela água, foi executada a proteção de impermeabilização em locais expostos à umidade. A tabela a seguir apresenta o tipo de impermeabilização utilizado em cada local.

LocalTipo de Impermeabilização
Paredes e pisos de banheiros e sacadas dos apartamentos Argamassa Polimérica Flexível Vedatop – Vedacit
Áreas técnicas e marquises da coberturaMembrana Líquida Vialastic – Viapol
Piscina e na cisternaArgamassa Polimérica Viaplus 1000 + viaplus 5000 – Viapol
Fosso do elevadorArgamassa Polimérica Viaplus 1000 + viaplus 7000 – Viapol
Lajes da lixeira, GLP e teto das caixas de águaManta Asfáltica Aluminizada 3mm  – Vedacit
Áreas comuns e floreirasArgamassa polimérica rígida – Vedacit

Uso e Operação

·       Não alterar o paisagismo com plantas que possuam raízes agressivas, que podem danificar a impermeabilização ou obstruir os drenos de escoamentos

·   Não permitir a fixação de antenas, postes de iluminação ou outros equipamentos, por meio de fixação com buchas, parafusos, pregos ou chumbadores sobre lajes impermeabilizadas. Para qualquer tipo de instalação de equipamento sobre superfície impermeabilizada, o serviço deverá ser realizado por meio de empresa especializada em impermeabilização, com o devido registro das obras, conforme descrito na ABNT NBR 5674 (programação de manutenção);

·       Oriente ao instalador de antenas de TV para realizar a fixação das antenas nos locais indicados na cobertura. Não é permitida, em nenhum ponto, a furação de paredes e da laje de cobertura da caixa d’água para passagem de cabos e/ou fixação de equipamentos;

·       Manter ralos, grelhas e extravasores nas áreas descobertas sempre limpos;

·       Tomar os devidos cuidados com o uso de ferramentas, como picaretas e enxadões, nos serviços de plantio e manutenção dos jardins, a fim de evitar danos à camada de proteção mecânica existente;

·       Não introduzir objetos de qualquer espécie nas juntas de dilatação;

·       Não finque, crave ou fixe peças ou chumbadores em qualquer dos pisos impermeabilizados – especialmente terraços de cobertura.

·       No caso de danos à impermeabilização, não executar reparos com materiais e sistemas diferentes ao aplicado originalmente, pois a incompatibilidade poderá comprometer o desempenho do sistema;

·       No caso de danos à impermeabilização, efetuar reparo com empresa especializada;

·     Para unidades que optaram por não instalar os pisos oferecidos pela Viplan, e serão instalados pelo proprietário após a entrega das chaves, deve-se cuidar para não danificar a camada de impermeabilização durante o assentamento dos pisos. Danos em áreas cujo piso não foi instalado pela Viplan não estão cobertas pela garantia.  

Limpeza e Conservação

·   Não utilizar máquinas de alta pressão, produtos que contenham ácidos ou sodas cáusticas, ou ferramentas como espátula, escova de aço, vassouras de piaçava ou nylon ou qualquer tipo de material pontiagudo.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar a integridade e reconstituir os rejuntamentos internos e externos dos pisos, paredes, peitoris, soleiras, ralos, peças sanitárias, chaminés, grelhas de ventilação e de outros elementos.Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano
Inspecionar a camada drenante do jardim. Caso haja obstrução na tubulação e entupimento dos ralos ou grelhas, efetuar a limpeza.Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano
Verificar a integridade dos sistemas de impermeabilização e reconstituir a proteção mecânica, sinais de infiltração ou falhas da impermeabilização exposta.Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Impermeabilização aplicada em qualquer elemento ou sistema construtivo (estruturais, de vedações verticais, de pisos, de coberturas, de piscinas, de reservatórios etc.)Perda de estanqueidade de produtos e instalação desde que a causa da falha constatada não seja decorrente de intervenções não previstas, avarias, danos ou falhas nos substratos ou camadas ou outros materiais e componentes que sejam determinantes do desempenho dos sistemas de impermeabilização.5 anos

O termo de garantia da empresa responsável pela impermeabilização está anexo ao Manual do Síndico.

Casos de perda da garantia:

  • Reparo e/ou manutenção executados por empresas não especializadas;
  • Danos ao sistema decorrentes de instalação de equipamentos ou reformas em geral (incluindo instalação ou substituição de pisos após a entrega das chaves);
  • Produtos e equipamentos inadequados para limpeza das áreas impermeabilizadas;
  • Danos causados por perfuração das áreas impermeabilizadas.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Membrana áreas técnicas e marquises da cobertura Sanretech Impermeabilização LTDA
Impermeabilização demais áreasOtto Baumgart Ind. Com. S/A

Rodapés

Especificações Técnicas

Os rodapés das áreas comuns são de MDF ultra sem friso recoberto PET Branco Carrara 2160x70x15mm canto reto, da marca Famossul.

Uso e Operação

Os rodapés são colados, e não devem ser retirados para passagem de cabos por trás deles.

Sendo produtos derivados da madeira, os rodapés, quando em contato com água, sofrem alterações nas características dimensionais, físicas e mecânicas.

Em caso de variações climáticas extremas, há possibilidade de deformações. Portanto, mantenha-o livre das intempéries. Atenção em especial com os rodapés localizados sob as aberturas de ventilação permanente, que não podem ser fechadas por questões de segurança e atendimento às normas técnicas. Em casos de chuva com muito vento pode ocorrer a entrada de um pouco de água por essas aberturas, portanto é recomendado utilizar panos ou outra forma de proteção do rodapé.

Limpeza e Conservação

Os rodapés devem ser limpos apenas com pano macio levemente  umedecido em água. Não devem ser usados materiais abrasivos, como esponjas de aço ou escovas de cerdas duras. A utilização de produtos químicos afeta o acabamento dos  rodapés.

NUNCA JOGUE ÁGUA DIRETAMENTE NO PRODUTO!

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
RodapésDesgaste; dessolidarização; ruptura; deterioração por umidade1 ano

Casos de perda da garantia:

·       Se não forem observadas as orientações de uso, limpeza e conservação.

·       Danos causados por batidas, amassados, arranhões, quedas, acidentes, sinistros;

·       Danos decorrentes de excesso de peso e/ou esforço aplicado ao produto, bem como acessórios, adesivos e outro utensílios;

·       Aplicação direta de água no produto;

·      Utilização do produto em contato com água, umidade, intempéries, maresia, frio ou calor intensos, agentes naturais, caso fortuito ou força maior;

·        Danos provocados por limpeza com água excessiva, lavadoras de alta pressão (Wap), mangueiras, produtos químicos, solvente, álcool e/ou outros líquidos.

Variações admissíveis

Os rodapés na cor branca estão sujeitos a amarelamento devido à ação do tempo, sendo que não haverá garantia deste item caso ocorra.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
RodapésFamossul Madeiras S/A

Portas

Especificações Técnicas

O edifício foi entregue com os seguintes tipos de portas, da marca Famossul:

  • Conjunto porta em madeira de pinus c/hdf 6mm estruturada esmalte branco carrara, 2100x1000x35 mm s/usinagem
  • Conjunto  mont. de porta colmeia premium branco 2100x600x35 mm e 2100x900x35 mm
  • conj mont. folha de porta semissolida recoberto wengue + marco ultra, 2100x900x35 mm, 2100x800x35 mm, 2100x700x35 mm e 2100x600x35 mm

A tabela a seguir apresenta as especificações das fechaduras e dobradiças das portas.

ItemMarca / Modelo
Fechaduras portas internas Sinterpeças / SYNTERINOX NAVIS II INT ROSETA 
Fechaduras portas banheiros Sinterpeças / SYNTERINOX NAVIS II BANH ROSETA
Puxador porta de entrada dos apartamentosModelação Andrade / PUXADOR 25X600 Inox Polido
Fechadura porta interna de correr banheirosFERRAGENS 3F / FECH BICO PAPAGAIO BROCA 45 CO
Fechadura rolete  porta de entradaFERRAGENS 3F / FECHO ROLETE
Fechadura porta de entrada dos apartamentosPapaiz / FECHADURA ELETRONICA SMART LOCK SL120 PRETO FOSCO
Conjunto Dobradiças inoxFamossul

Uso e Operação

Orientações de uso e operação das portas:

·       Recomenda-se não bater as portas, pois pode danificar a folha, bem como ocasionar danos às fechaduras e aos revestimentos das paredes.

·       Recomenda-se manter as portas fechadas ou travadas quando estiverem abertas, evitando fechamentos abruptos por ação do vento;

·       As portas e batentes não foram dimensionadas para receber aparelhos esportivos ou equipamentos que causem esforços adicionais;

·       Evitar a colocação ou fixação de objetos nas portas;

·       Lubrifique periodicamente as dobradiças com óleo lubrificante;

·       Para evitar emperramentos de dobradiças e parafusos, verifique que estes estejam sempre firmes e que nenhum objeto se interponha sob as portas.

·     A utilização de produtos químicos afeta o acabamento das folhas de porta, marcos, alizares e rodapés.

·     Não aplique adesivos sobre as portas, pois pode comprometer o acabamento no momento da sua retirada.

·     Não expor o produto ao sol.

·     Nunca jogue água diretamente nas portas.

Limpeza e Conservação

Orientação para limpeza das portas:

  • Ao proceder a limpeza do produto, utilizar somente pano levemente umedecido com água.
  • NUNCA JOGUE ÁGUA DIRETAMENTE NO PRODUTO!
  • Evitar o uso de material cortante ou perfurante na limpeza de arestas ou cantos.

A utilização de produtos químicos afeta o acabamento das folhas de porta marcos e alizares. Utilize apenas pano levemente umedecido com água.

Orientações para limpeza das dobradiças e fechaduras comuns (não digital):

  • Utilizar uma flanela umedecida com água, secar com uma flanela.
  • Não utilizar para limpeza qualquer tipo de produto químico.

Orientações para limpeza da fechadura digital:

  • Limpar com pano macio e seco.
  • Não molhar o produto.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar falhas de vedação e fixação das esquadrias, e reconstituir sua integridade onde for necessário.Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano
Efetuar limpeza geral das esquadrias. Reapertar parafusos aparentes.Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano
Lubrificar as dobradiças com lubrificantes de alta viscosidade com graxa ou silicone, tendo em mãos uma flanela para limpar excessos. Equipe de manutenção local/ empresa capacitada6 meses
Lubrificar as fechaduras apenas com óleo mineral, regular a fechadura com chave allenEquipe de manutenção local/ empresa capacitada1 ano

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Guarnições, escovas, elementos de vedaçãoDesencaixe;deslocamento1 ano
Perda de vedação3 anos
Componentes de movimentação e fechamentos, (por exemplo, fechos, roldanas, parafusos, articulações e braços)Desencaixe;deslocamento1 ano
Deformação, oxidação, ruptura; dessolidarização e falha de funcionamento3 anos
Folhas móveisDesencaixe;deslocamento1 ano
Folgas nos elementos quanto à vedação, encaixe e fixação3 anos
Deformação, corrosão, ruptura; dessolidarização5 anos
Perfis principais que constituem a estrutura da esquadriaRuptura, deformação, flexão, surgimento de trincas, cavidades5 anos
Os perfis que compõem as esquadrias de madeiraFalha no tratamento superficial (por exemplo, pintura, alteração da cor, descascamento e perda de brilho)3 anos
Marcos e folhas que compõem as esquadrias de madeira Empenamento; descolamento de camadas da folha, incluindo revestimentos, Falha no tratamento superficial (por exemplo, manchas, amarelamento, fissuras e desplacamento da tinta ou verniz)1 ano
Ruptura, flexão3 anos

Casos de perda da garantia:

·    Impacto em desacordo com a ABNT NBR 15575, ocasionando danos às fechaduras, dobradiças, batentes, guarnições, vedações adjacentes etc.;

·       Alteração das ferragens fornecidas na entrega da unidade;

·       Instalação de molas (dobradiças/aéreas);

·       Remoção ou qualquer alteração da folha da porta por quaisquer motivos;

·       Exposição das esquadrias à umidade, aplicação direta de água no produto;

·       Alteração da altura da porta (corte da parte inferior) devido a instalação de piso;

·       Se for feita mudança na instalação, acabamento (especialmente pintura), entre outras modificações nas portas que altere suas características originais;

·       Se for feito corte do encabeçamento (reforço da folha) da porta;

·       Se não forem observadas as orientações de uso, limpeza e conservação.

·       Danos causados por batidas, amassados, arranhões, quedas, acidentes, sinistros;

·       Danos decorrentes de excesso de peso e/ou esforço aplicado ao produto, bem como acessórios, adesivos e utensílios aplicados nas portas;

·       Utilização do produto em contato com água, umidade, intempéries, maresia, frio ou calor intensos, agentes naturais, caso fortuito ou força maior;

·       Danos provocados por limpeza com água excessiva, lavadoras de alta pressão (Wap), mangueiras, produtos químicos, solvente, álcool e/ou outros líquidos.

Variações admissíveis

As portas e vistas na cor branca estão sujeitas a amarelamento devido à ação do tempo, sendo que não haverá garantia deste item caso ocorra.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Portas e dobradiçasFamossul Madeiras S/A
FechadurasFERRAGENS 3F DO BRASIL EIRELISinterpecas Industria e Comércio EIRELI
PuxadorMODELACAO ANDRADE LTDA
Fechadura eletrônicaPAPAIZ ASSA ABLOY BRASIL INDUSTRIA E COMERCIO LTDA

Esquadrias de alumínio e vidro

Especificações Técnicas

As janelas, porta-janelas e brises (áreas técnicas) são de alumínio anodizado com acabamento pintura eletrostática na cor preta, fornecida por Alumínio e Vidros Tubarão. Foram utilizados vidros, laminados e temperados, com espessura variável conforme o tipo de esquadria. As esquadrias não possuem persiana integrada ou espera para futura instalação.

O detalhamento de todas as esquadrias e tipos de vidros pode ser verificado no arquivo “Esquadrias – Alumínios Tubarão”, disponibilizado na pasta de Anexos do Manual.

Uso e Operação

·       Evitar fechamentos abruptos das esquadrias decorrentes de ações de intempéries;

·       As esquadrias devem correr suavemente, não devendo ser forçadas;

·       As ferragens devem ser manuseadas com cuidado, evitando aplicação de força excessiva;

·       As esquadrias não foram dimensionadas para receber aparelhos esportivos ou equipamentos que causem esforços adicionais;

·       Evitar a colocação ou fixação de objetos nas esquadrias;

·       Os vidros possuem espessura compatível com a resistência necessária para o seu uso normal. Por essa razão, evitar qualquer tipo de impacto na sua superfície ou nos caixilhos;

·       Não abrir janelas ou porta-janelas empurrando a parte de vidro. Utilizar os puxadores e fechos;

·       Em casos de quebra ou trinca do vidro, trocar imediatamente para evitar acidentes;

·       No caso de trocas, trocar por vidro de mesma característica (cor, espessura, tamanho etc.);

·  Todas as articulações, rodízios e roldanas possuem sistema de autolubrificação, dispensando o uso de qualquer tipo de graxa ou óleo, que podem causar danos aos componentes. 

Clique aqui e acesse as orientações de uso, operação e limpeza específicas apresentadas pelo fabricante Alumínios Tubarão:

Limpeza e Conservação

Orientações para limpeza das esquadrias de alumínio:

Recomenda-se a utilização de solução de água com detergente neutro a 5%, aplicado com esponja macia. Não utilizar objetos que venham a danificar o tratamento do alumínio, como facas, palhas de aço e outros. Evitar o contato com agentes químicos.

Para um bom desempenho das esquadrias com folhas de correr, deve-se manter os drenos (orifícios) e trilhos inferiores sempre bem limpos, pois esta é a causa principal do borbulhamento e vazamento de água para o interior do ambiente.

 Orientações para limpeza dos vidros:

A limpeza deve ser feita com um pano ou esponja macia, usando detergente neutro solúvel em água. A limpeza também pode ser feita usando limpa-vidros ou água em temperatura ambiente. Não usar limpadores químicos severos, abrasivos ou soluções de limpeza de base ácida ou alcalina.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Efetuar limpeza geral das esquadrias e seus componentesEquipe de manutenção local3 meses
Verificar a presença de fissuras, falhas na vedação e fixação nos caixilhos e reconstituir sua integridade onde for necessário.Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano
Nos conjuntos que possuam vidros temperados, efetuar inspeção do funcionamento do sistema de molas e dobradiças e verificar a necessidade de lubrificação.Empresa especializada1 ano
Verificar o desempenho das vedações e fixações dos vidros nos caixilhos.Equipe de manutenção local/ empresa capacitada1 ano
Reapertar os parafusos aparentes dos fechos, das fechaduras ou puxadores e das roldanas das esquadrias de alumínioEmpresa capacitada/ empresa especializada1 ano ou sempre que necessário
Verificar nas janelas Maxim-ar a necessidade de regular o freio. Para isso, abrir a janela até um ponto intermediário (± 30 °), no qual ela deve permanecer parada e oferecer certa resistência a movimento espontâneo. Se necessária, a regulagem deverá ser feita somente por pessoa especializada, para não colocar em risco a segurança do usuário e de terceiros.Equipe de manutenção local/empresa capacitada1 ano ou sempre que necessário

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Guarnições, escovas, elementos de vedaçãoDesencaixe;deslocamento1 ano
Perda de vedação3 anos
Componentes de movimentação e fechamentos, (por exemplo, fechos, roldanas, parafusos, articulações e braços)Desencaixe;deslocamento1 ano
Deformação, oxidação, ruptura; dessolidarização e falha de funcionamento3 anos
Folhas móveisDesencaixe;deslocamento1 ano
Folgas nos elementos quanto à vedação, encaixe e fixação3 anos
Deformação, corrosão, ruptura; dessolidarização5 anos
Perfis principais que constituem a estrutura da esquadriaRuptura, deformação, flexão, surgimento de trincas, cavidades5 anos
Os perfis que compõem as esquadriasFalha no tratamento superficial (por exemplo, pintura, alteração da cor, descascamento e perda de brilho)3 anos
VidrosDelaminação1 ano
Dessolidarização em relação à esquadria5 anos
Vedação da interface vertical e horizontal da esquadriaPerda de estanqueidade devido à falta de aderência e vedação1 ano
Vedação entre componente da esquadriaPerda de estanqueidade devido à falta de aderência e vedação3 anos

Casos de perda da garantia:

·       Se forem instalados cortinas, persianas, ar condicionado ou qualquer aparelho diretamente na estrutura das esquadrias, ou interferindo direta ou indiretamente com estas;

·       Se forem instaladas persianas de outros fabricantes ou especificações nas caixas integradas à esquadria;

       Se for feita mudança na instalação, acabamento (especialmente pintura), entre outras modificações na esquadria que altere suas características originais;

·       Se durante o prazo de vigência da garantia não forem observadas as orientações de limpeza e conservação descritas neste Manual;

·       Se forem executados furos no revestimento, alvenaria ou estrutura do vão da esquadria para fixação de telas, redes de proteção, grades etc., podendo gerar infiltração interna. Nesse caso, a perda da garantia refere-se à vedação;

·       Se ocorrerem danos aos componentes causados por agentes corrosivos, produtos alcalinos, sal de Candlot, e outros produtos indicados como proibidos nas orientações de limpeza e conservação;

·       Se forem causados danos por mau uso, manuseio inadequado, ajustes ou substituição de peças ou partes executadas por terceiros não autorizados pelo fabricante;

·       Se forem executadas alterações das suas características originais.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Esquadrias de alumínioAlumínios Tubarão (Rinaldi Aluminios e Vidros LTDA)

Portões

Especificações Técnicas

O portão de acesso a garagem do térreo e 1º pavimento é de correr com motorização, perfil tubular de chapa de alumínio tipo Lambri cor preto.

O motor do portão é da marca PPA, modelo DZ Predial Jet Flex. A receptora do portão (leitora do controle remoto) é da marca Intelbras, modelo XRE 1000. 

Uso e Operação

·   As ferragens devem ser manuseadas com cuidado, evitando aplicação de força excessiva;

·    Os trilhos inferiores das esquadrias e dos orifícios de drenagem devem ser frequentemente limpos para garantir o perfeito funcionamento dos seus componentes;

·     As esquadrias não foram dimensionadas para receber aparelhos esportivos ou equipamentos que causem esforços adicionais;

·    Evitar a colocação ou fixação de objetos nas esquadrias;

·     Evitar o uso de vaselina, removedor, thinner ou qualquer outro produto derivado do petróleo, pois, além de ressecar plásticos e borrachas, implicam na perda de sua função de vedação;

·         Evitar a remoção das borrachas ou massas de vedação;

·         Reapertar parafusos aparentes, regular freio e fazer lubrificação (quando aplicável).

Limpeza e Conservação

·         A limpeza das esquadrias e de seus componentes deve ser feita com detergente neutro e esponja macia. Retirar todo e qualquer excesso com pano seco. Em hipótese nenhuma deverão ser usados detergentes contendo saponáceos, esponjas de aço de qualquer espécie, materiais alcalinos, ácidos ou qualquer outro material abrasivo;

·         Evitar o uso de material cortante ou perfurante na limpeza de arestas ou cantos.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar as esquadrias, para identificação de pontos de oxidação e, se necessário, proceder reparos necessáriosEmpresa capacitada/ empresa especializada6 meses
Verificar e, se necessário, pintar ou executar serviços com as mesmas especificações da pintura originalEmpresa capacitada/ empresa especializada1 ano
Fazer manutenção geral dos sistemas de automação conforme instruções do fornecedorEmpresa especializada1 mês

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Portões – Perfis principais que constituem a estrutura da esquadria e folhas móveis, Mau funcionamento; oxidação que não acarrete a perda de seção da peça1 ano
Folgas nos elementos quanto à vedação, encaixe e fixação3 anos
Ruptura, deformação, corrosão, dessolidarização, flexão, surgimento de trincas, cavidades5 anos
Portões e motores/dispositivos de controle de abertura e fechamentoFalhas dos produtos 1 ano
Falhas de instalação1 ano

Casos de perda da garantia:

·         Se for feita mudança na instalação, acabamento (especialmente pintura), entre outras modificações na esquadria que altere suas características originais;

·         Se forem instalados, apoiados ou fixados quaisquer objetos diretamente na estrutura das esquadrias ou que nelas possam interferir;

·         Se houver danos por colisões;

·         Se durante o prazo de vigência da garantia não forem observadas as orientações de limpeza e conservação descritas neste Manual;

·         Se forem causados danos por mau uso, manuseio inadequado, ajustes ou substituição de peças ou partes executadas por terceiros não autorizados pelo fabricante.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
PortõesSerralheria Alumiville Ltda – ME

Guarda-corpos, corrimãos, brises e outros componentes de ferro e aço

Especificações Técnicas

Na edificação, foram instalados os seguintes componentes:

LocalEspecificaçãoFornecedor
Espaço pet e acesso a piscinaGradil Ripado com espera para portão cor preta, GradelineAlumínios e Vidros Tubarão LTDA
Sacadas Final 1 e 4GRADIL COM VIDRO LAMINADO EM L – 270o Gradeline, Cor: PINTURA PRETO FOSCO – RAL9005FAlumínios e Vidros Tubarão LTDA
Escadaria de emergênciaCorrimão de Aço Galvanizado à Fogo Cor Preta BKR Esquadrias e Estruturas Metálicas LTDA
Pergolado na área externa churrasqueira e acesso pedestresEstrutura metálica tubular galvanizada a fogo e pintura a pó cor preta e detalhes cor amadeirada, pérgola sem coberturaSerralheria Alumiville Ltda – ME
Escada marinheiro no Barrilete, Caixa d’água e  CisternaEscada marinheiro de aço galvanizado à fogo cor preta BKR Esquadrias e Estruturas Metálicas LTDA
Garagens térreo e 1º pavimento e acesso autos térreoGrelhas e tampas de aço galvanizado à fogo cor preta BKR Esquadrias e Estruturas Metálicas LTDA
BicicletárioAço galvanizado à fogo cor preta BKR Esquadrias e Estruturas Metálicas LTDA
Garagem 1º pavimentoProteção contra queda de veículos de  aço galvanizado à fogo cor preta BKR Esquadrias e Estruturas Metálicas LTDA
Acesso piscinaGradil Mobiliário de ferro galvanizado a fogoLEONARDO NICOLAS TAVARES 

Os brises de fechamento das áreas técnicas são de alumínio, com acabamento preto fosco, da Alumínios Tubarão. Estes brises não têm a função de guarda-corpo.

Uso e Operação

·       Não aplicar cargas, esforços e impactos em desacordo com a ABNT NBR 15575, nem pendurar objetos nos guarda-corpos, peitoris, corrimãos e brises.

·       Os guarda-corpos não foram dimensionados para receber aparelhos esportivos ou equipamentos que causem esforços adicionais;

·       Evitar a colocação ou fixação de objetos nos guarda-corpos.

Limpeza e Conservação

Recomenda-se a utilização de solução de água com detergente neutro a 5%, aplicado com esponja macia. Não utilizar objetos que venham a danificar o tratamento do alumínio, como facas, palhas de aço e outros. Evitar o contato com agentes químicos.

Para limpeza dos vidros, ver orientações em “Esquadrias de Alumínio e Vidro”.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar os guarda-corpos, para identificação de pontos de oxidação e, se necessário, proceder reparos necessáriosEmpresa capacitada/ empresa especializada6 meses
Verificar e, se necessário, pintar ou executar serviços com as mesmas especificações da pintura originalEmpresa capacitada/ empresa especializada1 ano
Verificar a vedação e fixação dos vidrosEmpresa capacitada1 ano

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Peitoris e guarda-corpos, componentes de ancoragem de equipamentos de segurança individual ou coletiva, presentes em quaisquer ambientes externos ou internos das edificaçõesRuptura ou perda de estabilidade5 anos
Oxidação que não acarrete a perda de seção da peça, a ruptura ou perda de estabilidade1 ano
CorrimãosRuptura ou perda de estabilidade3 anos
Oxidação que não acarrete a perda de seção da peça, a ruptura ou perda de estabilidade1 ano
Brises – Componentes como placas/chapas, trilhos e fixaçõesOxidação; deformações3 anos
Dessolidarização5 anos
Gradis, grades, portinholas e alçapões Mau funcionamento; oxidação que não acarrete a perda de seção da peça1 ano
Folgas nos elementos quanto à vedação, encaixe e fixação3 anos
Ruptura, deformação, corrosão, dessolidarização, flexão, surgimento de trincas, cavidades5 anos

Casos de perda da garantia:

·       Se forem instalados, apoiados ou fixados quaisquer objetos diretamente na estrutura das esquadrias ou que nelas possam interferir;

·       Se for feita qualquer mudança na instalação ou acabamento na esquadria, que altere suas características originais;

·       Se houver danos por colisões.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Guarda-corpos Alumínios Tubarão
Corrimão escadasBKR Estruturas Metálicas
PergoladoSerralheria Alumiville Ltda – ME
Gradil piscinaLEONARDO NICOLAS TAVARES 

Revestimento de granito

Especificações Técnicas

A edificação foi entregue com os seguintes revestimentos de granito:

LocalTipo
Soleiras Espaço Pet e PiscinaGranito Cinza Andorinha lixado
Bancada lavaboGranito Preto São Gabriel escovado
ChurrasqueirasGranito Preto São Gabriel escovado
Bancada / ilha do Salão de FestasGranito Branco Paraná
LareiraGranito Preto São Gabriel escovado
Piso interno do elevadorGranito Preto São Gabriel escovado
Moldura do elevadorGranito Preto São Gabriel escovado
Granito acesso calçadaGranito Cinza Andorinha lixado
Pingadeiras das Janelas dos apartamentosGranito Verde Ubatuba

Uso e Operação

·   Não danificar o revestimento durante a instalação de telas de proteção, grades ou equipamentos e vedar os furos com silicone, mastique ou produto com desempenho equivalente para evitar infiltração;

·       Não arrastar móveis, equipamentos ou materiais pesados, para que não haja desgaste excessivo ou provoque danos à superfície do revestimento.

Limpeza e Conservação

·       Remova as partículas sólidas utilizando um pano macio. Este procedimento evita que ocorram riscos superficiais devido ao atrito de partículas sólidas quando friccionadas sobre a pedra.

·       Aplique um pano umedecido com água para promover a limpeza e a remoção de partículas menores que não foram removidas no processo anterior. Quando necessário, utilize uma solução de água com detergente especial para pedras (pH NEUTRO ou conforme especificado pelo fabricante). Passe um pano seco e macio para secar. Não é recomendável sua lavação, pois infiltrações de água podem ocasionar problemas como, por exemplo, o fenômeno da eflorescência.

·       Em caso de manchas causadas por impregnação de algum produto na pedra, recomenda-se procurar sempre um especialista antes de qualquer procedimento, pois alguns componentes que frequentemente ocasionam manchas em pedras, quando em contato com certos tipos de elementos químicos, tornam-se manchas permanentes.

·       Em áreas onde exista a probabilidade de contato com líquidos (café, refrigerante, óleo etc.), comida ou qualquer outro elemento que possa ocasionar manchas, é aconselhável a aplicação de protetores contra manchas.

·       Sempre procure utilizar, quando necessário, produtos de limpeza ou de conservação específicos para mármores e granitos, buscando sempre obter a orientação correta de utilização.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
No caso de pedras polidas (ex.: pisos, bancadas de granito etc.), verificar, se necessário, encerarEquipe de manutenção local1 mês
Verificar a calafetação de elementos decorativosEmpresa capacitada/ empresa especializada1 ano
Verificar a integridade e reconstituir, onde necessário, os rejuntamentos internos e externos respeitando a recomendação do projeto original ou conforme especificação de especialista. (Atentar para as juntas de dilatação que devem ser preenchidas com mastique e nunca com argamassa para rejuntamento)Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Revestimentos de granitoDesgaste, dessolidarização3 anos

Casos de perda da garantia:

·       Manchas e perda do polimento por utilização inadequada de produtos químicos;

·       Quebra por impacto;

·       Riscos causados por transporte de materiais ou objetos;

·       Utilização de máquinas de lavação de alta pressão.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Pingadeiras das janelasMarmoraria Schmidt LTDA
Outros revestimentos de granitoArte Final Mármores e Granitos LTDA

Instalações elétricas

Especificações Técnicas

O condomínio é alimentado em baixa tensão obedecendo às normas técnicas brasileiras aplicáveis e conforme projeto aprovado na concessionária de energia elétrica local. O quadro de medidores está localizado no pavimento térreo, próximo à entrada de pedestres.

A voltagem instalada em todos os pontos elétricos do edifício é 220V.Somente instalar lâmpadas e componentes compatíveis com esta voltagem.

As tubulações embutidas nas lajes e paredes são em mangueiras flexíveis e eletrodutos (marca Siderplast Industria de Plasticos LTDA), conectados em caixas de PVC. Os fios e cabos são de qualidade certificada, isolados e dimensionados segundo as cargas previstas em projeto, das marcas Indusflex e Qualyflex.

Cores dos condutores elétricos
Fase A (R)Preto
Fase B (S)Branco ou cinza
Fase C (T)Vermelho
NeutroAzul
Proteção (terra)Verde

O quadro de disjuntores é de PVC do fornecedor Sperandio, Alves e Sodelli IND, e é entregue com um roteiro em papel adesivo identificando o uso de cada disjuntor. Os disjuntores são da marca Steck.

Atenção! Por segurança, antes de realizar quaisquer intervenções nos pontos elétricos, verificar se o disjuntor está desligado e se corresponde ao ponto elétrico identificado.

As tabelas a seguir apresentam as cargas máximas admissíveis nos circuitos elétricos do condomínio. Para mais informações, consulte o projeto elétrico completo.

Não instalar equipamentos que ultrapassem as cargas máximas previstas nos circuitos.

Cargas máximas admissíveis nos circuitos elétricosQuadro QD -Cond
CircuitoDescriçãoCarga máxima (W)Disjuntor
01Iluminação Garagem Térreo75616 A
02Iluminação Externa18016A
03Iluminação Circulação Térreo / Espaço Pet / Hall26016A 
04Iluminação emergência térreo7216 A
05Tomadas Garagem Térreo40020 A
06Tomadas Circulação Térreo / Espaço Pet / Hall1.10020 A
07Iluminação Escada62016 A
08Iluminação Emergência Escada térreo, 2º, 4º, 6º, 8º e 10º pavtos 90016 A
09Iluminação Emergência Escada 1º, 3º, 5º, 7º e 9º pavtos 90016 A
10Alimentador Elevador3.00025 A
11Alimentador comando elevador1.00020 A
12Iluminação fosso elevador10416 A
13Tomada fosso elevador20020 A
14Portão eletrônico 135020 A
15Portão eletrônico 235020 A
16Alimentador DVR/Central de interfone35020 A
17DG-GERAL50020 A
18Central de alarme35020 A
19QD – 1º Pavto50A
20QD – Festa32A
21QD – Cisterna32A
22 a 30Previsão para carregador de veículos elétricos
Cargas máximas admissíveis nos circuitos elétricosQuadro QD- 1º pavto
CircuitoDescriçãoCarga máxima (W)Disjuntor
01Iluminação garagem 1º pavto75616A 
02Iluminação circulação 1º pavto26016A
03Iluminação circulação 2º pavto a barrilete/caixa d’água 86016A
04Iluminação academia22016A
05Iluminação emergência  1º, 3º, 5º, 7º e 9º pavtos 10216A
06Iluminação emergência 2º, 4º, 6º, 8º e 10º pavtos7216A
07Tomada garagem 1º pavto80020A
08Tomada academia80020A
09Tomada circulação 1º pavto a barrilete/caixa d’água 1.00020A
10Condicionador de ar split academia 12.000 Btu/h1.20020A
11Pressurizador barrilete40020A
12 a 19Previsão para carregador de veículos elétricos
Cargas máximas admissíveis nos circuitos elétricosQuadro QD- Festas
CircuitoDescriçãoCarga máxima (W)Disjuntor
01Iluminação Salão de festas44016A 
02Condicionador de ar split salão de festas (18.000 Btu/h)1.80020A
03Condicionador de ar split salão de festas (18.000 Btu/h)1.80020A
04Tomadas salão de festas – cozinha70025A
05Iluminação de emergência8620A
06QD – Piscina25A
07Circuito de comando10A
Cargas máximas admissíveis nos circuitos elétricosQuadro QD- Cisterna
CircuitoDescriçãoCarga máxima (W)Disjuntor
01Iluminação cisterna1816A 
02Tomada cisterna10016A
03Motobomba B1 5CV3.75025A
04Motobomba B2 5CV3.75025A
05Comando10A

ATENÇÃO:
Não foi prevista no projeto a instalação de chuveiros e torneiras elétricas, o aquecimento de água deve ser feito por aquecedores a gás (exceção para apartamentos que solicitaram na personalização – verifique a pasta da unidade). 
Alguns equipamentos podem ter potência maior que a capacidade prevista dos circuitos (exemplo: fogões de indução).
A instalação de equipamentos com potência acima do dimensionado pode impactar no funcionamento dos equipamentos e na segurança.
Qualquer alteração nas instalações elétricas (fiação, disjuntores etc.) deve ser realizada por profissional habilitado, com emissão de ART/RRT. A Viplan não se responsabiliza por alterações realizadas após a entrega das chaves, estando sujeito à perda da garantia.

Os apartamentos e áreas comuns são entregues com acabamentos de interruptores e tomadas da marca WEG, linha Composé na cor Branca. As tomadas seguem o novo padrão brasileiro de três pinos, conforme NBR 14136.

A iluminação das áreas comuns é em lâmpadas de LED, com acionamento por sensor de presença nos halls, escadas e garagens, fotocélula nas áreas externas e interruptores manuais nas áreas internas e quiosque. Nas garagens há algumas luminárias do tipo VIGIA também acionadas por fotocélulas. A tabela a seguir apresenta a especificação das lâmpadas e luminárias e locais de instalação.

LumináriaAmbientes
Pendente Jade 2+1 100cm DouradoSalão de festas
Embutido Abs Quadrado Branco com led PAR20 3000Khall acesso térreo
Embutido Abs Quadrado Branco com led Dicroica 3000KSalão de festas
Perfil led sobrepor h15 branco 175mm fita led 15W 220V 3000KSalão de festas e academia
Trilho eletrificado sobrepor 2m Preto com 4 spots 7W 4000Kespaço pet
Trilho eletrificado sobrepor 1m Preto com 2 spots 7W 4000Kferramentaria
Arandela Dron Preto 4W 3000Kmuro piscina
Arandela linear 86cm preta fita led 24W 3000Kmuro piscina (em cima da borda)
Espeto de jardim preto 7W 3000Kfloreiras
Plafon Square PRA20 Unico 11x11x13cm branca 3000Kacademia
Plafon Square PRA20 Único 11×21,3x13cm preto 3000Kquiosque
Arandela tartaruga led 9W 3000Kmuros internos (rampa)
Embutido led 30×30 CM branco 4000Khobby box
Plafon led 30×30 branco 4000Kgaragens
Arandela Acrílica com sensor led 6,5W 3000Kescadarias hall tipo

Uso e Operação

Quadros de Luz e Força:

·       Não alterar as especificações dos disjuntores (diferencial, principal ou secundários) localizados nos quadros de distribuição da edificação, pois estes estão dimensionados em conformidade com a capacidade dos circuitos e aderentes às normas brasileiras, e possuem a função de proteger os circuitos de sobrecarga elétrica. Os quadros deverão possuir esquema identificando os circuitos e suas respectivas correntes suportadas (amperagem);

·       Não abrir furos nas proximidades dos quadros de distribuição;

·       Utilizar somente equipamentos com resistências blindadas, pois os quadros possuem interruptor DR (Diferencial Residual), que têm função de medir as correntes que entram e saem do circuito elétrico e, havendo eventual fuga de corrente, como no caso de choque elétrico, o componente automaticamente se desliga. Sua função principal é proteger as pessoas que utilizam a energia elétrica;

·       Em caso de sobrecarga momentânea, o disjuntor do circuito atingido se desligará automaticamente. Neste caso, religar o componente. Caso volte a desligar, significa sobrecarga contínua ou curto em algum aparelho ou no próprio circuito, o que torna necessário solicitar análise de profissional habilitado;

·       Não ligar aparelhos diretamente nos quadros;

·       Não troque os disjuntores por outros de amperagem maior, pois tal atitude pode provocar danos na instalação.

Circuitos, tomadas e iluminação:

·       Verificar a carga dos aparelhos a serem instalados, a fim de evitar sobrecarga da capacidade do circuito que alimenta a tomada e garantir o seu funcionamento nas condições especificadas pelos fabricantes e previstas no projeto da edificação;

·       Não utilizar benjamins ou “tes” (dispositivos que possibilitam a ligação de vários aparelhos em uma tomada) ou extensões com várias tomadas, pois elas provocam sobrecargas;

·       Utilizar proteção individual como, por exemplo, estabilizadores e filtros de linha em equipamentos mais sensíveis, como computadores, home theater, central de telefone etc.;

·       As instalações de equipamentos, luminárias ou similares deverão ser executadas por empresa capacitada, observando-se aterramento, tensão (voltagem), bitola e qualidade dos fios, além de isolamentos, tomadas e plugues a serem empregados;

·       Não ligar aparelhos de voltagem diferente das especificadas nas tomadas;

·       Manutenções devem ser executadas com os circuitos desenergizados (disjuntores desligados) e por profissional habilitado ou capacitado, dependendo da complexidade;

·       Sempre que for executada manutenção nas instalações, como troca de lâmpadas, limpeza e reaperto dos componentes, desligar os disjuntores correspondentes.

Informações adicionais:

·       Em caso de incêndio, desligue o disjuntor geral do quadro de distribuição;

·       Não colocar líquidos ao contato dos componentes elétricos do sistema;

·       Não manuseie aparelhos elétricos quando houver contato com água, pois podem ocorrer acidentes fatais;

·       Ao lidar com eletricidade, procure usar calçados com sola de borracha inteiriça (tênis, por exemplo), para evitar choques.

Limpeza e Conservação

·       Efetuar limpeza nas partes externas das instalações elétricas (espelho, tampas de quadros etc.) somente com pano seco.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Testar o disjuntor tipo DR apertando o botão localizado no próprio aparelho. Ao apertar o botão, a energia será interrompida. Caso isso não ocorra, trocar o DR.Equipe de manutenção local/ empresa capacitada6 meses
Rever o estado de isolamento das emendas de fios e, no caso de problemas, providenciar as correções*Empresa especializada1 ano
Verificar e, se necessário, reapertar as conexões do quadro de distribuição*Empresa especializada1 ano
Verificar o estado dos contatos elétricos. Caso possua desgaste, substitua as peças (tomadas, interruptores, pontos de luz e outros)*Empresa especializada1 ano
Reapertar todas as conexões (tomadas, interruptores, pontos de luz e outros) *Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano ou sempre que necessário

*A manutenção das instalações elétricas deve ser executada com os circuitos desenergizados (disjuntores desligados).

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Prumadas de distribuição Falhas de produto3 anos
Falhas de instalação5 anos
Componentes dos diversos circuitos elétricos que constituem o sistema, incluindo o sistema de proteção contra descargas atmosféricas (SPDA), englobando eletrodutos, disjuntores, tomadas e interruptores, fios e cabos, barramentos, terminais e bornes para conexão, quadros elétricos e painéis de distribuição de energia, quadros de comando e supervisão, dispositivos de proteção e manobra sistema de iluminação de emergência, excetuando-se luminárias, lâmpadas e acessórios de acabamentos como espelhos de interruptores e tomadasFalhas de produto1 ano
Falhas de instalação3 anos
Luminárias de ambientes internos e externos, exceto lâmpadasFalhas de produto1 ano
Falhas de instalação1 ano
Sistemas para canalização e acomodação dos condutores e componentes (eletrodutos, eletrocalhas, caixas de passagem)Falhas de produto1 ano
Falhas de instalação3 anos
Entrada de energia, câmaras e cabines de transformação e seus componentes, transformadores, cabines de barramentos, subestações e seus componentes (exceto equipamentos fornecidos pela concessionária local de energia)Falhas de produto1 ano
Falhas de instalação3 anos
Sistema de automaçãoFalhas de produto1 ano
Falhas de instalação1 ano

Casos de perda da garantia:

·       Se evidenciada qualquer mudança no sistema de instalação que altere suas características originais;

·       Se evidenciada a substituição de disjuntores por outros de capacidade diferente, especialmente de maior amperagem;

·       Se evidenciado o uso de eletrodomésticos que não atendam à normalização vigente (antigos), chuveiros ou outros equipamentos elétricos não previstos no projeto, que ocasionem o desarme dos disjuntores;

·       Se evidenciada sobrecarga nos circuitos, por causa da ligação de vários equipamentos no mesmo circuito, ou iluminação decorativa em excesso;

·       Se evidenciada a não utilização de proteção individual para equipamentos sensíveis;

·       Se não forem tomados os cuidados de uso ou não forem realizadas as manutenções necessárias.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
EletrodutosSiderplast Industria de Plasticos LTDA
Fios e cabosQualyflex do Brasil Fios
Tomadas e interruptoresWEG
Quadros elétricos e disjuntoresSperandio, Alves e Sodelli INDSteck
Iluminação das áreas comunsTraços Retos Iluminação Eireli

Instalações de comunicação

Especificações Técnicas

Telefonia, TV e Internet:

O sistema de comunicação entregue pela construtora nas áreas comuns consiste em quadros de distribuição geral de comunicação, e pontos de espera para TV, telefone e internet no salão de festas.

O cabeamento para antena coletiva de TV ou TV por assinatura é de responsabilidade da operadora escolhida pelo condomínio ou morador. A instalação telefônica consta da execução completa das tubulações para os pontos de espera, não sendo entregue cabeamento.

Obs: O condomínio possui uma área exclusiva para instalação de antenas localizado no andar do barrilete, não podendo ser instaladas em outro local, sob risco de comprometer a impermeabilização.

Os pontos de comunicação foram entregues com acabamentos de tampa cega da marca WEG, linha Composé na cor Branca.

Interfone:

O sistema de interfone foi entregue instalado pela construtora, incluindo o aparelho, sendo que o ponto de interfone está localizado na sala,próximo à porta de entrada do apartamento. 

Ramais do interfone
Portão Pedestre91
Porta Hall92
Salão de Festas10
Academia20
Para chamar um apartamento (da portaria ou de outro apartamento)Tecle o número do Apartamento.Ex.: Chamar Apto 202 – Digitar: 202Chamar Apto 403 – Digitar: 403

Observação: Os interfones não abrem as portas de dentro dos apartamentos, academia e salão de festas, por questão de segurança.

Sistema de som:

Foram instalados sistemas de som na academia e no salão de festas. O sistema é composto por caixas de som e um dispositivo para conexão por Bluetooth e USB, e controle remoto, marca Frahm. O Manual do equipamento encontra-se na pasta de anexos deste Manual.

Segurança e monitoramento:

O edifício possui os seguintes sistemas para segurança e monitoramento:

  • Câmeras de segurança
  • Cercas elétricas e sensor de barreira
  • Controle de acesso do prédio  por reconhecimento facial
  • Automação de portões

Na pasta de Projetos em Anexos do Manual do Síndico encontra-se o projeto do CFTV, bem como o arquivo “Monitoramento e segurança – relação de equipamentos INSIDE”, com as especificações de todos os equipamentos de segurança, monitoramento e controle de acesso do condomínio.

O monitoramento é realizado pela empresa FT. O empreendimento possui um contrato de 3 meses com a construtora. Após este período, deve ser efetuado um novo contrato com o condomínio.

Uso e Operação

·       No caso de ampliação do sistema, não utilizar vários equipamentos em um mesmo circuito;

·       Recomenda-se o uso de nobreak ou fonte auxiliar, a fim de evitar descontinuidade do sistema em caso de interrupção do fornecimento de energia;

·       Evitar queda, superaquecimento, contato com umidade e manuseio inadequado dos equipamentos;

·       Seguir as recomendações dos fabricantes dos aparelhos utilizados.

Limpeza e Conservação

·       Efetuar limpeza nas partes externas das instalações (espelho, tampas de quadros etc.) somente com pano seco.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar a integridade dos componentes elétricos e fiosEmpresa capacitada/ empresa especializada1 ano
Verificar a integridade estrutural dos componentes e fixaçõesEmpresa capacitada/ empresa especializada1 ano

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Infraestrutura do sistema de interfone e telefoneFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos
Equipamentos e acessórios – interfones ou outrosFalhas dos produtos e de instalação1 ano
Sistemas de cabeamento, infraestrutura e equipamentos de áudio, imagem e dados – Cabos, caixas, quadros e infraestrutura Falhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos
Sistemas de cabeamento, infraestrutura e equipamentos de áudio, imagem e dados – Equipamentos e acessóriosFalhas dos produtos e de instalação1 ano
Sistemas de segurança patrimonial – Infraestrutura do sistemaFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos
Sistemas de segurança patrimonial – Componentes e equipamentosFalhas dos produtos e de instalação1 ano
Antenas coletivas – infraestruturaFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos
Antenas coletivas – Componentes e equipamentosFalhas dos produtos e de instalação1 ano

Casos de perda da garantia:

·       Em caso de acidentes, uso inapropriado ou abusivo dos equipamentos e reparos efetuados por pessoas ou empresas não especializadas;

·       Alterações no sistema, infraestrutura, posicionamento e equipamentos originalmente instalados;

·       Em caso do não atendimento às especificações do manual do fabricante dos equipamentos;

·       Se for evidenciada sobrecarga nos circuitos devido a ligação de vários equipamentos no mesmo circuito;

·       Se não forem tomados os cuidados de uso ou não for feita a manutenção necessária.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
EletrodutosSiderplast Industria de Plasticos LTDA
Pontos de espera telefone / TVWEG
InterfoneActive
Quadros de ComunicaçãoSperandio, Alves e Sodelli INDSteck
Sistema de somActive
Sistema de monitoramentoActive (instalação)FT (monitoramento)

Instalações hidráulicas

Especificações Técnicas

A tabela a seguir apresenta as especificações dos componentes das instalações de água potável (fria e quente). 

ComponenteDescriçãoMarca/Modelo
Entrada de água potávelO abastecimento ocorre diretamente da rede da concessionária (Águas de Joinville) até o reservatório inferior (cisterna), passando pelo hidrômetro.
Hidrômetro geralLocalizado no térreo, no muro em frente a lixeira. Hidrômetro geral para os apartamentos e áreas comuns.Fornecido pela Águas de Joinville
Hidrômetros individuaisEntregue para cada apartamento a fim de permitir o rateio do consumo por unidade habitacional. Localizado no hall dos apartamentosLAO Multijato Magnético 3/4″ 5m³/h Classe B Linha 4000
Reservatórios inferiores (cisternas)02 reservatórios de 10.000 litros e 15.000 litros. Localizados no andar térreo, sendo alimentados diretamente da rede pública.1 Tanque Polietileno. 10.000L c/ TPA Clic Bakoc Pc – Bakof Tanque Polietileno. 15.000L c/ TPA Clic Bakoc Pc – Bakof
Bombas de recalqueConjunto motor-bomba composto por duas unidades, com uso alternado, sendo uma sempre na reserva.MOTOBOMBA CENTRIF 3CV ME-AL 2230 TRIF SCHNEIDER Motobomba 4CV Modelo ME-AL 2340 SCHNEIDER
Reservatórios superioresDois reservatórios, totalizando 40.000 litros (ambos de 20 mil litros), dentre os quais, 15.000 litros são destinados a reserva técnica de incêndio (R.T.I.) e os 25.000 litros restantes destinado ao consumo. Instalados acima do telhado em ambiente fechado e protegido.Tanque Pol. 20.000L C/ TPA Clic Bakoc Pc – Bakof
Tubulações de distribuição de água fria (prumadas e ramais)Tubos e conexões de PVC, na cor marromAmanco
Tubulações de água quenteTubos e conexões de CPVC na cor brancaAmanco 
Registros de gavetaOs registros de gaveta permitem interromper o fornecimento de água de um ambiente. Docol Europa
Registros dos chuveirosRegistros misturadores nos pontos hidráulicos de chuveiroDocol
Vasos sanitáriosConjunto vaso sanitário e caixa acoplada P 3/6 litros – BRANCOParati / Logasa (áreas comuns)
TorneirasTorneira DMLTorneira longa 1158 Trio Cod. 00534606
LAVABO SALÃO DE FESTASTorneira para banheiro Docol Nova Lóggica Cod. 01106406
LAVABO PISCINATorneira para banheiro Docol bica alta 90o Nova Lóggica Cod. 01137406
LAVABO ACADEMIATorneira para banheiro Docol Nova Lóggica Cod. 01106406
SALÃO DE FESTASTorneira para cozinha Docol bica alta Gali Cod. 00801306
QUIOSQUETorneira para cozinha Docol bica alta Gali Cod. 00801306
Chuveiro piscinaDucha redonda de parede cromadaBonnaducha Docol
TanqueDMLTANQUE M 535X485 MM FABRICADOEM CERÂMICA SEM MESA, CELITE,COR BRANCO
AquecedorAquecedor espaço PetAquecedor Individual 4T 6400W 220V Cardal AQ-249/2
Ducha espaço PetDucha higiênicaMeber Nya 1850C22 
Torneiras apartamentosNão são entregues pela construtora nos apartamentos.As torneiras devem atender uma vazão máxima de 8 L/min.
Chuveiros apartamentosNão são entregues pela construtora chuveiros nos apartamentos.Os chuveiros dos apartamentos devem atender uma vazão máxima de 12 L/min.Os apartamentos não possuem pontos para chuveiros elétricos, devendo ser instaladas duchas com aquecimento pelos aquecedores a gás. Exceção de apartamentos que solicitaram previsão de chuveiro elétrico como personalização – nestes casos, a emenda deve ser realizada com conectores, conforme as normas técnicas aplicáveis.
Aquecedor de água a gás apartamentosNão entregue pela construtora nos apartamentos.
O aquecedor a gás deve ter vazão de 21 l/min e potência máxima de 460 kcal/min.Deverá ser instalado em cima da pia da churrasqueira.Obs.: Apartamentos que o aquecedor irá na sacada, indicamos o uso de aparelho para uso externo (Final 01 e 04)

Observação: a saída da tubulação para extravasão dos reservatórios de água está localizada na garagem do térreo, próximo a porta de acesso (junto ao carrinho de compras).

Uso e Operação

·    Nos pontos de uso de água (chuveiros e torneiras), o registro de água quente é o da esquerda, e o de água fria é o da direita. 

Abertura dos registros de água quente e fria – imagem ilustrativa

·       Nunca suba ou se apoie nos vasos sanitários, louças e bancadas, pois eles podem se soltar ou quebrar causando ferimentos graves;

·       Não obstruir o “ladrão” ou tubulações do sistema de aviso;

·       Não apertar em demasia os registros, torneiras, misturadores;

·       Durante a instalação de filtros, torneiras, chuveiros, atentar-se ao excesso de aperto nas conexões, a fim de evitar danos aos componentes;

·       As tubulações foram dimensionadas para vasos sanitários com caixa acoplada de descarga nos apartamentos. Não é possível alterar para válvula de descarga;

·       Fechar os registros de gaveta dos ambientes antes de realizar manutenção nos pontos hidráulicos, bem como instalação de chuveiros e torneiras;

·   Manter os registros gerais das áreas molhadas fechados quando da ausência do imóvel por longos períodos.

Limpeza e Conservação

·       Limpe os metais sanitários, ralos das pias e lavatórios, louças e cubas de aço inox em pias com água, sabão neutro e pano macio. Nunca use esponja ou palha de aço e produtos abrasivos;

·       Para a limpeza dos registros, recomenda-se a limpeza semanal com flanela úmida e sabão neutro. Não deverão ser utilizados produtos à base de cloro (hipoclorito, água sanitária etc.), bem como não é recomendada a utilização de esponjas de aço;

·       Não utilize na limpeza ou desentupimento hastes, ácidos ou produtos cáusticos, acetona concentrada e substâncias que produzam ou estejam em alta temperatura;

·       Limpe periodicamente os arejadores (bicos removíveis) das torneiras, pois é comum o acúmulo de resíduos provenientes da própria tubulação;

·       Para limpeza da bacia sanitária, use escovas com cerdas suaves e produtos não abrasivos para não danificar a louça. Coloque desinfetante e deixe agir por alguns minutos para depois esfregar por toda a estrutura.  Não se esqueça de fazer a limpeza também na borda interna. Para evitar contaminação, tenha um pano ou esponja exclusivos para higiene da bacia;

·       Limpe e verifique a regulagem do mecanismo de descarga periodicamente.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar o nível dos reservatórios, o funcionamento das torneiras de boia e a chave de boia para controle do nívelEquipe de manutenção local1 semana
Utilizar e limpar as bombas em sistemas de rodízio, por meio da chave de alternância no painel elétrico (quando o quadro elétrico não realizar reversão automática)Equipe de manutenção local15 dias
Verificar funcionalidade do extravasor (ladrão) dos reservatórios, evitando entupimentos por incrustações ou sujeirasEquipe de manutenção local6 meses
Verificar mecanismos internos da caixa acopladaEquipe de manutenção local6 meses
Verificar a estanqueidade dos registros de gavetaEquipe de manutenção local6 meses
Abrir e fechar completamente os registros para evitar emperramentos e mantendo-os em condições de manobraEquipe de manutenção local6 meses
Limpar e verificar a regulagem dos mecanismos de descargaEquipe de manutenção local6 meses
Efetuar manutenção nas bombas de recalque de água potávelEmpresa especializada6 meses
Limpar os aeradores (bicos removíveis) das torneirasEquipe de manutenção local6 meses
Limpar os reservatórios e fornecer atestado de potabilidade. Obs.: Além da periodicidade de 6 meses, realizar a limpeza quando ocorrerem indícios de contaminação, ou problemas no fornecimento de água potável da rede pública.Empresa especializada6 meses
Verificar a estanqueidade da válvula de descarga e torneirasEquipe de Manutenção local1 ano
Verificar as tubulações de água potável para detectar obstruções, perda de estanqueidade e sua fixação. Recuperar sua integridade onde necessárioEquipe de manutenção local/empresa capacitada1 ano
Verificar e, se necessário, substituir os vedantes (courinhos) das torneiras, misturadores e registros de pressão para garantir a vedação e evitar vazamentosEquipe de manutenção1 ano
Verificar o funcionamento do sistema de aquecimento individual e afetar limpeza e regulagem, conforme legislação vigenteEmpresa capacitada1 ano

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Tubos e suas conexões em prumadas/colunas que alimentam os ramais e sub-ramais, os reservatórios de água, as estações de tratamento de esgotos e de água, para a edificação excetuando-se os equipamentos industrializados como equipamentos de aquecimento de água, medidores, motobombas, filtros e outros equipamentos que integrem os sistemasRuptura/dessolidarização; perda da integridade do sistema; perda de estanqueidade5 anos
Ramais e sub-ramais de tubulações em ambientes internos e externosFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos
Engate flexível, sifão, válvulas, ralos e seus acabamentosFalhas dos produtos e instalação1 ano
Louças sanitárias (cerâmicas) – lavatórios, bacias sanitárias e caixas de descarga, tanques, banheiras e tanques de concreto ou de outros materiaisFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos
Bancadas de pias e cubasFalhas dos produtos1 ano
Perda estanqueidade entre bancada e frontão e na fixação de cubas1 ano
Falhas de instalação3 anos
Chuveiros, duchas, torneiras, misturadores e monocomandos entregues instaladosFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos
Motobombas, medidores, hidrômetros, e outros equipamentos do sistemaFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos

Casos de perda da garantia:

·       Danos decorrentes de limpeza inadequada (produtos químicos, solventes, abrasivos do tipo saponáceo, palha de aço, esponja dupla face) em acabamentos dos componentes nos metais sanitários;

·       Danos decorrentes de objetos estranhos no interior do equipamento ou nas tubulações que prejudiquem ou impossibilitem o seu funcionamento;

·       Danos decorrentes de quedas acidentais, mau uso, manuseio inadequado, instalações de equipamentos inadequados ao sistema;

·       Danos decorrentes por impacto ou perfurações em tubulações (aparentes, embutidas ou revestidas);

·       Uso incorreto dos equipamentos;

·       Manobras indevidas, com relação a registros, válvulas e bombas;

·       Reparos ou manutenções em equipamentos por pessoas não autorizadas pelo Serviço de Assistência Técnica;

·       Se constatada aplicação ou uso de peças não originais ou inadequadas, ou adaptação de peças adicionais sem autorização prévia do fabricante;

·       Se constatada falta de limpeza nos aeradores, provocando acúmulo de resíduos nos mesmos;

·       Se constatada falta de troca dos vedantes (courinhos) das torneiras;

·       Utilização de equipamentos em desacordo com as especificações de projeto ou deste Manual.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Hidrômetros individuaisLAO INDUSTRIA LTDA.
ReservatóriosBAKOF
Bombas de recalqueSCHNEIDER
Tubulações de água quente e friaAmanco
RegistrosDocol
Vasos sanitáriosROCA SANITARIOS BRASIL LTDA

Instalações de esgoto

Especificações Técnicas

Os dejetos de banheiros e cozinhas dos apartamentos são levados através de tubulações horizontais e tubos de queda até caixas de passagem, caixas de gordura, de espuma, de inspeção ou sifonadas, situadas no pavimento térreo da edificação, e ligadas à rede de esgotos sanitários existentes na rua, gerida pela Companhia de Águas de Joinville. 

As caixas de inspeção e espuma foram feitas com tubo de concreto pré-moldado  60 cm. A caixa de gordura foi fabricada in loco com bloco de concreto.

As tubulações de esgoto são de PVC da marca Amanco, na cor branca. Os ralos dos apartamentos são do tipo convencional, exceto quando escolhida a opção de personalização com ralo oculto.

Uso e Operação

·       Nunca despejar gordura ou resíduo sólido nos ralos de pias ou lavatórios;

·       Não lançar objetos nas bacias sanitárias e ralos, pois poderão entupir o sistema;

·       Não utilizar, para eventual desobstrução do esgoto, hastes, água quente, ácidos ou similares;

·       Banheiros, cozinhas e áreas de serviço sem utilização por longos períodos podem desencadear mau cheiro, em função da ausência de água nas bacias sanitárias sifonadas e sifões. Para eliminar esse problema, basta adicionar uma pequena quantidade de água;

·       A falta de uso prolongado dos mecanismos de descarga pode causar ressecamento de alguns componentes e acúmulo de sujeira, causando vazamentos ou mau funcionamento. Caso esses problemas sejam detectados, não mexer nas peças e acionar a assistência técnica do fabricante.

Limpeza e Conservação

·       Limpe a cada 2 meses os ralos e sifões das louças, tanques, lavatórios e pias do seu imóvel, retirando todo e qualquer material causador de entupimento (piaçava, panos, fósforos, cabelos etc.) e jogando água a fim de se manter o fecho hídrico nos ralos sifonados, evitando assim o mau cheiro proveniente da rede de esgoto.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Abrir e fechar completamente os registros para evitar emperramentos e mantendo-os em condições de manobraEquipe de manutenção local6 meses
Limpar e verificar a regulagem dos mecanismos de descargaEquipe de manutenção local6 meses
Verificar as tubulações de água servida, para detectar obstruções, perda de estanqueidade, sua fixação, reconstituindo sua integridade onde necessária.Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano
Limpeza da caixa de gorduraEmpresa capacitada/ empresa especializada6 meses ou quando necessário

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Tubos e suas conexões em prumadas/colunas que alimentam os ramais e sub-ramais, os reservatórios de água, as estações de tratamento de esgotos e de água, para a edificação excetuando-se os equipamentos industrializados como equipamentos de aquecimento de água, medidores, motobombas, filtros e outros equipamentos que integrem os sistemasRuptura/dessolidarização; perda da integridade do sistema; perda de estanqueidade5 anos
Ramais e sub-ramais de tubulações em ambientes internos e externosFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos
Engate flexível, sifão, válvulas, ralos e seus acabamentosFalhas dos produtos e instalação1 ano
Louças sanitárias (cerâmicas) – lavatórios, bacias sanitárias e caixas de descarga, tanques, banheiras e tanques de concreto ou de outros materiaisFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos
Motobombas, medidores, hidrômetros, e outros equipamentos do sistemaFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos

Casos de perda da garantia:

·       Danos decorrentes de limpeza inadequada (produtos químicos, solventes, abrasivos do tipo saponáceo, palha de aço, esponja dupla face) em acabamentos dos componentes nos metais sanitários;

·       Danos decorrentes de objetos estranhos no interior do equipamento ou nas tubulações que prejudiquem ou impossibilitem o seu funcionamento;

·       Danos decorrentes de quedas acidentais, mau uso, manuseio inadequado, instalações de equipamentos inadequados ao sistema;

·       Danos decorrentes por impacto ou perfurações em tubulações (aparentes, embutidas ou revestidas);

·       Uso incorreto dos equipamentos;

·       Manobras indevidas, com relação a registros, válvulas e bombas;

·       Reparos ou manutenções em equipamentos por pessoas não autorizadas pelo Serviço de Assistência Técnica;

·       Se constatada aplicação ou uso de peças não originais ou inadequadas, ou adaptação de peças adicionais sem autorização prévia do fabricante;

·       Se constatada falta de limpeza nos aeradores, provocando acúmulo de resíduos nos mesmos;

·       Se constatada falta de troca dos vedantes (courinhos) das torneiras;

·       Utilização de equipamentos em desacordo com as especificações de projeto ou deste Manual.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Tubulações de esgotoAmanco
RalosAmanco
Blocos de concreto da caixa de gorduraVogelsanger Artefatos de Concreto Ltda

Instalações de água pluvial / drenagem

Especificações Técnicas

A rede de drenagem está dimensionada de modo a coletar os volumes precipitados sobre o telhado e pátios externos pavimentados, e conduzir para o sistema de drenagem urbana. Fazem parte do sistema as calhas e rufos das coberturas em alumínio, tubulações de PVC da Amanco e dispositivos de drenagem como caixa de areia e caixa de inspeção em concreto pré-moldado.

A edificação não possui sistema de aproveitamento de água pluvial.

Uso e Operação

·   Não despejar resíduos sólidos ou outros objetos nos ralos, grelhas, boca de lobo, calhas ou outros componentes, pois poderão entupir o sistema.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar e limpar os ralos e grelhas de águas pluviais e calhasEquipe de manutenção local1 mês ou cada uma semana (épocas de chuvas intensas)
Verificar as tubulações de água para detectar obstruções, perda de estanqueidade e sua fixação. Recuperar sua integridade onde necessárioEquipe de manutenção local/empresa capacitada1 ano

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Tubos e suas conexões em prumadas/colunas que alimentam os ramais e sub-ramais, os reservatórios de água, as estações de tratamento de esgotos e de água, para a edificação excetuando-se os equipamentos industrializados como equipamentos de aquecimento de água, medidores, motobombas, filtros e outros equipamentos que integrem os sistemasRuptura/dessolidarização; perda da integridade do sistema; perda de estanqueidade5 anos
Ramais e sub-ramais de tubulações em ambientes internos e externosFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos
Engate flexível, sifão, válvulas, ralos e seus acabamentosFalhas dos produtos e instalação1 ano
Louças sanitárias (cerâmicas) – lavatórios, bacias sanitárias e caixas de descarga, tanques, banheiras e tanques de concreto ou de outros materiaisFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos
Motobombas, medidores, hidrômetros, e outros equipamentos do sistemaFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação3 anos

Casos de perda da garantia:

·       Danos decorrentes de limpeza inadequada (produtos químicos, solventes, abrasivos do tipo saponáceo, palha de aço, esponja dupla face) em acabamentos dos componentes nos metais sanitários;

·       Danos decorrentes de objetos estranhos no interior do equipamento ou nas tubulações que prejudiquem ou impossibilitem o seu funcionamento;

·       Danos decorrentes de quedas acidentais, mau uso, manuseio inadequado, instalações de equipamentos inadequados ao sistema;

·       Danos decorrentes por impacto ou perfurações em tubulações (aparentes, embutidas ou revestidas);

·       Uso incorreto dos equipamentos;

·       Manobras indevidas, com relação a registros, válvulas e bombas;

·       Reparos ou manutenções em equipamentos por pessoas não autorizadas pelo Serviço de Assistência Técnica;

·       Se constatada aplicação ou uso de peças não originais ou inadequadas, ou adaptação de peças adicionais sem autorização prévia do fabricante;

·       Se constatada falta de limpeza nos aeradores, provocando acúmulo de resíduos nos mesmos;

·       Se constatada falta de troca dos vedantes (courinhos) das torneiras;

·       Utilização de equipamentos em desacordo com as especificações de projeto ou deste Manual.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Tubulações de água pluvialAmanco
Calhas e rufosCalhas FF Finder Indústria e Comércio LTDA

Instalações de gás

Especificações Técnicas

As instalações do edifício foram dimensionadas para utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP).

Toda unidade autônoma é dotada de um ponto de gás na cozinha com registro de corte e medição individual, e ponto de aquecedor a gás conforme tabela abaixo:

ApartamentosLocalização do ponto para aquecedor a gásCapacidade dos aquecedores a gás
Final 01 e 04SacadaVazão 21 l/min
Potência máxima 460 Kcal/min
Final 02, 03 e 05Em cima da pia da churrasqueiraVazão 21 l/min
Potência máxima 460 Kcal/min
Observações importantes:Apartamentos que o aquecedor irá na sacada, indicamos o uso de aparelho para uso externo (Final 01 e 04).Ao adquirir equipamentos que utilizam gás combustível (forno, fogão, cooktop e aquecedor de água), certifique-se que o aparelho é adaptado para o uso de GLP.

A tubulação de gás é composta de tubo de cobre da central GLP até os medidores, e tubos multicamadas dos medidores até os pontos de consumo. O sistema possui ainda os seguintes componentes:

  • Registro Abre/Fecha – BM Reto – 1/2 NPT X 3/8 – Bico mamadeira – Acabamento Amarelo
  • Registro Bloqueio NPT 1/2 (M) x TM 3/8 fabricante Blukit
  • Regulador de 2º estágio Pressão de saída 2,8 Kpa -vazão 7kg/h de GLP fabricante Aliança, modelo 506/3, localizado no hall dos pavimentos
  • Medidor de gás G1.6 3/4″ 110mm, fabricante LAO, localizado no hall dos pavimentos

Os tanques para armazenamento de gás e as instalações para o funcionamento da central de gás são fornecidos em regime de comodato, com a empresa Nacional Gás, sendo de responsabilidade do condomínio a transferência do contrato após a entrega da obra. Será entregue a carga de teste, ficando a próxima carga também sob responsabilidade do condomínio.

Foi realizado teste de estanqueidade de acordo com as normas vigentes, e emitido laudo e ART, entregues ao condomínio.

Os apartamentos e o salão de festas possuem ainda grelhas para ventilação permanente dos ambientes. Estas aberturas de ventilação não podem ser fechadas, em nenhuma hipótese, por questões de segurança e atendimento às normas técnicas.

Uso e Operação

Ao utilizar equipamentos a gás, mantenha a janela aberta para ventilação. Nunca obstruir a abertura de ventilação permanente. A queima do gás combustível libera monóxido de carbono, e o seu acúmulo em ambientes fechados pode levar à morte.

·       Sempre que não houver utilização constante ou em caso de ausência superior a 3 dias do imóvel, manter os registros fechados;

·       Nunca efetue teste em equipamento, tubulação ou medidor de gás utilizando fósforo, isqueiros ou qualquer outro material inflamável ou emissor de chamas. É recomendado o uso de espuma, de sabão ou detergente;

·       Em caso de vazamentos de gás que não possam ser eliminados com o fechamento de um registro de gás, chamar a concessionária. Não acione interruptores ou equipamentos elétricos, ou celulares. Abra portas e janelas para ventilar e abandone o local;

·       Ler com atenção os manuais que acompanham os equipamentos a gás;

 Para execução de qualquer serviço de manutenção ou instalação de equipamentos a gás, contrate empresas especializadas ou profissionais habilitados.

 Utilize materiais (flexíveis, conexões etc.) adequados e de acordo com as respectivas normas.

 A mangueira para conexão do fogão deve ter no máximo 1,25 m de comprimento e ser de um dos seguintes tipos:

– PVC transparente trançado, com tarja amarela, impresso NBR 8.613, símbolo de conformidade reconhecido pelo Sistema Brasileiro de Certificação (INMETRO) e data de validade.

– Tubo flexível metálico para instalações de gás combustível de baixa pressão, deve ser identificado e trazer as seguintes informações: marca, data, mês e número do lote, NBR 14177, classe de operação, pressão máxima de operação 5 kPa, potência em kW/GLP.

·       Nunca encoste ou passe a mangueira por trás do fogão, chame a assistência técnica do fabricante e solicite a alteração da entrada da mangueira. O calor pode danificar o plástico da mangueira e provocar vazamentos;

·       Verificar o prazo de validade da mangueira de ligação da tubulação ao eletrodoméstico e trocar, quando necessário;

·       Nunca bloqueie os ambientes onde se situam os aparelhos a gás ou medidores. Não bloqueie as aberturas de ventilação permanente e evite o acúmulo de gás, que pode provocar explosão;

·       Não utilize a central GLP como depósito. Não armazene produtos inflamáveis, pois podem gerar risco de incêndio.

É terminantemente proibida a utilização de botijões de gás dentro dos apartamentos ou qualquer outra área do condomínio.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Conferir a estanqueidade da rede de gás que entra no apartamento, a partir do medidor (ver orientações abaixo)Equipe de manutenção local6 meses
Realizar teste de estanqueidade (verificar vazamentos) a partir da central de GLP até nos medidoresEmpresa especializada1 ano
Verificar o prazo de validade da mangueira de ligação do fogão, e substituir caso o prazo esteja vencidoEquipe de manutenção localValidade: 5 anos (ou conforme impresso na mangueira)
Verificar o prazo de validade do regulador de gás (localizado no hall do pavimento), e substituir caso o prazo esteja vencidoEquipe de manutenção local / empresa especializadaValidade: 5 anos
Verificar o prazo de validade do medidor (localizado no hall do pavimento), e substituir caso o prazo esteja vencidoEquipe de manutenção local / empresa especializadaValidade: 10 anos

Como conferir a estanqueidade da rede de gás do apartamento a partir do medidor:

1. Feche todos os pontos de consumo dentro do apartamento (fogão e aquecedor de água, se houver);

2. Vá ao seu medidor de gás (relógio), localizado no hall do andar e anote o valor registrado no mostrador e observe se ele está se movimentando: o registro na saída do medidor deve estar aberto;

3. Permaneça com a observação por pelo menos 60 minutos sem abrir os registros do apartamento: não havendo nenhuma movimentação no mostrador do medidor, o sistema está conforme. Havendo movimentação, ou dúvidas, evite utilizar os pontos de consumo e acione o síndico/a administradora/assistência técnica.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Prumadas ou colunas de gásFalhas dos produtos e de instalação quanto a estanqueidade5 anos
Ramais e sub-ramais de GLP incluindo tubulações, medidores, centrais, e demais componentes.Falhas dos produtos com instalação aparente1 ano
Falhas de produtos não acessíveis e da instalação3 anos

Casos de perda da garantia:

·       Se constatada a instalação inadequada de equipamentos, e equipamentos diferentes dos especificados no projeto e neste Manual;

·       Se constatada que a pressão utilizada está fora da especificada no projeto;

·       Se não forem realizadas as manutenções necessárias.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Medidores de gásLAO INDUSTRIA LTDA.
Tubulações de gás (multicamada)ASTRA S/A. INDUSTRIA E COMERCIO
Tubulações de gás (cobre)ACQUAFORT COM DE MAT DE CONST LTDA
Registros Blukit Metalurgica LTDA
Regulador de pressãoAcquafort Com. de Mat. de Constr.
Grelhas de ventilação permanenteDISTAK COMERCIO E INDUSTRIA LTDA

Sistema de prevenção e combate a incêndios

Especificações Técnicas

O sistema de prevenção e combate a incêndios do edifício é composto por:

  • Reserva técnica de água contra incêndio (reservatório superior RTI 5000l em cada caixa d’água);
  • Tubulações e conexões das instalações de incêndio em tubo de aço galvanizado na cor vermelha;
  • Sistema Abrigo Hidrante Simples com  Mangueira;
  • Hidrante de recalque de água, localizado no jardim frontal da edificação, próximo ao abrigo lixeiras;
  • Extintores de incêndio em todos os pavimentos do tipo Pó Químico;
  • Extintores de incêndio Tipo CO2 localizados no barrilete e no térreo próximo à cisterna;
  • Alarme de incêndio Audiovisual (central de alarme localizada no hall de acesso próximo ao elevador. Manual da central anexo ao Manual do Síndico);
  • Iluminação de emergência nas áreas comuns;
  • Sinalização das saídas de emergência;
  • Escada enclausurada e portas corta-fogo;
  • Toda a edificação está coberta com Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (pára-raios) aterrado.

Uso e Operação

Não modifique o sistema de combate a incêndio (equipamentos, tubulações e sinalizações)!

Instalações hidráulicas de combate a incêndio:

·       Não altere o volume de reservação do sistema de combate a incêndio;

·     Não utilize as mangueiras e o sistema dos hidrantes para qualquer finalidade que não seja o combate a incêndio;

·       Não efetuar testes das mangueiras utilizando água.

Iluminação de emergência e sinalização de saída:

·       Manter os equipamentos de iluminação de emergência permanentemente ligados às tomadas, para que a iluminação de emergência seja acionada automaticamente no caso de interrupção da energia elétrica;

·       Quando necessário trocar as lâmpadas das luminárias de emergência, utilizar lâmpadas com as mesmas potência e tensão (voltagem);

·       Não utilizar como depósito o local onde estão instalados os equipamentos, principalmente não armazenar produtos inflamáveis que possam gerar risco de incêndio;

·       Utilizar somente componentes ou equipamentos no sistema de iluminação de emergência que atendam aos critérios definidos na ABNT NBR 10898.

Portas corta-fogo:

·       As portas corta-fogo devem permanecer sempre fechadas, com auxílio do dispositivo de fechamento automático;

·       Uma vez aberta a porta, para fechar basta soltá-la. Não é recomendado empurrá-la para seu fechamento;

·       É terminantemente proibida a utilização de calços ou outros obstáculos que impeçam o livre fechamento da porta, podendo causar danos e comprometer a segurança dos ocupantes do edifício;

·       Não trancar as portas com cadeados ou trincos;

·       É vedada a utilização de pregos, parafusos e aberturas de orifícios na folha da porta, pois podem alterar suas características gerais, comprometendo o desempenho ao fogo;

·       Somente utilizar peças originais ou com desempenho de características comprovadamente equivalentes.

Extintores de incêndio:

·       Os extintores e o local de sua colocação, bem como sua sinalização; não devem ser alterados, pois foram determinados pelo projeto específico de combate a incêndios aprovado pelo Corpo de Bombeiros;

·       Os extintores de incêndio servem para um primeiro combate a pequenos incêndios. Para tanto é importante ler atentamente as instruções contidas no corpo do próprio equipamento, especialmente no que diz respeito às classes de incêndio.

Alarme de incêndio:

·   Existem botoeiras de alarme de incêndio (caixa vermelha com um botão no centro), posicionadas ao lado da caixa de hidrante, em todos os pavimentos. O alarme de incêndio é ativado com o acionamento do botão, disparando o alarme sonoro e piscando a luz. Em seguida, é transmitido um sinal para a sala de comando (central de alarme, localizado na guarita), informando o andar e o local onde o alarme foi acionado;

·       Não acionar o alarme a não ser em caso de emergência.

Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA):

·       Jamais se aproximar dos elementos que compõem o sistema de proteção de descargas atmosféricas e das áreas onde estão instalados durante chuva ou ameaça dela;

·       Todas as construções metálicas que forem acrescentadas à estrutura posteriormente à instalação original, tais como antenas e coberturas, deverão ser conectadas ao sistema de proteção de descargas atmosféricas e ajustado quanto à sua capacidade. Este ajuste deverá ser feito mediante análise técnica de um profissional qualificado contratado pelo cliente. Também deverá ser analisado o local de instalação, o qual deve estar dentro da área coberta pela proteção do SPDA.

Limpeza e Conservação

·       O conjunto porta corta-fogo e piso ao redor não deve ser lavado com água ou qualquer produto químico. A limpeza das superfícies pintadas deve ser feita com pano levemente umedecido em água e pano seco para que a superfície fique seca;

·       No piso ao redor da porta corta-fogo, não devem ser utilizados produtos químicos, como água sanitária, removedores e produtos ácidos, pois são agressivos à pintura e, consequentemente, ao aço que compõe o conjunto da porta.

Manutenção

A responsabilidade da manutenção do sistema de prevenção e combate a incêndios é do síndico, mas os moradores são co-responsáveis. A manutenção periódica desse sistema é muito importante para a segurança de todos. Por isso, as principais orientações de manutenção estão especificadas também aqui no Manual do Proprietário.Além da responsabilidade do síndico, é de grande importância que os moradores estejam atentos para que não haja a ausência dos equipamentos de combate a incêndio no prédio, mesmo para o caso de recargas periódicas.Fique sempre atento às condições das caixas de hidrantes (mangueiras), extintores, iluminação de emergências, rotas de fugas, sinalizações, laudos de inspeções periódicas etc.Além de ser fundamental para a segurança de todos os moradores, estes itens são exigidos pelas seguradoras de condomínios.Jamais permitir que sejam depositados móveis ou objetos nas escadas e rotas de fuga.

Instalações hidráulicas de combate a incêndio:

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar o nível dos reservatórios, o funcionamento das torneiras de boia e a chave de boia para controle do nívelEquipe de manutenção local1 semana
Verificar a estanqueidade do sistemaEquipe de manutenção local1 mês
Verificar estanqueidade dos registros de gavetaEquipe de manutenção local6 meses
Abrir e fechar completamente os registros dos subsolos e cobertura (barrilete) para evitar emperramentos e mantendo-os em condições de manobraEquipe de manutenção local6 meses

Mangueiras:

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Desconectar e desenrolar as mangueiras de incêndio para uma inspeção visual. Tornar a enrolar ou dobrar de forma que se acomodem sem vincos ou torções reconectando-as ao registroEquipe de manutenção local4 meses
Enviar para ensaio conforme preconiza a NBR 11861.Observação: em caso de sinistro onde as mangueiras tenham sido utilizadas, ou mesmo sem uso, tenham sido expostas à calor intenso as mesmas deverão ser enviadas para ensaio independente do prazo de validade.Empresa especializada5 anos
Ensaio de estanqueidadeEmpresa especializada1 ano

Iluminação de emergência e sinalização de saída:

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Efetuar teste de funcionamento dos sistemas, conforme instruções do fornecedorEquipe de manutenção local15 dias
Verificar se os fusíveis estão bem fixados ou queimados e, se necessário, efetuar reparosEquipe de manutenção local/empresa capacitada2 meses
Testar o sistema, desligando o disjuntor e deixando ocorrer o corte por mínimo de tensão, a fim de verificar se o tempo de autonomia é satisfatórioEmpresa capacitada/empresa especializada6 meses

Portas corta-fogo:

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar visualmente o fechamento das portas e, se necessário, solicitar o reparoEquipe de manutenção local1 mês
Aplicar óleo lubrificante nas dobradiças e maçanetas para garantir o seu perfeito funcionamentoEquipe de manutenção local3 meses
Verificar abertura e o fechamento a 45º. Se for necessário fazer regulagem, chamar empresa especializadaEquipe de manutenção local3 meses
Verificar as portas e, se necessário, realizar regulagens e ajustes necessáriosEmpresa capacitada/empresa especializada6 meses

Extintores de incêndio:

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificação: obstrução, lacre, manômetro, vazamentos, bicos e válvulasEquipe de manutenção local1 mês
Recarga dos Extintores – tipo Pó Químico SecoEmpresa especializadaSe não usado: 3 anos ou quando indicado no extintor Se houver diferença de peso que exceda 5%: 6 meses Após utilização, se despressurizado, material empedrado: Imediato
A programação das recargas dos extintores deve ser realizada de forma alternada. Ou seja, retirar os extintores em duas ou mais vezes, de forma que a edificação não fique sem extintores.

Sistema de proteção contra descargas atmosféricas (SPDA):

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar os dispositivos de proteção contra surtos (DPS), que, em caso de acionamento, desarmam para a proteção das instalações, sem que haja descontinuidade. É necessário acionamento manual, de modo a garantir a proteção no caso de novo incidente.Equipe de manutenção local1 mês
Inspecionar sua integridade e reconstituir o sistema de medição de resistência conforme legislação vigenteEmpresa especializada1 ano
Inspeções completas conforme norma ABNT NBR 5419.Empresa especializada 5 anos
  1. Garantia
Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Prumadas de sistema de combate a incêndio – incluindo comandos setoriaisFalhas de produtos e de instalação5 anos
Tubos e suas conexões em e em ramais e sub-ramaisFalhas de produtos e de instalação3 anos
Sistemas de extração e de detecção de fumaça, de alarme de incêndio, equipamentos para hidrantes, materiais e componentes de proteção passiva contra incêndio como fitas, anéis e pinturas intumescentes, sinalização de prevenção e combate a incêndioFalha dos produtos1 ano
Falha de instalação3 anos
Sistema de SPDA – Cabos, barramentos e componente de equipotencializaçãoFalha dos produtos1 ano
Falha de instalação3 anos
Portas corta-fogo  – Molas, dobradiças, barras antipânico ou maçanetasMau funcionamento, fixação e corrosão1 ano
Portas corta-fogo  – Folha da porta e marcos (batentes)Deformação, ruptura; dessolidarização3 anos

Casos de perda da garantia:

·       Se for feita qualquer mudança no sistema de instalação que altere suas características originais;

·       Danos decorrentes de objetos estranhos no interior dos equipamentos que prejudiquem ou impossibilitem o seu funcionamento ou nas tubulações;

·       Danos decorrentes de quedas acidentais, mau uso ou manuseio inadequado;

·       Instalação de equipamentos ou componentes inadequados ao sistema;

·       Danos decorrentes por impacto ou perfurações em tubulações (aparentes, embutidas ou requadradas);

·       Deformações nas portas corta-fogo oriundas de golpes, que venham a danificar trincos, folhas de portas e batentes, ocasionando ou não danos ao fechamento da porta como projetado e entregue

·       Uso incorreto dos equipamentos;

·       Manobras indevidas, com relação a registros, válvulas e bombas;

·       Reparos em equipamentos por pessoas não autorizadas pelo serviço de Assistência Técnica;

·       Se constatada aplicação ou uso de peças não originais ou inadequadas, ou adaptação de peças adicionais sem autorização prévia do fabricante;

·       Se constatado nos sistemas hidráulicos desregulagem da válvula redutora de pressão;

·       Se não forem realizadas as manutenções necessárias.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Sistema de prevenção e combate a incêndiosExtinchamas

Sistema de climatização

Especificações Técnicas

Foram entregues aparelhos de condicionamento de ar split no Salão de Festas e Academia, marca Philco, modelo PAC24000IFM9W Inverter 24.000 Btu/h 220V. O manual do equipamento encontra-se disponível na pasta de Anexos do Manual do Síndico.

Todos os apartamentos possuem, no layout padrão, pontos de espera para climatização do tipo Split High Wall nas salas e quartos, com infraestrutura pronta: caixa para instalação do equipamento, tubulação de drenos, tubulação de cobre de ligação entre a unidade interna e externa, e eletrodutos (sem fiação). A aquisição e instalação dos aparelhos e fiação da evaporadora a condensadora é de responsabilidade do proprietário/morador. Os locais para instalação dos equipamentos internos (evaporadoras) estão definidos no projeto de climatização disponibilizado na pasta dos apartamentos. 

As unidades externas (condensadoras) deverão ser instaladas nas lajes técnicas, apoiadas sobre calços de borracha. A instalação de mais de uma unidade condensadora requer que sejam observadas as distâncias mínimas estabelecidas em projeto, a fim de possibilitar a correta circulação de ar e o fácil acesso às conexões de interligação e as caixas elétricas das unidades.

Nos lavabos e banheiros dos apartamentos e das áreas comuns que não possuem janela foram instalados exaustores da marca Manplex, para ventilação forçada do ambiente.

Uso e Operação

·  Os equipamentos devem ser adquiridos e instalados de acordo com as especificações e orientações do projeto;

·     A instalação dos aparelhos deve ser realizada por empresa habilitada;

·   Não efetuar furações em lajes, vigas, pilares para a passagem de tubulações;

·    Para fixação e instalação dos componentes, considerar as características do local a ser instalado e os posicionamentos indicados em projeto.

·  Quando os aparelhos de ar condicionado estiverem em funcionamento, mantenha as portas e janelas do ambiente fechadas, para uma utilização mais eficiente.

 ·   Não obstruir as entradas e saídas de ventilação e dutos de ar.

 ·   Não obstruir ou perfurar os drenos do sistema de condicionamento de ar.

Limpeza e Conservação

Verificar as orientações de limpeza e conservação do fabricante dos equipamentos adquiridos, anexo ao Manual do Síndico.

Recomenda-se também seguir as orientações de limpeza do Art. 5º da Portaria nº 3.523, de 28 de agosto de 1998 do Ministério da Saúde:

  • manter limpos os componentes do sistema de climatização, tais como: bandejas, serpentinas, umidificadores, ventiladores e dutos, de forma a evitar a difusão ou multiplicação de agentes nocivos à saúde humana e manter a boa qualidade do ar interno.
  • utilizar, na limpeza dos componentes do sistema de climatização, produtos biodegradáveis devidamente registrados no Ministério da Saúde para esse fim.
  • descartar as sujidades sólidas, retiradas do sistema de climatização após a limpeza, acondicionadas em sacos de material resistente e porosidade adequada, para evitar o espalhamento de partículas inaláveis.
  • verificar periodicamente as condições físicas dos filtros e mantê-los em condições de operação. Promover a sua substituição quando necessário.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar todos os componentes do sistema e, caso seja detectada qualquer anomalia, providenciar reparos necessáriosEquipe de manutenção local1 mês
Realizar limpeza dos componentes, filtros e drenos mesmo em período de não utilização.Equipe de manutenção local1 mês ou menos (caso necessário)

Recomenda-se seguir as orientações da Portaria nº 3.523, de 28 de agosto de 1998 do Ministério da Saúde, disponível em https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt3523_28_08_1998.html. A Portaria apresenta como anexo  um modelo de  PLANO DE MANUTENÇÃO, OPERAÇÃO E CONTROLE – PMOC de sistemas de condicionamento de ar, e da norma ABNT NBR 13.971/2014 – Sistemas de refrigeração, condicionamento de ar, ventilação e aquecimento – Manutenção programada.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Infraestrutura do sistemaFalhas de produtos 1 ano
Falhas de instalação da Infraestrutura3 anos
Equipamentos e acessóriosFalhas dos produtos e de instalação1 ano

Casos de perda da garantia:

·       Se for evidenciada alteração na rede de infraestrutura;

·       Se forem instalados equipamentos em desacordo com o projeto e com as orientações deste Manual.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Infraestrutura para sistema de condicionamento de arBaraúna AcquaFort Mão de obra

Elevadores

Especificações Técnicas

A edificação possui 01 elevador com as seguintes especificações técnicas:

Especificações do Elevador
MarcaOtis
Número do equipamento37NTG397
Capacidade9 passageiros (675 kg)

Uso e Operação

·       Apertar os botões apenas uma vez;

·       Colocar acolchoado de proteção na cabine para o transporte de cargas volumosas, especialmente durante mudanças, reformas ou recebimento de materiais;

·       Em caso de falta de energia ou parada repentina do elevador, solicitar auxílio externo por meio do interfone ou alarme, sem tentar sair sozinho do elevador;

·       Em casos de existência de ruídos e vibrações anormais, comunicar o zelador/gerente predial ou síndico;

·       Evitar acúmulo de água, líquidos ou óleo no poço do elevador;

·       Evitar escorrer água para dentro da caixa de corrida/ poço do elevador;

·       Não atirar lixo no poço e nos vãos do elevador, pois prejudica as peças que estão na caixa do equipamento, causando danos e mau funcionamento do sistema;

·       Evitar pulos ou movimentos bruscos dentro da cabine;

·       Evitar sobrepeso de carga e/ou número máximo de passageiros permitidos indicados na placa no interior da cabine;

·       Jamais obstruir a ventilação da casa de máquinas, nem a utilizar como depósito;

·       Jamais tentar retirar passageiros da cabine quando o elevador parar entre pavimentos, pois há grandes riscos de ocorrerem sérios acidentes; chamar sempre a empresa de manutenção ou o Corpo de Bombeiros;

·       Jamais utilizar os elevadores em caso de incêndio;

·       Não permitir que crianças brinquem ou trafeguem sozinhas nos elevadores;

·       Não retirar ou danificar a comunicação visual de segurança fixada nos batentes dos elevadores;

·       Não utilizar indevidamente o alarme e o interfone, pois são equipamentos de segurança;

·       Nunca entrar no elevador caso a luz esteja apagada;

·       Observar o degrau formado entre o piso do pavimento e o piso do elevador.

Limpeza e Conservação

·       Efetuar limpeza dos painéis sem utilizar materiais abrasivos como palha de aço, sapólio etc.;

·       Evitar o uso de água para a limpeza das portas e cabines, utilizar flanela macia ou estopa, levemente umedecida com produto não abrasivo, adequado para o tipo de acabamento da cabine;

·       Evitar o uso de produtos químicos sobre partes plásticas para não causar descoloração.

Manutenção

A manutenção, conservação e assistência técnica é realizada pela Otis Elevadores. O empreendimento possui um contrato de manutenção por 12 meses com a construtora (anexo ao Manual do Síndico) Após este período, deve ser efetuado um novo contrato com o condomínio.

No período de 24 meses do contrato com a construtora, em caso de ocorrências ou emergências com o elevador, entrar em contato diretamente com a Otis.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Infraestrutura, componentes e equipamento do elevadorFalhas dos produtos1 ano
Falhas de instalação1 ano

 Casos de perda da garantia:

·  Defeitos oriundos de desgaste normal, negligência, uso inapropriado, deficiência de energia elétrica ou condições anormais de ambiente, tais como: sol direto, chuva, excesso de umidade ou poeira, temperatura excessiva, gases corrosivos etc.

·   Se for constatado que o equipamento sofreu danos por qualquer motivo e/ou acidentes causados pelo seu uso incorreto;

·   Se os elevadores forem utilizados em desconformidade com o fim específico para o qual foi projetado;

· Caso terceiros não autorizados pelo fabricante tenham acesso aos equipamentos;

·   Na hipótese do elevador ser entregue a assistência técnica não autorizada pelo fabricante;

·   Se for constatado o uso irregular, no equipamento, de materiais e/ou peças de origem desconhecida;

·   Quando o destinatário final não seguir as recomendações do fabricante para uso e funcionamento correto do elevador constantes em catálogo.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
ElevadorSeral Otis Indústria Metalúrgica LTDA

Churrasqueiras e fornos

Especificações Técnicas

Cada apartamento possui uma churrasqueira de bloco modular pré fabricado da marca JP Solution, a carvão, com dumper de exaustão mecânica acionada com pulsador em cada apartamento.

Na área de lazer do condomínio foram entregues:

  • Churrasqueira moldada in loco de alvenaria, com aquecimento a carvão, com chaminé (exaustão natural)
  • Forno iglu de pizza pré fabricado de concreto da marca Edson Laurindo ME,
  • Fogão a lenha com Chapa de Ferro Edson Laurindo ME, base do fogão a lenha moldada in loco, material alvenaria.

Uso e Operação

  • Na primeira utilização do sistema deverá ser realizado um pré-aquecimento controlado, conforme orientações abaixo:

1. O pré-aquecimento deve ser realizado de forma criteriosa, pois é esta etapa que finaliza o processo de “cura” das peças.

2. Os primeiros acendimentos devem ser de forma crescente, iniciando-se com a queima de uma pequena quantidade de carvão, até que se extinga. Esperar esfriar a área de queima e realizar o processo mais uma vez. Ou utilize uma pequena lata de álcool, colocada no fundo do braseiro, e acesa em média 3 a 4 vezes ao dia, deixando queimar todo o álcool. Esse processo deve ser realizado durante 2 dias.

3. Após esta etapa, reinicie os acendimentos com carvão, aumentando a quantidade gradativamente por mais 2 dias.

4. Para complementar o sistema de exaustão, acionar os exaustores na botoeira  antes do acendimento do fogo.

  • Evitar choques térmicos em peças e revestimentos, pois poderão ocasionar desprendimento e fissura das peças;
  • Acionar o dumper (portinhola na chaminé), abrindo totalmente, antes de iniciar o acendimento. Fechar após o seu uso (após ajuste da temperatura do local);
  • Não utilizar produtos derivados de petróleo (gasolina, querosene, óleo diesel, solventes) para o acendimento;
  • Para uso deve ser colocada uma quantidade razoável de carvão (aproximadamente 1/3 do braseiro). Não é necessário enchê-lo;
  • É aconselhável a queima de 2 a 3 folhas de jornal ou similar para o pré-aquecimento da chaminé, sendo que ela contém ar frio que dificulta o início da exaustão e no momento do acendimento até aquecimento do sistema pode haver retorno de fumaça;
  • Nunca use água para reduzir ou apagar o fogo, pois o choque térmico pode danificar as peças. Deixe o fogo se extinguir naturalmente;
  • Não obstruir as entradas e saídas de ventilação e dutos de ar;
  • Somente utilizar peças originais ou com desempenho de características comprovadamente equivalentes.

Limpeza e Conservação

·  As gavetas de cinzas devem ser esvaziadas e limpas após a utilização. Devem, ainda, ser armazenadas de cabeça para baixo, para evitar o acúmulo de água;

·   Os revestimentos refratários não deverão ser lavados, a fim de evitar o desprendimento e a fissura das peças;

·    Limpar os ambientes ao término do uso;

·  Faça a limpeza com uma pequena vassoura ou pano úmido, com a churrasqueira fria. Nunca utilize água.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Fazer limpeza geralEquipe de manutenção local1 semana
Verificar os revestimentos, tijolos refratários e, havendo necessidade, providenciar reparos necessáriosEquipe de manutenção local/ empresa capacitada6 meses
Realizar a manutenção dos ventiladores que compõem os sistemas de exaustãoEmpresa especializada6 meses

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Equipamento de sistema de exaustão, “dampers” e churrasqueiraFalha de produto/falha de instalação1 ano
DutosPerda de Integridade3 anos
Churrasqueiras e fornosDefeitos na fabricação1 ano

Casos de perda da garantia:

·       Utilização incompatível com o uso especificado;

·       Não atendimento às prescrições de cuidados de uso.

Variações admissíveis

·  As churrasqueiras possuem placas refratárias colocadas internamente no fundo do braseiro, também confeccionadas em material refratário, aumentando ainda mais seu rendimento térmico e, consequentemente, reduzindo o consumo de carvão. Estas placas são livres para permitir a dilatação delas, porém é possível apresentarem pequenas fissuras ou trincas em virtude da dilatação térmica, não atrapalhando em nada o funcionamento delas.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Churrasqueira modularJP Solutions
ExaustorFeuser
Forno a lenha e forno de pizzaEdson Laurindo ME

Lareira a álcool

Especificações Técnicas

Na área de lazer do pavimento térreo foi instalado um Kit lareira ecológica e champanheira 2×1 de 60cm a álcool com queimador, marca Ecosul.

Uso e Operação

  • Processo de abastecimento:
    • Abasteça o reservatório deixando aproximadamente até a borda.
    • Usar álcool de cereais ou etílico (etanol) com graduação entre 92 e 96 GL.
    • Não utilize álcool em gel e gel acendedor.
  • Caso ocorra o derramamento de álcool fora do reservatório, limpe com um pano umedecido e água
  • Nunca deixe o frasco de álcool utilizado perto do queimador ou no alcance de crianças.

Limpeza e Conservação

  • Após o uso do queimador, deve-se aguardar o resfriamento completo. Sugere-se deixar o item sem uso por duas horas para efetuar a limpeza.
  • Usar pano macio umedecido em água.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Lareira a gásDefeitos na fabricação1 ano

Casos de perda da garantia:

·   Má utilização do produto

·   Não abrange escurecimento  e manchas do inox pela chama

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Kit lareira ecológica a álcool e champanheiraECOSUL METAIS

Piscina

Especificações Técnicas

O condomínio possui uma piscina externa no pavimento térreo. A piscina é feita em alvenaria e revestida com pastilhas da marca Eliane, modelo OXY BLUE MESH MA, dimensão 7,5×7,5 cm e argamassa para pastilhas de piscinas e fachadas Ceramfix cor grafite.

O tratamento da água é feito com cloro. A tabela a seguir apresenta as especificações dos equipamentos e acessórios que compõem a piscina (nota fiscal anexa ao Manual do Síndico). 

ItemFabricante / Modelo
Filtro sem areiaSodramar FM 36
Motobomba com pré-filtro Sodramar BM 33 – 1/3 CV monofásica
MotobombaNetuno BAS 025 – 1/3 CV
Aquecedor (Bomba de Calor)Fromtherm FT 40 220V Mono com painel
Demais acessórios (Escada, escova, aspirador e cata folhas)Sodramar

Uso e Operação

– Utilizar trajes de banhos apropriados.

– Evitar uso de protetor solar,  bronzeadores, cremes corporais etc..

– Não consumir bebidas, comidas ou qualquer outro alimento que possa contaminar ou prejudicar a qualidade da água.

– Não urinar na piscina, crianças não entrar de fralda.

– Indispensável o uso da ducha antes de entrar na piscina para tirar excessos de resíduos corporais.

– Crianças devem estar sempre acompanhadas de um adulto responsável na área da piscina

·   Não utilizar produtos químicos que possam causar manchas no revestimento, no rejuntamento e danificar tubulações e equipamentos;

·       Não jogar resíduos ou partículas que possam danificar ou entupir o sistema;

·       Não obstruir a ventilação do motor;

·       Não obstruir as saídas dos jatos de água;

·       Não obstruir as entradas de ar;

·       De modo a evitar acidentes, recomenda-se atenção ao se aproximarem dos dispositivos de sucção. Cuidado principalmente com as crianças;

·       Manter os ambientes com sinalização de advertências de riscos, proteções e equipamentos de segurança necessários.

Limpeza e Conservação

·       Nunca usar palha de aço, esponja ou produtos de limpeza abrasivos, ácidos ou cáusticos.

·  Deve ser realizada semanalmente a aspiração, escovação paredes e limpeza de bordas.

Manutenção

Os serviços de manutenção da piscina devem ser realizados por empresa especializada, a ser contratada pelo condomínio. Deve-se estabelecer um programa de manutenção periódica da piscina, que inclui:

  • Tratamento químico: Seguir parâmetros de cloro, PH, alcalinidade e dureza cálcica.
  • Filtro / Motobomba:
    • Limpeza do conjunto filtro e pré-filtro semanalmente.
    • Manutenção Preventiva anual motobomba.
    • Tempo de filtragem compatível com volume piscina.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Piscina (tanque)Perda de estanqueidade5 anos
RevestimentosDessolidarização3 anos
Rejuntamento e juntas de sistemas de componentes de pisoDesgaste; dessolidarização1 ano
Instalações hidráulicasFalhas dos produtos e de instalação1 ano
Filtros e bombasFalhas dos produtos e de instalação1 ano
Acessórios como escadas e barras de apoioFalhas dos produtos e de instalação3 anos

Casos de perda da garantia:

·       Danos decorrentes de objetos estranhos no interior do equipamento ou nas tubulações que prejudiquem ou impossibilitem o seu funcionamento;

·       Danos decorrentes de quedas acidentais, mau uso, manuseio inadequado, instalações de equipamentos inadequados ao sistema;

·       Danos decorrentes por impacto ou perfurações em tubulações (aparentes, embutidas ou revestidas);

·       Uso incorreto dos equipamentos;

·       Manobras indevidas, com relação a registros, válvulas e bombas;

·       Reparos em equipamentos por pessoas não autorizadas pelo Serviço de Assistência Técnica;

·       Se constatada aplicação ou uso de peças não originais ou inadequadas, ou adaptação de peças adicionais sem autorização prévia do fabricante;

·   Utilização de equipamentos em desacordo com as especificações de projeto ou deste Manual.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Escada, bombas e filtrosJato D’Água Banheiras e Piscinas LTDA
Pastilhas piscinaEliane S/A – Revestimentos Cerâmicos
ArgamassaCeramfix Ind. Com de Argamassas e Rejuntes Ltda

Deck de madeira

Especificações Técnicas

Ao redor da piscina foi instalado deck de madeira Sucupira com aplicação de verniz Cetol.

Uso e Operação

·       As áreas de deck de madeira não deverão acumular água;

·       Se derrubar algum tipo de produto que possa prejudicar o revestimento, limpar imediatamente;

·       Não arrastar móveis, equipamentos ou materiais pesados, para que não haja desgaste excessivo ou danos à superfície do revestimento;

·       O contato dos revestimentos com graxas, óleo, massa de vidro, tinta, vasos de planta poderá causar danos à superfície;

·       Evitar a queda de objetos pontiagudos. Alguns tipos de saltos de sapatos também podem danificar o piso.

Limpeza e Conservação

Limpar os revestimentos somente com produtos apropriados para este material

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
A camada protetora da madeira (verniz, selante etc.) deverá ser revisada e se necessária removida e refeita de modo a retornar o desempenho inicialmente planejado para o sistema.Equipe de manutenção local/empresa capacitada1 ano
Verificar a integridade e reconstituir, onde necessário.Equipe de manutenção local/empresa capacitada1 ano

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Camada de revestimento/acabamento e sua fixaçãoDessolidarização, empenamento, ruptura, desgaste, deterioração por umidade1 ano

Casos de perda da garantia:

·       Se não for mantida a proteção da madeira de forma adequada.

Variações admissíveis

A incidência de raios solares diretamente sobre o revestimento pode ocasionar perda de brilho, ressecamento da madeira, trincas e outros danos. Nas áreas onde não houver incidência de raios solares ou onde houver diferença de intensidade, poderá ocorrer diferença na coloração do revestimento.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Deck de madeiraElvis Hardt Instalações e Serviços LTDA

Paisagismo e jardins

Especificações Técnicas

Foram entregues jardins no pavimento térreo, com as seguintes plantas:

  • Alpinia Zerumbete
  • Pleomele Verde
  • Ravenala
  • Alpinias
  • Íris
  • Espada de São Jorge
  • Capim do Texas rubro
  • Heras
  • Tumbérgia (floreira)
  • Costela de Adão (floreira)

Uso e Operação

·       Não trocar nem incluir vegetação nos jardins sem que seja realizada prévia consulta ao projetista (paisagista). Isso pode causar danos ao sistema;

·       Não transitar sobre os jardins, a não ser durante sua manutenção;

·       Ao regar, não usar jato forte de água diretamente nas plantas;

·   Utilizar somente componentes originais ou com desempenho de características comprovadamente equivalente;

·       Sempre que necessário e de acordo com a empresa capacitada para realização da manutenção dos jardins, incorporar matéria orgânica ao solo.

Limpeza e Conservação

·       Manter a área dos jardins sempre limpa, livre de lixo e de restos de vegetação morta.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Regar as plantas, observando sempre para que o solo se mantenha úmido (nem seco, nem encharcado).Equipe de manutenção local2 vezes por semana
Realizar podas das plantas, apenas retirando galhos em excesso Equipe de manutenção local/jardineiro qualificadoSempre que necessário
Adubar as plantas. Recomenda-se 3 colheres (sopa) de adubo NPK ou similar, para floreira.Equipe de manutenção local60 dias
Pulverização com fungicida e inseticida para que as plantas se mantenham sadias e protegidas de pragas.Equipe de manutenção local60 dias
Cortar a gramaEquipe de manutenção local/jardineiro qualificado45 dias ou sempre que atingir 5 cm de altura

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
JardinsNatuville

Cobertura

Especificações Técnicas

O telhado de cobertura do edifício é composto de telhas de fibrocimento 6mm onduladas Imbralit, sem amianto, sobre estrutura metálica. Sobre as garagens do 1º pavimento há uma estrutura metálica galvanizada a fogo e telha metálica pintada nas duas faces branco.

O telhado é envolvido por contorno de platibandas de alvenaria. As calhas são em chapa de alumínio. As partes de telhado que ficam junto às paredes são arrematadas com rufos de chapas de alumínio.

No perímetro da edificação, foram instalados 45 pontos de ancoragem pela empresa FTC Engenharia para realização de trabalhos de manutenção nas fachadas, atendendo às normas técnicas vigentes relativas a sistemas de ancoragem, proteção contra quedas e trabalho em altura, cujo laudo é entregue com o Manual do Síndico.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar a integridade das calhas e telhas e, se necessário, efetuar limpeza e reparos para garantir a funcionalidade quando necessário. Em épocas de chuvas fortes, é recomendada a inspeção das calhas semanalmenteEquipe de manutenção local/ empresa capacitada6 meses
Verificar a integridade estrutural dos componentes, vedações, fixações, e reconstituir e tratar onde necessário.Empresa capacitada/ empresa especializada1 ano

Os trabalhos em altura demandam cuidados especiais de segurança. Somente pessoas treinadas tecnicamente e sob segurança deverão transitar sobre a cobertura.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Telhamento de qualquer tipo e suas fixaçõesDessolidarização ou ruptura3 anos
Deformações e permeabilidade além dos limites das normas1 ano
Perda de estanqueidade1 ano
Rufos e calhasFalha de fixação e perda de estanqueidade1 ano
EstruturaFalhas que afetem a segurança e não sejam decorrentes de uso em desacordo com o projeto e instruções fornecidas pelo construtor e/ou falta de realização de atividades de conservação e manutenção de acordo com o manual de uso, operação e manutenção das edificações ou instruções específicas.5 anos

Casos de perda da garantia:

·       Se não forem tomados os devidos cuidados de uso ou não for feita a manutenção preventiva necessária;

·       Em caso de eventos meteorológicos de magnitude não prevista nos cálculos de dimensionamento da cobertura (vendavais, fortes tempestades etc.).

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Telha de fibrocimentoImbralit
Telha metálicaBKR Estruturas Metálicas
Rufos e calhas Calhas FF Finder Indústria e Comércio
Estrutura metálica da coberturaBKR Estruturas Metálicas
Pontos de ancoragemFTC Engenharia

Móveis e eletrodomésticos

Especificações Técnicas

As áreas comuns foram entregues com os seguintes móveis e equipamentos:

EquipamentoMarca/Modelo
Forno elétrico de embutir 84LConsul COB84AR
Forno microondas 32L cinzaConsul CMS46AR
Cooktop a gás 5 bocas pretoConsul CDD75AE
Refrigerador 1 porta 342L 220VConsul CRB39AK
SmartTVSamsung 50” UHD 4K LED 50CU7700
MóveisESPREGUIÇADEIRA 205×75 SIMPLES COM COLCHONETE FUSION TECIDO 251 LINEN MIX ALUMÍNIO 35 MARFIN
BANCO SPOOL SUPERIOR CORDA 85 – INFERIOR CORSA 88
BALANÇO PÊNDULO BLUEBERRY CORDA 113 – ALUMÍNIO 55 BLUEBERRY
CAPA ESPREGUIÇADEIRA 205×75 SIMPLES FUSION
mesa lia alumínio grafite tampo ripado c/ furo
cadeira panama aluminio tubular azul e corda náutica azul marinho
ombrelone ventura alumínio branco e tecido branco com base 25kg branca
Banqueta Marina fixa aço inox assento estofado couro sintético caramelo 420009 
Cadeira megan estrutura madeira tingida bege cru tec I
cadeira panama sem braços aluminio tubular branca e corda nautica branca
Mesa maua alumínio e corda azul na base e tampo madeira cumaru piazzo

Uso e Operação

·       Evitar incidência direta de raios solares sobre os móveis, pois podem alterar as suas características e a cor original;

·       Não coloque peso excessivo sobre os móveis e nunca se apoie sobre as portas, pois poderá ocasionar seu desregulamento ou deslocamento;

·       Não se apoie sobre as gavetas para alcançar as partes superiores. Deve-se ter atenção com as crianças, que, geralmente, utilizam as gavetas abertas como “escadas” para subirem nos balcões;

·       Não estenda panos úmidos ou molhados sobre os móveis, pois, ao longo do tempo, a umidade poderá causar danos permanentes;

·       Não utilize instrumentos de corte sobre os móveis. O revestimento pode ser riscado e danificado permanentemente;

·       Evite o contato de tinta (canetas em geral) nos revestimentos dos armários e tampos, pois podem causar manchas. Utilize porta-canetas e anteparos para guardar esses materiais;

·       Sempre mantenha os móveis livres de umidade. Utilize vedantes de silicone para vedar a junção dos tampos e pias com o revestimento das paredes. Verifique as instalações hidráulicas periodicamente, a fim de evitar vazamentos;

·       Verifique as orientações dos manuais dos eletrodomésticos, que serão entregues ao condomínio (ver Anexos deste Manual).

Limpeza e Conservação

·       Ao escolher os produtos de limpeza, sempre verifique a sua composição química, a fim de identificar sua compatibilidade com os materiais dos móveis e acessórios.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Móveis e eletrodomésticosFalhas dos produtos1 ano

Casos de perda da garantia:

Não atendimento às prescrições de cuidados de uso.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
EletrodomésticosWhirpool S.AMagazine Luiza
MóveisSulvimes Comércio de Movéis e Decorações – EireliCMT INDUSTRIA E COMERCIO DE MOVEIS LTDA

Bicicletas compartilhadas

Especificações Técnicas

O condomínio foi entregue com quatro bicicletas de uso compartilhado, modelo  BLITZ COMODO 700-CINZA CHUMBO-21V.

Uso e Operação

Cada proprietário recebeu um cartão que permitirá liberar a trava da bicicleta ou patinete seguindo os passos abaixo (mesmo cartão do carrinho de compras):

 ·   Inserir o cartão na entrada lateral da trava

·   A trava liberará a corrente, e o cartão ficará preso identificando o morador,

·   Ao devolver a bicicleta ou patinete, inserir novamente a corrente para poder liberar o cartão.

Devolver ao local logo após o uso. Qualquer dano causado pelo mau uso é responsabilidade do usuário sob pena de multa.

Limpeza e Conservação

Manter a bicicleta sempre limpa é a melhor maneira de conservá-la por mais tempo. Realize a limpeza uma vez por semana com um pano seco para retirar a sujeira e os resíduos de todos seus componentes.

Manutenção

UTILIZE LUBRIFICANTES: Depois de secar a bike, lubrifique com óleo os componentes móveis da bicicleta, como a catraca de marchas, a corrente, os pedais e os rolamentos na parte externa para evitar a oxidação. Jamais utilize querosene, óleo de cozinha ou algum tipo de solvente para fazer isso (e tome cuidado para não exagerar na quantidade de lubrificante).

 FAÇA AJUSTES REGULARMENTE: Guidão, câmbios, selim, sapatas de freio e parafusos desregulados podem provocar acidentes sérios, causar desconforto durante o pedal e apressar o desgaste de diversos componentes da bicicleta, reduzindo a vida útil de seu equipamento.

LEVE A BICICLETA PARA UM CHECK-UP: Fique atento a barulhos estranhos e trepidações diferentes para identificar qualquer tipo de anormalidade na bicicleta e, se necessário, leve-a para uma oficina especializada. faça a revisão periódica completa em uma oficina de confiança para garantir o funcionamento adequado e aumentar a durabilidade do equipamento.

Fonte: http://blog.bikeregistrada.com.br/conheca-6-cuidados-para-conservar-sua-bicicleta/. Acesso em novembro/2019.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
BicicletaFalhas dos produtos1 ano

Casos de perda da garantia:

Não atendimento às prescrições de cuidados de uso.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
BicicletaBlitz

Carrinhos de compras

Especificações Técnicas

O condomínio foi entregue com 2 carrinhos de compras, localizados 1 em cada pavimento de garagem. 

Uso e Operação

Cada proprietário recebeu um cartão que permitirá liberar a trava do carrinho, seguindo os passos abaixo:

 ·   Inserir o cartão na entrada lateral da trava

·   A trava liberará a corrente, e o cartão ficará preso identificando o morador,

·   Ao devolver o carrinho, inserir novamente a corrente para poder liberar o cartão.

Devolver ao local logo após o uso. Qualquer dano causado pelo mau uso é responsabilidade do usuário sob pena de multa.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Carrinho de comprasFalhas dos produtos1 ano

Casos de perda da garantia:

Não atendimento às prescrições de cuidados de uso.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Carrinhos de comprasPrédio New
Cartão  Prédio New

Academia

Especificações Técnicas

A academia do condomínio foi entregue equipada com:

  • Esteira Speedo Tr6 V2 com inclinação eletrônica 220V
  • Bicicleta Vertical Magnética 
  • Cross Over Angular / Funcional
  • Banco Reclinável – Starke Ex
  • Torre p/ 20 Halteres
  • Barra 1,50 Mts c/ Grampos
  • Halteres Emborrachados Liso Bola, 1 a 10 kg (2 de cada peso)
  • Anilha Vazada Emborrachada Lisa Furo Padrão 2, 5 e 10 kg (2 de cada peso)
  • Suporte de Anilhas e Barra Oblonga
  • Espaldar de aço
  • Triângulo 20 cm cromado com giro 

Uso e Operação

  • Ao utilizar a academia, não jogar os pesos
  • Não utilizar o equipamento de som com volume alto
  • Altura e peso máximos do usuário para bicicleta ergométrica: 120 kg e 2,00 m
  • Peso máximo do usuário da esteira: 150 kg
  • Não trabalhe no limite máximo do seu equipamento, evitando um desgaste precoce. Ao escolher seu equipamento, sempre leve em consideração uma margem entre seu peso e o peso limite do equipamento (cerca de 20%).

Limpeza e Conservação

O foco da limpeza de academia deve ser manter o local limpo e livre de suor. Pensando nisso, use produtos com agentes oxidantes e de ação clareadora. Já na limpeza geral, misture uma medida de alvejante para 10 de água e borrife sobre as superfícies, com o auxílio de um pano. Para finalizar, produtos de ação antibacteriana irão auxiliar a remover resíduos.

Deixe álcool 70% sempre à disposição dos condôminos que frequentam a academia. Ele pode ser usado nos aparelhos que ficam em contato com o corpo das pessoas. É recomendado que o álcool seja aplicado em um papel toalha.

Use produtos antibacterianos para desinfetar os pisos, que costumam ter uma grande exposição ao suor.

Os colchonetes precisam de bastante atenção. O  ideal é que eles sejam limpos com uma solução antibacteriana ou álcool e um pano, após cada uso. Além disso, eles não devem ser guardados imediatamente após a limpeza.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Bicicleta (garantia do fabricante)Estrutura do equipamento2 anos
Demais partes (exceto peças de desgaste natural)1 ano
Peças de desgaste natural3 meses
Esteira (garantia do fabricante)Estrutura e motor2 anos
Demais partes (exceto peças de desgaste natural)1 ano

Casos de perda da garantia:

Não atendimento às prescrições de cuidados de uso.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
Equipamentos AcademiaCasa do Fitness

Playground

Especificações Técnicas

O playground do condomínio foi entregue equipado com 1 parque em madeira plástica do fabricante Brubrinq, modelo ME-107.

Uso e Operação

• Não deixar que crianças brinquem sem a supervisão de um adulto;

• Evitar esforços em desacordo com o uso específico dos equipamentos

• Os brinquedos deverão ser utilizados em conformidade com as restrições de uso quanto à faixa etária, ao peso, a altura de usuários etc., conforme orientação do fabricante.

Limpeza e Conservação

A limpeza pode ser feita com itens simples do dia a dia, porém produtos químicos muito fortes devem ser evitados, pois podem causar alergias às crianças. A higienização pode ser feita com água e sabão, finalizando com álcool e, em seguida, um pano seco.

Manutenção

AtividadeResponsávelPeriodicidade
Verificar a integridade dos brinquedos e se as peças de encaixe e/ou aparafusadas, correntes e dispositivos de fixação estão em bom estado, com os parafusos de fixação bem apertados, sem ferrugem e em funcionamento. Verificar se o brinquedo não apresenta rachaduras, peças soltas, entre outros.Equipe de manutenção local/ empresa capacitada1 mês
Os brinquedos devem ser cuidados para que as partes metálicas não oxidem. Havendo oxidação, deverão ser tratadosEmpresa capacitada/ empresa especializada1 ano

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
PlaygroundFalhas dos produtos ou instalação1 ano

Casos de perda da garantia:

  • Não atendimento às prescrições de cuidados de uso;
  • Se não for realizada a manutenção;
  • Peças que apresentem desgaste natural pelo tempo ou uso.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
PlaygroundBRUBRINQ INDUSTRIA E COMERCIO DEBRINQUEDOS LTDA

Ferramentas compartilhadas

Especificações Técnicas

O empreendimento foi entregue com as seguintes ferramentas para uso compartilhado dos moradores:

  • Parafusadeira a bateria
  • Furadeira
  • Jogo de chaves hexagonais longas
  • Estilete profissional
  • Extensão cabide 
  • Chaves de fenda
  • Espátulas flexíveis
  • Chave teste
  • Martelo de linha
  • Alicate pressão mord. triangular
  • Jogo de brocas
  • Nível de plástico
  • Esquadro 25cm
  • Balde para argamassa
  • Kit de ferramentas

Uso e Operação

A chave do armário de ferramentas fica no quadro de chaves do condomínio. Devolver as ferramentas para o armário e a chave para o quadro após o uso.

Limpeza e Conservação

Limpe as ferramentas imediatamente após o seu uso.

Quando em uso, as ferramentas podem entrar em contato com materiais que podem causar oxidação, resultando em ferrugem e outros danos. Por isso, crie o hábito de esterilizar as ferramentas após o uso. Esta cautela ajudará a manter o material bem conservado e com aparência de novo.  

Ferramentas manuais, como martelos, chaves de fenda, alicates e outras ferramentas de metal, devem ser limpas de acordo com as instruções do fabricante, geralmente com sabão neutro. Depois seque com um pano seco para evitar umidade e que resíduos permaneçam nas peças.

Para a conservação das ferramentas elétricas, não esqueça de tirá-las da tomada antes de realizar a limpeza, e use uma escova ou pincel fino para remover resíduos da entrada e saída de ar.

Para evitar o desgaste e deterioração do material, além da limpeza após o uso, algumas ferramentas precisam ser lubrificadas com óleo anticorrosivo, essencial para evitar a ferrugem. Para fazer isso, aplique um pouco de óleo na ferramenta com um pincel. Em seguida, deixe o produto agir por alguns minutos – confira as instruções do fabricante – e retire o excesso com um pano.

Além deste produto, existem os lubrificantes. O multiuso WD-40®, por exemplo, é ideal para afrouxar parafusos e destravar mecanismos, protege painéis a engrenagens, não corrói nenhum tipo de material e funciona em qualquer superfície. O uso de lubrificantes é importante porque:

  • Os sistemas elétricos e eletrônicos secam com maior rapidez, evitando curto-circuito;
  • Forma uma barreira resistente à corrosão;
  • Limpa a poeira, sujeira e graxa;
  • Protege superfícies metálicas contra a umidade.

Garantia

Sistema / ComponenteTipo de falhaPrazo de garantia
Ferramentas Falhas dos produtos1 ano

Casos de perda da garantia:

Não atendimento às prescrições de cuidados de uso.

Fornecedores

Material / EquipamentoFornecedor
FerramentasTramontina

Assistência técnica

Procedimento para solicitar assistência técnica:

  1. Consultar no Manual se o problema se encontra dentro do prazo de garantia, e se foram realizadas as manutenções periódicas
  2. Agendar a vistoria
    1. Acessar o site da Viplan (https://construtoraviplan.com.br/ )
    2. Clicar em CONTATO, no menu superior:
  1. Clicar em ASSISTÊNCIA TÉCNICA:
  1. Você será direcionado para o site da Inmeta. Realizar o cadastro e abrir o chamado.

Observação: caso seja constatado que o defeito não está coberto pela garantia, poderá ser cobrada taxa de visita.

Orientações Gerais de Manutenção

Introdução

Um imóvel é planejado e construído para atender a seus usuários por muitos anos. Para que o edifício alcance a vida útil de projeto com o desempenho esperado, é necessário realizar a manutenção do imóvel e de seus vários componentes, considerando que estes, conforme suas naturezas, possuem características diferenciadas e exigem diferentes tipos, prazos e formas de manutenção.

A manutenção, no entanto, não deve ser realizada de modo improvisado e casual: deve ser entendida como um serviço técnico e realizada por empresas capacitadas ou especializadas ou, ainda, equipe de manutenção local, conforme a complexidade.

Para que a manutenção obtenha os resultados esperados de conservação e crie condições para que seja atingida a vida útil do imóvel, é necessária a implantação de um sistema de gestão de manutenção que contemple o planejamento de atividades e recursos, bem como a execução de cada um deles de acordo com as especificidades de cada empreendimento. A ABNT NBR 5674 apresenta os requisitos para o sistema de gestão de manutenção de edificações.

A manutenção deve ser iniciada tão logo inicie o uso da edificação. No caso de unidades privativas, mesmo que estejam desocupadas deve ser implantado o Programa de Manutenção.

É importante lembrar que, além de proporcionar condições para se manter o desempenho dos sistemas e o conforto, saúde e segurança dos usuários, a correta manutenção da unidade e das áreas comuns constitui condição da garantia do imóvel.

Neste Manual, são apresentadas orientações para programação e planejamento das atividades de manutenção, para orçamento e contratação dos serviços e, por fim, orientações para controle e registro das manutenções realizadas.

Programa de Manutenção

Elaboração

O Programa de Manutenção consiste na determinação das atividades essenciais de manutenção, sua periodicidade, os responsáveis pela execução e os recursos necessários.

Cabe ao proprietário (para as unidades) e ao síndico (para as áreas comuns) atualizar o respectivo programa, podendo contratar uma empresa ou profissional especializado para auxiliar na elaboração e gerenciamento do projeto.

A Viplan Engenharia fornece aos condôminos e síndico uma planilha Modelo de Programa de Manutenção Preventiva, entregue em meio digital. Essa planilha contém recomendações de atividades de manutenção para diversos componentes e sistemas da edificação, bem como a periodicidade e os responsáveis pela execução, elaborada com base no Anexo A da NBR 5674. Esta planilha é editável, podendo ser acrescentados outros sistemas e atividades de manutenção.

Ressalta-se que essa planilha é uma modelo base para elaboração do programa de manutenções, que é de responsabilidade do síndico e dos proprietários. As atividades devem ser programadas de maneira a:

  • Coordenar os serviços de manutenção para reduzir a necessidade de sucessivas intervenções;
  • Minimizar a interferência dos serviços de manutenção no uso da edificação e a interferência dos usuários sobre a execução dos serviços de manutenção;
  • Otimizar o aproveitamento de recursos humanos, financeiros e equipamentos.

O Planejamento da Gestão das Manutenções deve abranger a previsão orçamentária anual, os meios de controle de documentos, a reserva de recursos para serviços de manutenção não planejada, a reposição de equipamentos ou sistemas após o término de sua vida útil e os serviços específicos.

Verificação

Verificações do programa de manutenção ou inspeções são avaliações periódicas do estado de uma edificação e suas partes constituintes, e são realizadas para orientar as atividades de manutenção. São fundamentais e obrigatórias para a gestão de um programa de manutenção, conforme a ABNT NBR 5674.

A definição da periodicidade das verificações e sua forma de execução fazem parte da elaboração do programa de manutenção de uma edificação, que deve ser feita logo após a emissão do Certificado de Conclusão de Obra. As informações contidas no Manual do Proprietário e no Manual do Síndico, e o programa de manutenção auxiliam no processo de elaboração das listas de conferência padronizadas (check-list) a serem utilizadas, considerando:

·       Um roteiro lógico de inspeção e verificações das edificações;

·       Os componentes e equipamentos mais importantes da edificação;

·       As formas de manifestação esperadas do desgaste natural da edificação;

·       As solicitações e reclamações dos usuários.

As verificações realizadas devem ser registradas. Os relatórios das verificações avaliam eventuais perdas de desempenho e classificam os serviços de manutenção conforme o grau de urgência nas seguintes categorias:

·       Serviços de urgência para imediata atenção;

·       Serviços a serem incluídos em um programa de manutenção.

As verificações periódicas permitem que os responsáveis pela administração da edificação percebam rapidamente pequenas alterações de desempenho de materiais e equipamentos, viabilizando seu reparo com maior rapidez e menor custo, sem contar a melhoria na qualidade de vida e segurança dos moradores e na valorização do empreendimento.

Orçamento e Contratação dos Serviços de Manutenção

Previsão orçamentária anual

De acordo com a ABNT NBR 5674, as previsões orçamentárias anuais do condomínio devem prever os recursos financeiros necessários para a realização dos serviços de manutenção em período futuro definido, bem como incluir uma reserva de recursos destinada à realização de serviços de manutenção corretiva.

As previsões orçamentárias devem ser flexíveis, de modo a assumir uma margem de erro em estimativas de custos. As previsões devem expressar a relação custo x benefício dos serviços de manutenção, devendo constar em ata as deliberações sobre a realização ou não destas intervenções.

Orçamentos dos serviços de manutenção

De acordo com a ABNT NBT 5674, os orçamentos dos serviços de manutenção devem conter:

a) Dados do cliente;

b) Escopo dos serviços ou objeto;

c)  Descrição de cada atividade, com os respectivos prazos;

d) Especificações técnicas de execução de manutenção futura, desenhos, cálculos ou projetos, quando aplicável;

e) Condições comerciais, valor, forma de pagamento e validade da proposta;

f)  Responsabilidades legais e obrigações de cada parte, incluindo o atendimento à legislação pertinente quanto à segurança do trabalho;

g) Indicação do responsável técnico pela atividade, quando aplicável;

h)  Garantias e exclusões;

i)   Previsão de seguros, se aplicável.

Para avaliação das propostas, recomenda-se observar:

a) Qualificação da empresa ou profissional em termos de capacidade técnica, recursos humanos e equipamentos necessários ao desenvolvimento dos serviços;

b) Experiência da empresa ou profissional na área, incluindo a menção de outros serviços em andamento ou já concluídos, e o eventual fornecimento de acervo técnico;

c)  Referências de outros clientes;

d) Proposta técnica apresentada, incluindo atendimento às normas aplicáveis e legislação;

e) Habilitação jurídica, regularidade fiscal, idoneidade e capacidade financeira da empresa ou profissional, avaliadas em relação ao porte de serviço contratado;

f)  Prazo para a execução, preço, condições de pagamento, cronograma físico-financeiro com base no contrato.

Outras orientações:

Sempre que o condomínio contratar uma empresa especializada ou um profissional para realização de obras ou procedimentos de manutenção, orienta-se que seja exigido, pelo síndico, a realização de um contrato de prestação de serviços, o qual deverá especificar as responsabilidades e obrigações das partes, o cronograma das obras, as especificações do serviço contratado, como indicação dos materiais utilizados.

O contrato de prestação de serviços pode ser substituído, em manutenções de menor complexidade e duração, pela aprovação documentada assinada da proposta.

É importante que o síndico exija, para todas as manutenções, o cronograma físico-financeiro dos procedimentos, bem como exija que a empresa contratada utilize os equipamentos de segurança individual e coletiva necessários ao procedimento.

Execução das Atividades de Manutenção

Conforme especificado na ABNT NBR 5674, antes do início dos serviços de manutenção, o executante deve providenciar:

a) Meios que assegurem condições necessárias à realização segura dos serviços de manutenção;

b) Meios que protejam os usuários da edificação de eventuais danos ou prejuízos decorrentes da execução dos serviços de manutenção;

c)  Delimitações, informações e sinalização de advertência aos usuários sobre eventuais riscos.

Ao realizar a manutenção tomar os cuidados necessários para garantir a segurança dos usuários da edificação. Cuidar também para que não haja riscos para o entorno do edifício, incluindo vizinhos e vias de acesso.

Deve-se buscar minimizar a interferência dos serviços de manutenção na rotina da edificação. Caso durante a execução das atividades seja necessário interromper o funcionamento de algum sistema, ou restringir acesso a alguma área, os moradores devem ser previamente comunicados.

Durante a realização dos serviços de manutenção, todos os sistemas de segurança da edificação devem permanecer em funcionamento ou, se necessário, devem ser previstos sistemas alternativos.Não é permitida a obstrução, mesmo que temporária ou parcial, das saídas de emergência.

Caso os serviços resultem em mudança de características técnicas da edificação, o memorial descritivo, as especificações, os respectivos projetos e os Manuais de Uso, Operação e Manutenção devem ser adequados.

Durante a realização dos serviços, devem ser implementados controles a fim de garantir o cumprimento dos requisitos legais, de qualidade, custo e prazo, observadas as condições contratuais.

É importante exigir do profissional ou empresa executora:

a) O cumprimento do cronograma físico-financeiro e condições estabelecidas no contrato;

b) O acompanhamento do responsável técnico pelas atividades, quando aplicável;

c)  A utilização dos equipamentos de segurança individual e coletiva adequados.

Controle e Registro de Manutenções

De acordo com as normas NBR 5674 e NBR 14037, é obrigatório registrar a realização das manutenções. Devem ser mantidos registros legíveis e disponíveis para prover evidências da efetiva implementação do programa de manutenção, do planejamento, das inspeções e da efetiva realização das manutenções.

A Viplan Engenharia fornece aos condôminos e síndico um Modelo de Planilha de Registro de Manutenção, entregue em meio digital. Nesta planilha, é possível registrar quando foram realizadas as atividades de manutenção, os responsáveis, custos, e quais e onde estão arquivados os documentos comprobatórios.

São considerados documentos comprobatórios das atividades de manutenção:

·       Notas fiscais,

·       Contratos,

·       Laudos,

·       Certificados,

·       Termos de garantia,

·       Demais comprovantes da realização dos serviços.

Para cada atividade de manutenção, um ou mais destes documentos devem ser arquivados, conforme aplicável. A Planilha de Registro de Manutenção é apenas uma ferramenta para organizar as informações e possibilitar a consulta dos serviços realizados de forma rápida.

Toda a documentação dos serviços de manutenção executados deve ser arquivada como parte integrante do manual de uso, operação e manutenção da edificação, ficando sob a guarda do responsável legal (proprietário ou síndico).

Toda essa documentação, quando solicitada, deve ser prontamente recuperável e estar disponível aos proprietários, condôminos, construtor/incorporador e contratado, quando pertinente.

Quando houver troca do responsável legal (proprietário ou síndico), toda a documentação deve ser formalmente entregue ao sucessor.

Inspeção predial

Inspeção predial é um tipo específico de vistoria, com o objetivo de identificar o estado geral da edificação e se seus sistemas construtivos, observados os aspectos de desempenho, funcionalidade, vida útil, segurança, estado de conservação, manutenção, utilização e operação, consideradas às expectativas dos usuários. A inspeção predial é realizada por um profissional habilitado (engenheiro ou arquiteto), que emite um Laudo de Inspeção Predial. Este laudo é um documento técnico que permite uma visão detalhada das condições físicas da edificação, permitindo determinar medidas preventivas e corretivas que se fizerem necessárias para a boa vida do imóvel e seus usuários.

A inspeção predial contempla a análise dos sistemas, elementos e equipamentos existentes no prédio, sendo necessário muitas vezes uma equipe multidisciplinar. Essa vistoria possui caráter visual e não emprega ensaios tecnológicos. Nos casos em que estes são necessários, isso estará detalhado no Laudo, no item das orientações técnicas.

É recomendável que sejam realizadas inspeções prediais a cada 5 anos, por profissionais habilitados registrados nos conselhos profissionais competentes.Os laudos de inspeção predial devem ser anexados à documentação e registros do edifício, e poderão ser solicitados pelo incorporador, construtor, proprietário ou condômino.

Ao contratar uma Inspeção predial, recomenda-se ao responsável pelo condomínio atentar-se para os seguintes aspectos:

·       Verificar a habilitação profissional, especialização e experiência do inspetor, a fim de certificar que o profissional possui conhecimento na área de Inspeção Predial e Vistoria em Geral;

·       O Laudo é de responsabilidade do profissional, consoante escopo e nível contratado, motivo da importância na sua escolha, que deve ser inscrito no CREA ou CAU e, também, no Ibape – Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia;

·       Verificar se existe mais de um profissional envolvido no trabalho, o que, normalmente, caracteriza um trabalho mais aprofundado e completo;

·       Verificar qual é o escopo dos serviços prestados pelo profissional, sua abrangência e sistemas construtivos que serão vistoriados;

·       Observar se o Laudo oferecido é completo em relação à análise de rotinas de manutenção já existentes e se há análise de documentos.

Anexo: Planilha para Programa e Registro de Manutenções Inside

Termo de Garantia

Introdução

Este Termo de Garantia apresenta informações referentes à garantia contratual fornecida para cada sistema do empreendimento, tanto das áreas comuns quanto das unidades autônomas, bem como as condições de garantia e hipóteses de perda.

Antes de adentrar nas especificações e prazos de cada garantia fornecida, cumpre esclarecer que este documento foi elaborado em consonância com as normas técnicas ABNT NBR 17170:2022, ABNT NBR 14037:2011, ABNT NBR 5674:2012, ABNT NBR 15575:2013 e ABNT NBR 16280:2014, bem como em observância aos ditames do Código de Proteção e Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90) e ao Guia Nacional para Elaboração do Manual de Uso, Operações e Manutenção das Edificações, elaborado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção – CBIC.  

Dentre as regras incutidas em tais normativas, estão estabelecidos padrões específicos de qualidade para construção de casas e apartamentos, bem como estão distinguidas as responsabilidades de cada integrante da relação econômica (fornecedor, construtor, projetista) até o consumidor final, para que se obtenha o conforto, a segurança o desempenho e a durabilidade do imóvel durante a sua vida útil, conforme as legítimas expectativas do proprietário.

Para que tais expectativas possam ser atingidas, é essencial que as partes envolvidas tenham ciência das suas próprias responsabilidades e incumbências, tendo em mente que o desempenho habitacional é resultado da colaboração de diversas partes: fornecedores, construtores, e até mesmo do proprietário.

Prazos de Garantia

Os prazos de garantia dos sistemas, elementos, componentes e instalações do Condomínio INSIDE estão descritos no Manual do Proprietário e no Manual do Síndico, junto às informações técnicas e de uso e manutenção de cada item.

É importante ressaltar que os prazos são contados a partir da data do Certificado de Conclusão de Obra. Os prazos descritos correspondem aos prazos totais de garantia, não implicando soma aos prazos de garantia legal previstos no Código de Defesa do Consumidor. 

Destaca-se que as garantias estão condicionadas à realização das manutenções definidas e programadas pela construtora nos seus Manuais de Uso, Operação e Manutenção e que deverão seguir as determinações da norma ABNT NBR 5674 (Manutenção de edificações — Requisitos para o sistema de gestão de manutenção). No mesmo sentido, estão condicionadas ao uso correto da edificação pelo usuário, bem como à realização das manutenções preventivas e rotineiras.

Perda da Garantia

A garantia dos sistemas e componentes será perdida nos seguintes casos:

a) a não realização ou a falta de comprovação da realização das atividades de limpeza, conservação e manutenção previstas no manual de uso, operação e manutenção das edificações ou instruções específicas fornecidas pelo incorporador, construtor ou prestador de serviços de construção; 

b) a falta de realização de serviços especializados de manutenção prevista e indicados pelo incorporador, construtor ou prestador de serviços;

 c) o uso e a operação em desacordo com as orientações do manual de uso, operação e manutenção ou das instruções específicas; 

d) a substituição de materiais ou componente de qualquer sistema construtivo da edificação; 

e) a falta de registro e comprovação da implantação do sistema de gestão de manutenção conforme instruções constantes no manual de uso, operação e manutenção da edificação e na ABNT NBR 5674;

 f) a realização de reformas que alterem as características de projeto e construção, ou que tenham sido realizadas em desacordo com a ABNT NBR 16280;

g) a realização de reformas em desacordo com as condições apresentadas no manual de uso, operação e manutenção, incluindo as condições para alterações visando à adaptação para acessibilidade da unidade e a situação de ampliação da unidade que estejam previstas no manual;

 h) o descumprimento dos procedimentos e prazos para solicitação de atendimento em relação às garantias;

 i) a ocorrência de alterações nas condições do entorno que causem impactos na edificação ou no sistema construtivo;

 j) a ocorrência de qualquer caso fortuito ou de força maior que impossibilite a manutenção da garantia oferecida; 

k) a falta de permissão pelo proprietário ou representante legal da edificação do acesso do profissional designado pelo incorporador, construtor ou prestador de serviços de construção às áreas comuns ou privativas da edificação para proceder à vistoria técnica. 

Situações não cobertas pela garantia:

Pequenas alterações decorrentes de desgaste natural, por tempo ou uso, de peças, componentes e materiais utilizados no empreendimento não contemplam o acionamento da garantia, ainda que dentro do prazo concedido.

Falhas aparentes e ocorrências em acabamentos em que a identificação deve ser feita no ato da entrega

A Tabela a seguir abrange exemplos de falhas aparentes, para os quais se aplicam os prazos para reclamação do reparo previstos na legislação vigente e aplicável, sendo que a identificação da falha deve ser feita no ato da entrega da edificação ou da unidade (vistoria). Deve ser feito o registro formal para as falhas aparentes que venham a ser identificadas na entrega da edificação ou da unidade, pois a falta de registro pode indicar que a situação aconteceu após a entrega, não sendo, portanto, uma falha decorrente do processo de produção da edificação, mas uma situação causada pelo usuário.

SistemaDescriçãoTipos de falhas aparentes e ocorrências em acabamentos que devem ser identificadas no ato da entrega
Vedações verticais externas e internasPortas corta-fogoFalha de regulagem de dobradiças e molas Ocorrências em acabamentos: manchas, lascamento de pintura ou acabamento superficial
Portas de acesso e internas de áreas comuns e privativasOcorrências em acabamentos: manchas, lascamento de pintura ou acabamento superficial
Revestimentos decorativos de qualquer naturezaOcorrências em acabamentos: lascamento, diferenças de tonalidades, manchas e riscos, falhas de rejuntamento
PinturasOcorrências em acabamentos: lascamento, diferenças de tonalidades, manchas e riscos
Esquadrias de alumínio, madeira e aço Falha pela dificuldade de abertura ou fechamento. Ocorrências em acabamentos: riscos, manchas, amassamento, lascamento
VidrosOcorrências em acabamentos: Lascamento, trincas, quebras, riscos ou manchas
PisosContrapisoOcorrências em acabamentos: depressões e irregularidades, quebra
Revestimentos/acabamento de qualquer natureza, inclusive o rejuntamentoOcorrências em acabamentos: Lascamento, diferenças de tonalidades, manchas e riscos, falhas de rejuntamento, falhas de polimento
ForrosSuperfícieOcorrências em acabamentos: Lascamentos, quebras, manchas, irregularidades
Sistemas hidráulicosLouças sanitárias, banheiras, bancadas e cubasOcorrências em acabamentos: Lascamento, quebra, manchas, fixação, riscos ou amassados 
Metais sanitáriosOcorrências em acabamentos: manchamento Falhas de fixação; falha de abertura e fechamento
Sistemas elétricosEspelhos de tomadas, interruptores e outros dispositivosFalha de fixação e de instalação, componentes danificados
PiscinasRevestimentos, iluminaçãoOcorrências em acabamentos: lascamento, quebras, diferença de tonalidade
Prevenção e combate a incêndioSinalizaçãoOcorrências em acabamentos: trincas, quebras, amassados ou manchas
AcessibilidadeSinalizaçãoOcorrências em acabamentos: trincas, quebras, amassados ou manchas

Fornecedores

FornecedorEndereçoMunicípioCEPTelefone
660 – Incepa Revestimentos Cerâmicos LTDAAVENIDA PADRE NATAL PIGATTO – 974 -VILA BANCARIA – Campo Largo – PRCampo Largo/PR83601-630(41)33911451
288 – Eliane S/A – Revestimentos CeramicosRua ambrosio dallo – 330 – centro – Cocal do Sul- SCCocal do Sul/SC88845-000
442 – Ceramica Tupi Guarani LTDARODOVIA SC 410 – S/N – KM 9 – NOVADESCOBERTA – Tijucas – SCTijucas/SC88200-000
346 – Vogelsanger Artefatos de Concreto LtdaEstrada Piraí – 3300 – Vila Nova – Joinville – SCJoinville/SC
534 – Celucon Industria Comercio de ConcretoCel. e Construção Civil LTDAAVENIDA ADVENTISTA – 875 – TIRADENTES -Campo Grande – MSCampo Grande/MS79042-010
101 – Supermix Concreto S/ARua Alfredo Hubner – 55 – Pirabeiraba – Joinville- SCJoinville/SC89239-286(47) 3424-6500
495 – Votorantim Cimentos S.A.RUA TUPY – 423 – SAO MARCOS – Joinville -SCJoinville/SC89214-400
585 – Euromassa Argamassas LTDARUA PREFEITO BALTAZAR BUSCHLE – 810 -COMASA – Joinville – SCJoinville/SC89228-000(47)34341572
286 – Tintomax Comercio de Tintas Ltda. – Loja07Av. Getulio Vargas – 1286 – Anita Garibaldi -Joinville – SCJoinville/SC89202-002
129 – Engemix – Votorantim Cimentos SARua Doutor Humberto Pinheiro Vieira – 200 -Zona Industrial Norte – Joinville – SCJoinville/SC89219-570(47) 3467-1077
192 – Companhia Siderúrgica NacionalAv. Inal – 190 – Vila Industrial – Mogi das Cruzes- SPMogi das Cruzes/SP08770-040(11) 4791-7845
1035 – REALFLOOR MSS Imp. e Exp. LTDARUA GUSTAVO FRIEDEMANN – 60 – SALA 01- VILA LALAU – Jaraguá do Sul – SCJaraguá do Sul/SC89256-190(47)33719338
798 – Famossul Madeiras S/AAVENIDA PARANA – 970 – TRIGOLANDIA -Piên – PRPiên/PR83860-971(41)36328300
1127 – DOBRAX COMERCIO DEFECHADURAS E FERRAGENS LTDARODOVIA GABRIEL ARNS – 5572 – PAVLH 03 -CENTRO – Forquilhinha – SCForquilhinha/SC88850-000(48)34370571
1494 – ROCA SANITARIOS BRASIL LTDAAVENIDA 14 DE DEZEMBRO – 2800 – VILAMAFALDA – Jundiaí – SPJundiaí/SP13206-105(11)33784732
1393 – BERGER RODAFLEX – INDUSTRIA ECOMERCIO LTDARUA JOAO LADISLAU TABALIPA – 155 – SAOJOAO – Itajaí – SCItajaí/SC88305-030(47)33483970
795 – Stilo Decorações LtdaRUA DOUTOR JOAO COLIN – 1285 -AMERICA – Joinville – SCJoinville/SC89204-001(47)96397233
83 – Natuville Comércio de Produtos paraJardinagem Ltda MERua Uiarapuru – 562 – Aventureiro – Joinville -SCJoinville/SC89225-680(47) 3467-5376
817 – Sanretech Impermeabilização LTDARUA SETE DE SETEMBRO – 23 – ANDAR 1SALA 02 – CENTRO – Joinville – SCJoinville/SC89201-200(47)99131933
115 – Ceramfix Ind. Com de Argamassas eRejuntes LtdaRua Leonardo P. Scmitt – Macuco – Gaspar – SCGaspar/SC89110-000(47) 2102-0511
108 – Docol Metais Sanitarios LtdaAv. Edmundo Doubrawa – Zona Industrial -Joinville – SCJoinville/SC89219-502
1270 – EGS COMERCIAL ELETRICA EIRELIRUA PROTÁSIO WIPEL – 50 – ITAIPAVA – Itajaí- SCItajaí/SC88316-370(47)35141651
1399 – COSTASUL COMERCIO E ASSISTENCIA TECNICA DE MOTOBOMBASLTDARUA 220 – 455 – MEIA PRAIA – Itapema – SCItapema/SC88220000(47)33685824
133 – Serralheria Wenceslau Braz LtdaRua Turvo – 456 – Saguaçu – Joinville – SCJoinville/SC89221-585(47) 3437-1848
574 – FEHRMANN COMERCIO ATACADISTAIMPORTACAO E EXPORTACAO LTDARUA AGUA BRANCA – 456 – AGUA VERDE -Blumenau – SCBlumenau/SC89041-700(47)33252025
1217 – DISTAK COMERCIO E INDUSTRIA LTDARUA MANOEL JOAO MARTINS , 518 – PRAIA DE FORAPalhoça – SC88138-090(48) 3259-6605
850 – Marmoraria Schmidt LTDARUA MARQUES DE OLINDA – 3038 – GLORIA -Joinville – SCJoinville/SC89216-100(47)34334140
317 – Comercial Mondini Ltda MeRua Padre Bernardo – 466 – Nova Brasilia -Joinville – SCJoinville/SC
67 – Serralheria Alumiville Ltda – MERua Joel Elias Steil – Itinga – Araquari – SCAraquari/SC89245-000(47) 3423-3382
598 – Fernanda Gomes Guesser Indústria de PlásticosRUA RUI BARBOSA – 2500 – GALPAO01 SALA 01 – ZONA INDUSTRIAL NORTE -Joinville – SCJoinville/SC89219-522(47)99714075
574 – FEHRMANN COMERCIO ATACADISTAIMPORTACAO E EXPORTACAO LTDARUA AGUA BRANCA – 456 – AGUA VERDE -Blumenau – SCBlumenau/SC89041-700(47)33252025
929 – Escadas Manske LTDARUA PROF. JACOB INEICHEN – 1589 – GALPAO01 – ITOUPAVAZINHA – Blumenau -SCBlumenau/SC89066-600(47)30375218
438 – Jato D Agua Banheiras e Piscinas LTDARUA DOUTOR JOAO COLIN – 2097 -AMERICA – Joinville – SCJoinville/SC89204-005
140 – O Mercador Distribuidora LtdaRua Montezuma de Carvalho – 391 – JardimIririú – Joinville – SCJoinville/SC89224-141(47) 3028-5507
992 – Calhas FF Finder Indústria e ComércioLTDARUA FATIMA – 2023 – SALA 02 – FATIMA -Joinville – SCJoinville/SC89229-102(47)34360720
1001 – Seral Otis Industria Metalurgica LTDARUA ELISHA OTIS – 2200 – GALPAO; -COOPERATIVA – São Bernardo do Campo – SPSão Bernardo doCampo/SP09852-075(11)43443402
1640 – ROTOGARDEN INDUSTRIA E COMERCIO DE VASOS / REQUINTE VASOSRUA QUINZE DE OUTUBRO, 3651 – GALPAO2 – RIO BONITOJoinville/SC89239-700(47)34355986
138 – Elétrica Comercial Andra LtdaRua XV de Novembro – 3935 – Glória – Joinville -SCJoinville/SC89216-202(47) 3419-7000
617 – FTC ENGENHARIA, TREINAMENTO ECONSULTORIA EIRELI Wando da Rosa FontouraRUA CAMPINA GRANDE – 90 – CASA 03 -PETROPOLIS – Joinville – SCJoinville/SC89209-110(47)96597260
440 – Aluminios e Vidros Tubarao LTDARUA SILVIO BURIGO – 1840 – MONTECASTELO – Tubarão – SCTubarão/SC88702-501
760 – Qualyflex do Brasil Fios e Cabos EireliIrati – PRIrati/PR
575 – Brasipla Indústria e Comércio LTDARODOVIA SC 446 KM 07 – 1881 – PAVILHAO -PALMEIRA DO MEIO – Urussanga – SCUrussanga/SC88840-000(48)4662449
137 – Dunquer Comércio de Materiais ElétricosRua Itaiópolis – 547 – América – Joinville – SCJoinville/SC89204-100(47) 3423-0131
753 – Premium Materiais Elétricos LTDARUA OTAVIO ROSA FILHO – 342 – BOMRETIRO – Joinville – SCJoinville/SC89223-120(47)99728142
703 – Premium Tecnologia Elétrica LTDARUA NOVE DE MARCO – 337 – SALA 309 -CENTRO – Joinville – SCJoinville/SC89201-400(47)97018979
953 – LAO Indústria LTDAAVENIDA DR.MAURO LINDENBERG MONTEIRO – 1003 – PQ.INDL.ANHANGUERA -Osasco – SPOsasco/SP06278-010(11)36585244
579 – Bakof Plásticos LtdaEstrada da Ilha – 50 – Conj C – Pirabeiraba -Joinville – SCJoinville/SC89239-250(55)37449900
119 – Casas da Água Materiais para ConstruçãoLtdaRua Santa Catarina – 1194 – Floresta – Joinville -SCJoinville/SC89211-300(47) 3436-0855
94 – Joiarte Artefatos de Cimento Ind. e Com.LtdaRua Marechal Hermes – 171 – Glória – Joinville -SCJoinville/SC89217-200(47) 3453-0986
545 – Bucco Conexões Comércio de PeçasLTDARUA INDEPENDENCIA – 170 – CENTRO -Herval d’Oeste – SCHerval d’Oeste/SC89610-000(49)35544296
EXTINCHAMASR. Benjamin Constant, 1984Joinville89217-301(47) 3434-0707
250 – Baraúna Aquaforte Instalações HidráulicasLTDA EPPRua Tocantins – Rio Grande – Palhoça – SCPalhoça/SC88131-763
1753 – FRIOVIX COMERCIO DE REFRIGERACAO LTDARODOVIA FERNAO DIAS, KM 937GALPAO300 – AExtrema/MG37640-000(27)32706532
578 – Feuser Funilaria LtdaRua Agulhas Negras – 578 – Jarivatuba -Joinville – SCJoinville/SC89230-580(47)30282180
876 – Feuser Manutenção e Comércio deMáquinas LTDARua Benjamin Constant – 2573 – B – Glória -Joinville – SCJoinville/SC89217-001(47)30271519
954 – Feuser Comércio e Serviço LTDARUA MARIO CESAR MACHADO DOSSANTOS – 830 – FATIMA – Joinville – SCJoinville/SC89229-355(47)97104241
1726 – Ecosul Metais LtdaRua Papa Joao XXIII, 1009Cachoeirinha / RS94910-170(51) 99594-7508
1562 – ACP SERVICOS DE MADEIRAS LTDARUA ARACAJU – 980 – APT 401 – SAGUACU -Joinville – SCJoinville/SC89221-632(47)34330541
350 – Active Comércio e Serviços deEquipamentos Eletrônicos Ltda.Rua Marechal Floriano – 75 – América – Joinville- SCJoinville/SC
1630 – KRENKE BRINQUEDOS PEDAGOGICOS LTDARUA RODOLFO TEPASSE, 250Guaramirim/SC89270-000(47)3712044
1815- CARREFOUR COMERCIO E INDUSTRIA LTDARUA JACAREZINHO, 1157 – EMPRESARIAL GATOPRETOCajamar / SP07789-100(11) 3003-2099
1792 – LOJAS COLOMBO SA COMERCIO DE UTILIDADES DOMESTICASRUA XV DE NOVEMBRO, 366Joinville/SC89201-600(47) 9910-4164
1206 – EBAZAR.COM.BR. LTDAAVENIDA GENERAL DAVID SARNOFFContagem/MG32210-110
314 – Prédio New Comércio de Equipamentos p/ Condomínios Ltda.RUA PISTOIA, 188São Paulo/SP02189-000(11)69677674
1698 – (PROMASTER ) CASA DO FITNESS OUTLET FITNESSRUA 4600, 89Balneário Camboiu/SC88330-140(47) 21259189
1688 – BRINQUEDOS SCHULTZE LTDARODOVIA SC 301, 3495Joinville/SC89239-400(47) 9986-0191
1630 – KRENKE BRINQUEDOS PEDAGOGICOS LTDARUA RODOLFO TEPASSE, 250Guaramirim/SC89270-000(47)3712044

Anexos

Manuais e Garantias

Aparelho de som academia e salão de festas

Ar condicionado

Central de Monitoramento

Cooktop

Dobradiças e Fechaduras

Esquadrias alumínio e vidro

Fechadura Eletrônica

Revestimentos Cerâmicos

Notas fiscais

Ar Condicionado 18.000 Btu’s

Ar Condicionado 24.000 Btu’s

Bicicletas Compartilhadas

Bomba de Recalque 1

Bomba de Recalque 2

Cooktop

Elevador

Equipamentos da Academia

Equipamentos da Piscina

Fechaduras Eletrônicas

Ferramentas Compartilhadas

Forno

Lareira

Microondas

Playground

Refrigerador

Smart TV

Laudos e ensaios

ART Dispositivo de Ancoragem

ART Teste de Estanqueidade

Calibração Manometro

Ensaios Olhal

Laudo Estanqueidade de GPL

Laudo Técnico de Pontos de Ancoragem

Relatório Ensaio de Aderência à Tração

Documentos adicionais

Armários Homologados de Entrega

Elevador

Esquadrias Alumínios Tubarão

Relação de aparelhos de Monitoramento e Segurança

Projeto Serralheria Portão

Faça o download do seu Manual
No data was found